Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Sábado, 23 de Outubro de 2021 - 09:30

Coluna Literatura: Leia 'A beleza da poesia aleatória de Carol'

por Carlos Navarro Filho

Coluna Literatura: Leia 'A beleza da poesia aleatória de Carol'
Foto: Acervo pessoal

Carolina Freitas, poetisa sensível e de muitos recursos manda-me um bilhete reclamando da solidão da pandemia ,“até as agruras da covid se tornaram mais do mesmo” , e falando que como sempre encontrou guarida no ato de escrever. “Falta uma paixãozinha, então escrevo a isto e a tudo o mais que me sufoca”. É isso Carol a coisa ficou tão feia que só a beleza da poesia é capaz abrandar enquanto não chegamos todos a um porto seguro, que é a população vacinada, renovada e pronta para a festa. Gente nasceu para brilhar e ser feliz, lembra de quem disse isso? Ele mesmo. Leia os poemas de Carol, você vai gostar. Clique aqui e leia o texto completo!



Histórico de Conteúdo