Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Sábado, 13 de Novembro de 2021 - 00:00

De volta aos palcos, Sulivã denuncia o racismo e a intolerância religiosa em 'Kaiala'

por Matheus Lens

De volta aos palcos, Sulivã denuncia o racismo e a intolerância religiosa em 'Kaiala'
Foto: Andréa Magnoni

Retornando ao formato presencial, o Domingo no TCA conta com a apresentação do solo "Kaiala", do ator Sulivã Bispo. Com direção de Thiago Romero, o espetáculo traz a cultura e beleza do candomblé de Angola, denunciando a intolerância religiosa (confira aqui).

 

Nascido e criado no Curuzu, bairro periférico de Salvador, Sulivã interpreta a divindade Kaiala, inquice do candomblé de Angola, como metáfora para contar a historia do assassinato de uma menina de 10 anos durante a invasão de um terreiro por um grupo de evangélicos.

 

O ator conta a importância de abordar esse assunto através do espetáculo e não esconde a alegria com a retomada do projeto no Teatro Castro Alves. “Fiquei muito emocionado com o retorno do espetáculo presencial, porque eu sou um artista de teatro, sei que o humor me levou para outros veículos, mas o palco é meu tablado sagrado. E retornar falando de candomblé, eu como um iaô de Oxum, falando de Angola, falando de Orixá e combatendo a intolerância religiosa, para mim tem um significado muito bonito. Kaiala fala de mim e dos meus, então retornar falando de mim e do meu povo é muito importante”.

 

Foto:  Liz Santana

 

O projeto Domingo no TCA tem como objetivo proporcionar à população baiana amplo acesso a espetáculos de qualidade, que acontecem na sala principal do teatro, a preço popular de 1 real a inteira e 50 centavos a meia. Desde o início da pandemia do coronavírus as apresentações aconteciam num formato digital, através do canal no YouTube do espaço.

 

Em seu retorno em pleno novembro, mês que é comemorado em Salvador a Consciência Negra. Kaiala, solo criado pelo próprio ator, com direção de Thiago Romero, ganha novos arranjos e cenas para a grande estreia neste domingo (14).

 

"Kaiala é uma história baseada em fatos reais e tem um pouco de ficção, tem todo um grupo envolvido para essa nova remontagem, que faz ganhar alguns vários minutos. Foi elaborado por uma equipe linda e preta para falar das nossas raízes e exaltar a importância de respeitar o povo de axé. São três personagens que criei através do meu olhar periférico, candomblecista, da reverência aos mais velhos e também para apontar a intolerância e racismo religioso que o povo de santo sofre de maneira direta e agressiva por boa parte dos protestantes e evangélicos do país”, afirma.

 

Segundo a Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos (ONDH), pelo Disque 100, os números de denúncias relacionados à intolerância religiosa aumentaram 41,2% no primeiro semestre de 2020 em relação ao mesmo período de 2019.

 

Em 2007, o ex-presidente Lula sancionou a lei que criou o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, comemorado em 21 de janeiro. A data coincide com a morte da ialorixá Gildásia dos Santos, conhecida como mãe Gilda de Ogum, fundadora do Axé Abassá de Ogum, em Itapuã. Em 2000, a religiosa foi atacada dentro do terreiro, e o trauma contribuiu para os problemas cardíacos que a levaram à sua morte.

 

O templo foi invadido e apedrejado por frequentadores da Igreja Universal do Reino de Deus, que agrediram o marido de Mãe Gilda violentamente. Dois meses depois, um jornal da mesma igreja publicou uma foto da ialorixá, com uma tarja no rosto e a manchete: "Macumbeiros charlatões lesam a vida e o bolso de clientes".

 

Foto: Reprodução/Folha Universal 

 

 

BENÇÃOS DE MAINHA

Sucesso entre os baianos, a websérie de comédia "Na Rédea Curta", onde Sulivã Bispo e o ator Thiago Almasy dão vida aos personagens "Mainha" e "Junior", vai virar filme e foi gravado em três cidades do recôncavo baiano, além de Salvador: Muritiba, São Félix e Cachoeira. O ator conta como foi a gravação do longa e os desafios de filmar com uma equipe num cenário pandêmico.

 

“A gente começou a gravar o filme no início da pandemia, já tinha o anúncio do vírus mas ainda não tinha estourado aqui no país, quando chegou interrompemos as gravações e voltamos quase um ano depois. O retorno foi muito bom, mas também cansativo, por estarmos desacostumados com essa rotina de cinema. Foi muito gratificante poder realizar esse sonho através de tudo que a gente construiu com os personagens, elenco e a Rosza Filmes, que nos abraçou nesse projeto. Foi incrível trabalhar com grandes artistas, que para nós são referências e grandes nomes do cinema que ainda não posso dizer, mas foi muito satisfatório saber que aquele embrião onde o microfone era uma lapela agora se transformou em um boom”, completa.

 

Foto: Shai Andrade

 

A previsão para o lançamento do “Na Rédea Curta - O filme” está prevista para chegar no primeiro semestre de 2022. Contemplado no edital da Ancine, o longa-metragem se aprofunda na história de Junior, que descobre que vai ser pai e decide, a partir disso, ir atrás de seu pai biológico. Mainha, super protetora, se vê obrigada a revelar a identidade do pai de Júnior, que mora no interior do Recôncavo da Bahia, na cidade de Cachoeira.

 

Sulivã também afirma que no próximo ano as esquetes vão retornar ao YouTube e segue cheio de novidades, como novos espetáculos e trabalhos.

Histórico de Conteúdo