Com mensagem de esperança, série brasileira desvela mitos da saúde mental no Discovery
A atriz Claudia Lira é um dos depoentes da série | Foto: Divulgação

Com quatro meses da pandemia no Brasil, muito se fala em saúde mental e nos gatilhos que o isolamento social e o contato com a morte podem despertar nas pessoas. Estes assuntos, no entanto, ainda são tabu para boa parte da sociedade, e o senso comum segue carregado de mitos e preconceitos. Motivado não apenas pontualmente por esta realidade provocada pela disseminação da Covid-19, mas tendo percebido há anos uma lacuna no entendimento a respeito dos transtornos mentais, o diretor carioca Anderson Corrêa lança, no dia 12 de agosto, às 23h35, no Discovery Channel, a série documental “Linha Tênue”. 

 

“A história começou em 2014 e eu fui filmar em 2018 e 2019. Porque a gente faz o Big Brother, eu fiz em 2018, e quando saí veio o recurso para eu filmar. Eu tinha a opção de ficar na Globo ou de filmar meu documentário, que é meu roteiro, minha história e minha criação. Aí eu optei por contar minha história e a gente foi filmar em 2018 e 2019, editamos tudo em 2019 e agora o Discovery está lançando”, explica Anderson, sobre o longo caminho até a conclusão do projeto, que está sendo traduzido para o espanhol e será exibido, além do Brasil, também para toda América Latina.

 

“O que me motivou foi que eu vi a necessidade do ser humano, enquanto um todo, saber mais e entender mais da questão dos transtornos, das doenças mentais mais abrangentes no mundo e que estão entre nós. A depressão, síndrome do pânico, o TOC, as pessoas que acabam tendo esse tipo de transtorno e acabam fugindo da realidade, uma compulsão sexual, os transtornos alimentares…”, conta o diretor, destacando, no entanto, que a ideia não é ser mais uma produção fria e técnica, mas sim uma obra de fácil assimilação, mesclando relatos de personagens e explicações de especialistas com linguagem acessível. 

 

“É um documentário que leva a informação para todo tipo de pessoa, da classe A, B ou C. Tanto um jovem de 17 anos bem humilde vai entender do que se fala, como uma pessoa expert, de 60 anos, de uma classe social alta e que teve estudo. O ‘Linha Tênue’ vai abranger a humanidade, vai chegar na casa de todo mundo e é de fácil entendimento”, afirma o diretor, lembrando que o conteúdo é voltado não só para quem convive com um transtorno mental, mas também para familiares e amigos destas pessoas e ainda para quem tem curiosidade sobre o tema. “Vendo que não tinha material viável que chegasse ao público em geral, para todo mundo entender, eu falei: ‘falta isso!’. A humanidade é carente de informação. Eu pensei que estava faltando o acolhimento, porque muitas vezes você não tem depressão, mas a sua mãe tem e você entra no mesmo estado dela. Uma pessoa com a mãe deprimida, num estado gravíssimo, a família fica abalada. Uma pessoa que tem uma filha com anorexia em casa, a família fica abalada vendo ela se degradar”, argumenta.

 


Anderson Corrêa idealizou o projeto em 2014, começou a filmar em 2018 e concluiu em 2019 | Foto: Divulgação

 

Outro ponto destacado pelo diretor foi a necessidade de desmontar os mitos em torno dos transtornos psicológicos, muitas vezes associados à fraqueza ou à futilidade de uma classe social privilegiada. “Queremos desmistificar [a visão de] que nessa questão de depressão a pessoa não quer nada com a vida e está dizendo que está deprimida, porque se tivesse uma roupa pra lavar ela não estaria daquele jeito. Não! A depressão mata, é uma doença insidiosa, que leva a pessoa ao fundo do poço até chegar ao suicídio”, alerta o diretor. Para exemplificar a gravidade dos problemas da mente e destacar a importância de tratá-los com seriedade e com auxílio de profissionais, ele lembrou uma fala da psiquiatra Alexandrina Maleiro no documentário: “A pessoa sai para o trabalho calada, dá tchau para o seu familiar com sorriso no rosto, vai trabalhar, faz as suas atividades e ao voltar pra casa sobe no último andar e se joga de um prédio”. 

 

Em dez episódios, com a participação de especialistas e personagens - famosos e anônimos-, “Linha Tênue” descortina os meandros da depressão, transtorno alimentar, dependência química, compulsão sexual, transtorno obsessivo compulsivo (TOC), transtorno delirante, transtorno de personalidade, do hábito, do humor e de ansiedade. Para auxiliar o trabalho de Anderson, que assina criação, roteiro e direção da série, a psicóloga Maria Zilda, psicanalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), foi a responsável pela supervisão de conteúdo.

 

Dentre os depoentes que aceitaram o desafio de contar suas histórias, de maneira voluntária, estão a atriz Claudia Lira, que relata sua luta contra a compulsão alimentar, percebida aos 14 anos, quando vivia na Argentina; e o músico Rodrigo Santos, ex-baixista do Barão Vermelho, que narrou seu caso de dependência química e a experiência de quase morte. Tendo vencido o vício em cocaína e álcool, ele hoje está longe das drogas e ministra palestras para dividir com as outras pessoas sua história de superação.

 


Rodrigo Santos, ex-baixista do Barão Vermelho, relata sua luta e a vitória contra a dependência química | Foto: Divulgação

 

O primeiro episódio da série, no entanto, traz o caso da modelo Núbia Oliver, que até hoje trata um quadro severo de depressão. “Não tenho depressão ocasional e, sim, um cérebro que é doente, que preciso acompanhar com médico e sem burlar os medicamentos”, explica Núbia, que além do acompanhamento com psicólogo e psiquiatra, alia exercício físico, meditação e busca autoconhecimento para aliviar os sintomas.

 

Apesar dos corajosos relatos colhidos na série, Anderson Corrêa revela que foi trabalhoso encontrar pessoas dispostas a falar publicamente sobre questões tão delicadas. “Os médicos e profissionais foram mais fáceis, difícil foi o depoente que se propôs a contar, a abrir a história de sua vida. Mas esses depoentes estavam na mesma vibe que a minha, eles falaram: ‘não, se é para ajudar o outro e desmistificar os preconceitos, eu quero participar’”, conta o diretor. “Agora, eu tive pessoas com resistência, tive artistas que não quiseram; tive políticos que chamei e não quiseram; empresários conhecidos que sofrem deste mal até hoje; cantor de pagode famosíssimo que a gente falou, ele disse que ia fazer e depois que não ia fazer mais; jogador de futebol que está no alcoolismo... Tudo isso foi falado, mas eles falavam que sim, mas depois tinha aquela resistência”, lembra.

 

No fim de tudo, entre o que se fala e o que se cala, a série “Linha Tênue” pretende superar tabus e apontar para um horizonte de esperança. “Meu objetivo é que dê um colo, um acolhimento para as pessoas que vivem isso, não só as vítimas, mas as famílias. Quero mostrar que há superação e que bonito é você não esconder a sua doença e sim você falar, dividir, compartilhar, para tratar”, explica Corrêa.

 

Confira o trailer da série, que estreia no dia 12 de agosto no Discovery Channel:

Histórico de Conteúdo