Sábado, 13 de Abril de 2019 - 05:00

Eu só quero a vizinha

por Carlos Navarro Filho

Eu só quero a vizinha
Foto: Bahia Notícias

José Eleotério Alves de Albuquerque, o grande latifundiário do sertão de Serra Nova, está parado no umbral da porta da casa da fazenda, compondo a fachada caiada cujo branco é bordado por quatro janelões azuis no meio dos quais está a porta da mesma cor sob cujos contornos ele posa cofiando o cavanhaque branco, que não o deixa esquecer que já está perto de fazer setenta. Coronel Zé Alves da Guarda Nacional tem patente mais valiosa que a média geral. Não foi adquirida com contos de réis em espécie, ou paga com cabeça de boi e outra criação, foi ganhada e recebida com pompa e gala juntamente com a incumbência de combater a Coluna Prestes, que tinha anunciada uma passagem pela região. Olha distante, olha vagamente, não vê, nem distingue. O horizonte sem foco é apenas uma linha tênue, pano de fundo dando contorno disforme a morros, copas de árvores e pastos. A linha do horizonte está empastada por uma nuvem escura que desce até o mato, pesada, parece lá longe engolir a terra e vomitar sombra. Tempo bom, pensou. Quanto mais chuva melhor neste sertão. Pensa na vizinha de cerca, Filomena de Codó, prendada viúva na flor dos 45 anos. Disposta para o trabalho, dispensa adjutório de homem na administração da propriedade. É de muita firmeza no trato dos trabalhadores e meeiros, muita firmeza nos negócios, novinha, bonita, por ela o capitão tem alta estima, ela tem estima pelo capitão, ele pensa nela, ela pensa nele, bom dia, boa tarde, falta o boa noite, ali tão pertinho, menos de duas léguas de casa a casa, só um riacho separando.

 

Ele ali devastado pela solidão, indefeso.

- Parece que vem muita água né coronel? E não espera anoitecer, diz-lhe ao chegar Sisenando, apeando da montaria.

- Pois sim, compadre.

- Apanhei aquela rês que o coronel mandou, taí no curral do pé de imbira.

- Pois sim.

- Amanhã cedo chamo o nego Caetano e mando ferrar.

- Pois sim.

O capitão continuou distante, sequer desviou o olhar. O capataz entendeu e sem mais dizer foi procurar o que fazer.

Histórico de Conteúdo