Domingo, 16 de Outubro de 2016 - 17:51

Público da Flica 2016 destaca programação infantil e maior espaço para poesia

por Ailma Teixeira, de Cachoeira

Público da Flica 2016 destaca programação infantil e maior espaço para poesia
Caruru dos Sete Poetas | Foto: Ailma Teixeira / Bahia Notícias
Ao fim da sexta edição da Festa Literária Internacional de Cachoeira, o palco principal recebeu o "Caruru dos Sete Poetas" – evento inédito na festa. O maior espaço para a poesia com mesas exclusivamente dedicadas ao gênero, a exemplo de "Exílios Interiores" na tarde de sábado (15) com Ana Martins Marques (lembre aqui) e Ângela Vilma (e aqui) agradou o público. "Eu achei essa edição mais aberta para a poesia, discutindo temas urgentes da nossa contemporaneidade, as questões envolvendo as relações raciais, as desigualdades do Brasil e isso é muito importante", defende o estudante de pós-graduação, Carlos Átilla. Nascido em Cachoeira, mas vivendo em Salvador, Átilla não perde uma edição do evento desde o primeiro ano. Para ele, "os momentos mais interessantes" foram as últimas mesas de sábado – Conceição Evaristo e Alex Simões às 17h (saiba mais aqui), e Kabengele Munanga e Goli Guerreiro, às 20h.
 
Se tem uma coisa a ser melhorada, para Átilla, é explorar a diversidade de editoras, com produções de fora do centro comercial. "Faltou mais diversidade em termos de livros a serem vendidos, tem alguns livros interessantes, mas acho que poderiam ter outras editoras parceiras, que aumentassem as possibilidades", explica o estudante. Ele acrescenta que vai a eventos como a Flica a fim de conhecer novos títulos e autores, mas a livraria principal não lhe apresentou essas opções.



Zulmevalda e o neto na livraria | Foto: Ailma Teixeira / Bahia Notícias

Satisfeita com o evento, Zulmevalda Santana, o melhor está na opção de cultura para as crianças. "Ele quem manda!", ressalta, apontando para o neto de cinco anos. "É na Fliquinha que eu vou. Estamos esperando o avô dele que está ali na palestra e vamos seguir direto pra lá", conta Zulmevalda, que já frequenta a Flica há três edições. Ao contrário de Átilla, que conferiu o evento na íntegra, a funcionária pública só pôde chegar a Cachoeira na manhã deste domingo (16). "Eu escolhi hoje porque nos outros dias eu trabalho e aí não tem condição de participar da festa", explica. Ainda assim, ela não quis deixar de conferir o evento, junto com o marido e o neto, a quem incentiva a cultura.

Pela primeira vez na Flica, a estudante de Psicologia Rafaela Marques e a operadora de telemarketing Tamires Oliveira lamentam não ter podido conferir os quatro dias da festa. "Já conhecia por nome e as pessoas comentavam muito, eu estou adorando", afirma Rafaela, que foi conferir a última mesa com o grupo de poetas de Cachoeira. Tamires, que admitiu adorar a cidade, garante que as duas vão voltar no ano que vem. "Se possível, todos os dias", ressalta.

Histórico de Conteúdo