Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Plataforma musical baiana abre mapeamento nacional de cantoras pretas e indígenas
Foto: Divulgação

Com o objetivo de difundir a arte de cantoras pretas e indígenas na cena independente nacional, a plataforma musical baiana “Frequências Preciosas” abriu uma chamada para o mapeamento destas artistas no país. 

 

O formulário do mapeamento “Seja Uma Preciosa” está disponível no site oficial da iniciativa (clique aqui). Para integrar o cadastro, as cantoras devem preencher dados como nome artístico, perfil descritivo, links de canções nas plataformas digitais, contato das redes sociais e fotos. 

 

O banco de dados surgiu em maio de 2020, durante a pandemia, quando a multiartista e produtora Viviane Pitaya - que estava iniciando sua carreira com músicas autorais - começou a mapear e se conectar com cantoras negras e indígenas para entender como elas produziam seus trabalhos e quais eram as dificuldades enfrentadas. 

 

Iniciado pela cena cultural baiana, o levantamento acabou expandindo pelo país, com o cadastro de mais de 500 artistas nacionais.

Histórico de Conteúdo