Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quarta, 14 de Abril de 2021 - 20:33

Olavo Fonseca, representante do +Bahia, diz que Conselho quer ver clube mais forte

por Milena Lopes

Olavo Fonseca, representante do +Bahia, diz que Conselho quer ver clube mais forte
Foto: Alexandro Galvão / Bahia Notícias

Integrante do grupo +Bahia, que faz parte do conselho do Conselho Deliberativo do clube, Olavo Fonseca, afirmou que a relação com a atual gestão é amigável, mesmo sendo oposição a diretoria. Em entrevista ao programa BN na Bola, da rádio Salvador FM 92.3, apresentado por Emídio Pinto, Glauber Guerra e Ulisses Gama, ele falou sobre as reuniões entre Conselho e diretoria e destacou o objetivo do trabalho que vem tentando ser feito em prol do clube.

 

“A gente é uma oposição que não é uma oposição radical, é uma oposição propositiva, a gente só quer que o Bahia ande bem. Não temos usura, só quermos um Bahia mais forte”, declarou Olavo Fonseca. "Somos somente oito conselheiros, mas somos respeitados e nos respeitam de volta”, completou. 

 

Ele explicou que o +Bahia foi um grupo que teve forte posicionamento em exigir maior transparência da gestão com o Conselho, pedindo as reuniões com maior frequência para alinhar assuntos do clube. Segundo ele, as funções de cada setor dentro do Bahia são estritamente respeitadas, mas os encontros se tratam de deixar todos que fazem parte da agremiação cientes do que está sendo feito e com qual propósito. 

 

Se tratando de contratações, mudanças e necessidades no elenco, por exemplo, o conselheiro pontuou que não cabe ao grupo interferir, mas que é preciso saber quais os planos da diretoria para poder cobrar os resultados. 

 

“A visão do +Bahia em relação a diretoria executiva, de futebol e conselho é que o conselho não pode se meter em contratação, especificamente. Não temos poder para isso e nem queremos passar a ter. Mas, nós queremos muito estar junto com a diretoria porque somos um braço da diretoria, para que eles nos deixem informados”, esclareceu.

 

“Antes Guilherme Bellintani não queria diretor de futebol, agora a gente tem um diretor, um gestor, um envolvido com a base… Mas como isso vai funcionar? Quem vai fazer o quê? O que o Bahia pretende com o sub-23? A gente precisa de metas e objetivos para que, como Conselho, a gente possa cobrar, que é nosso papel”, ressaltou.

 

Comentando ainda sobre sua nova função dentro da comissão de futebol da base do clube, Olavo Fonseca explicou que pretende entender melhor o que vem acontecendo com o Bahia sobre não estar mais revelando tantos jovens nomes e nem aproveitando os atletas que já possui para os campeonatos. 

 

“Quanto a base, é uma das questões que mais intriga nosso grupo e que me motivou a querer ser coordenador da comissão de futebol de base. A gente vai tentar tentar entender porque o Bahia não forma mais jogadores na base, porque tá preferindo contratar em idade mais avançada e a gente não entende porque a base não pode ajudar. Mas nisso, o Conselho pode ajudar, sobre quais os planos do Bahia em relação a isso e saber onde pode estar errado e onde pode estar certo”, pontuou. 

 

Ao final, Olavo ainda dá uma nota seis, numa escala de zero a dez, para o trabalho de Guilherme Bellintani e opinou sobre aspectos positivos e negativos na gestão dos últimos anos. 

 

Confira aqui a entrevista completa de Olavo Fonseca, conselheiro do Bahia e representante do grupo +Bahia. 

Histórico de Conteúdo