Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Baiano nos EUA, Rafael Pondé lança música e clipe contra racismo e violência policial
Foto: Divulgação

Trazendo a máxima do conterrâneo Glauber Rocha para os dias atuais, com uma ideia na cabeça e um celular na mão, o cantor e compositor Rafael Pondé acaba de lançar o clipe de “Vidas Negras Importam”, canção autoral que remonta as origens musicais do artista, que iniciou a carreira na banda Diamba, em 1996, e integrou ainda o Natiruts. Ele, que vive nos Estados Unidos, compôs a música inspirado no movimento de mesmo nome, que teve início no país há alguns anos e se espalhou pelo mundo, após um policial branco matar George Floyd, um homem negro. 

 

“Aqui em Washington DC onde moro se sente muito a pressão pelos protestos anti racistas inclusive a cidade declarou por vários dias seguidos estado de sítio proibindo os cidadãos de irem às ruas durante certos períodos do dia. E percebíamos em casa helicópteros voando baixo pra intimidar a população a não ir para ruas. Numa madrugada dessa há umas duas semanas, escrevi a música, influenciado por todo esse estado de coisas que infelizmente acontecem também no Brasil, no mesmo período, como a morte do João Pedro”, contou o músico, lembrando que a canção traça um paralelo entre a realidade norte-americana e a do Brasil, onde a violência policial e o racismo também são parte da realidade. “O mais interessante é que não só negros estão protestando, há nos protestos muitos brancos, latinos e diversas outras etnias”, acrescenta.

 

“É um momento único no mundo, pois creio que a pandemia trouxe também essa grande reflexão, onde as pessoas descobriram que já não querem mais conviver com racismo e violência policial. Aqui nos Estados Unidos isso ficou bem claro, e os Estados Unidos sempre foram pioneiros em questões de luta por direitos civis e conquistas sociais”, avalia o artista baiano, que no último domingo (14) decidiu sair de casa e registrar imagens para o videoclipe, apesar do receio de se expor, tanto ao vírus quanto à possibilidade de confronto com a polícia. “Tive muito [medo], por isso não fui nos primeiros dias, mas conversando com meu irmão Lucas resolvi ir, pois tivemos a ideia de pegar imagens lá para o clipe da música”, lembra Rafael, lembrando que a cidade já está em uma fase de relaxamento do isolamento.  

 

Multitarefas, o músico baiano juntou o material filmado nas ruas de Washington e fez a edição por conta própria. “Queria soltar a música logo por causa do momento, por isso optei por essa coisa mais pessoal. Filmei e editei no meu celular mesmo”, conta.  

 

Confira a música e o clipe:

Histórico de Conteúdo