Sexta, 14 de Outubro de 2016 - 11:31

Do Éden à Finlândia: Mesa discute literatura fantástica no segundo dia da Flica

por Ailma Teixeira, de Cachoeira

Do Éden à Finlândia: Mesa discute literatura fantástica no segundo dia da Flica
Foto: Ailma Teixeira / Bahia Notícias
Única mesa dedicada à literatura fantástica da Flica 2016, "Do Éden à Finlândia" trouxe os autores Eduardo Spohr e Scarlet Rose a Cachoeira para falar sobre seus processos criativos, inspirações, desafios para publicação, dentre outros pontos. A mesa abriu a programação do segundo dia da Festa, na manhã desta sexta-feira (14). Com cinco livros já publicados e prestes a lançar o sexto, Spohr destaca que o mote para cada criação é a pesquisa. "O primeiro nível que não deve ser desprezado é a internet. O segundo nível da pesquisa são os livros. Isso é muito importante pra quem escreve. Pega um livro e lê ele inteiro. O terceiro nível de pesquisa é o canal, é conhecer o lugar porque o leitor vai sentir", elenca o escritor, que é também jornalista e colabora com o Nerdcast, um dos podcasts mais populares no Brasil.
 
Diferente de Spohr, Scarlet escreveu "Finlândia" inspirada na cultura de um país que nunca conheceu. A autora baiana ressalta a proximidade com a cultura nacional, que apropria coisas, como a figura do Papai Noel, original da terra finlandesa. "Eu adoro a Aurora Boreau; gosto muito do compositor finlandês, Sibelius; na literatura da Finlândia, eles têm um épico chamado 'Kalevala', que explica o surgimento do povo finlandês e é algo muito fantasioso, se aproxima muito da 'Ilíada'; e uma banda de love metal, chamada H.I.M.", pontua sobre suas influências. Com a recepção do público ao seu livro de estreia, Scarlet já se prepara para publicar um spin-off centrado no "Senhor da Sombra", personagem metamorfo da trama original. Nessa sequência, que deve sair em 2017, ela promete trazer as personagens para uma visita à colônia finlandesa no Brasil. Ainda esse ano, Spohr lança "Filhos do Éden: Universo Expandido", que vai mesclar a ideia de uma enciclopédia ilustrada com jogo de RPG. A publicação será feita em parceria com o ilustrador Andrés Ramos.

 


Scarlet Rose já prepara um spin-off de 'Finlândia' | Foto: Ailma Teixeira / Bahia Notícias

Psicóloga de formação, a baiana foi batizada como Bárbara Fontes. O pseudônimo surgiu ainda na adolescência, apelidada por um amigo, que se inspirou no título da canção de uma banda de rock. "Eu comecei a escrever nos textos, assinava nos cadernos da escola como Scarlet Rose. É quase uma entidade, ela existe, as pessoas me chamam e aí eu tive a oportunidade de colocar. Pensei: 'por que não lançar um livro assim?'. Eu li muito Fernando Pessoa, ele adora pseudônimo e seria mais uma curiosidade sobre mim, as pessoas saberiam que eu gosto de rock", explica a autora, excluindo a ideia de esconder sua vida pessoal. Scarlet afirma ainda que seu trabalho na psicologia lhe ajudou a construir a complexidade das personagens do livro.

Histórico de Conteúdo