Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Após adiamento, Lavagem da Estátua de Zumbi dos Palmares ocorre nesta quarta
Foto: Adriana Oliveira/ TV Bahia

A tradicional Lavagem da Estátua de Zumbi dos Palmares, líder do maior quilombo do período colonial, foi realizada na manhã desta quarta-feira (25). Organizado pela União de Negros pela Igualdade (Unegro) na Bahia, a celebração estava prevista para ocorrer na última sexta (20), Dia da Consciência Negra, como nos anos anteriores, mas precisou ser adiada em decorrência das chuvas que atingiram a cidade.

 

Os participantes se concentraram em frente à sede da Unegro, que fica na Rua Frei Vicente, no Pelourinho, e de lá seguiram em cortejo até a estátua, na Praça da Sé. O grupo composto por baianas foi acompanhado pela Banda Voz dos Tambores.

 

Na edição deste ano, o ato também serviu como homenagem a João Alberto Silveiro, homem negro morto após ser espancado por um segurança e um policial no estacionamento de um supermercado Carrefour, em Porto Alegre, na quinta-feira (19) passada (saiba mais aqui).

 

"Esse tipo de coisa não pode continuar acontecendo. Nossas crianças negras, jovens negros, homens e mulheres negras não podem continuar sendo vítimas do ódio racista dessa sociedade. É necessária a implementação de políticas antirracistas, é necessário o engajamento e mobilização de toda a população brasileira", disse Ângela Guimarães, presidente da Unegro, de acordo com o G1 BA.

 

Em nota enviada à imprensa antes da manifestação, a entidade informou que o tema da lavagem em 2020 é "Por uma nova política no Brasil". Eles se posicionam contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e a forma como seu governo trata a população negra. 

 

“A política de Bolsonaro representa o descaso com as vidas negras, seja pelo descaso com a saúde pública no contexto da Covid-19, seja no completo abandono das políticas públicas de educação, assistência social, cultural, dentre outras, que contribuem para a condição de pobreza e abandono vivenciada pela maioria negra da população brasileira”, ressalta Ângela.

Histórico de Conteúdo