Segunda, 21 de Outubro de 2019 - 16:31

Utopia Pop: 'Diga quem é você' – A mostra que dá voz a juventude negra baiana

por Deivide Sacramento

Utopia Pop: 'Diga quem é você' – A mostra que dá voz a juventude negra baiana
Foto: Deivide Sacramento

Lançado em maio deste ano, sob a coordenação de Jackson Costa e Gordo Neto, o projeto 'Aprendiz em Cena' proporcionou a 117 jovens na faixa etária de 16 a 24 anos, que residem nas periferias de Salvador, aulas de teatro e conhecimento em áreas técnicas e artísticas do fazer teatral. No último sábado (19) aconteceu o encerramento do primeiro módulo do projeto no Mercado Iaô, na Ribeira, e contou com a apresentação da mostra artística "Diga quem é você", que deu a oportunidade aos jovens de mostrarem o resultado do trabalho desenvolvido ao longo de quase seis meses de curso. 


O espetáculo retrata através de encenações a visão de mundo dos jovens participantes, a marginalização da juventude nas periferias, o assassinato nas comunidades, além de abordar temas como racismo e abuso sexual. Durante toda mostra, é impossível não se emocionar com o realismo da apresentação, que conta com seus momentos alegres, mas outros bastante chocantes, como o assassinato de jovens negros, a vida no crime, assaltos e violências. O ápice político da peça é quando um dos personagens, que retratando a figura do Diabo, contesta a todo custo à entrada do presidente da república, Jair Bolsonaro, no mundo inferior. Uma clara critica as atitudes do governo que tem virado as costas para as minorias da sociedade e a problemas como a fome. A homofobia também aparece na atração, e um dos momentos que a temática é mais bem retratada é durante a cena em que um jovem negro é rejeito e desprezado por colegas por conta do seu jeito afeminado. O tom de protesto a atitudes homofóbicas continua quando acontece um beijo gay no final da apresentação da música "Amor Marginal" de Jhonny Hooker.

 
Mas essa não é a única canção que recebe espaço na mostra. Os jovens apresentam ainda  "Vá se benzer" que inspirou o nome do espetáculo, dos compositores Leonardo Reis, Deco Simões, Emerson Taquari e Sergio Rocha, e gravada por Preta Gil e Gal Costa, além de "O Canto da Cidade" de Daniela Mercury e Antônio Jorge Souza Dos Santos e "Sorriso Negro", composição de Adilson Barbado, Jair Carvalho, Jorge Portela e Mario Lago, gravada por Fundo de Quintal. 


O projeto tem dado um novo sentido à vida dos cursistas, como é o caso do ator Victor Amorim da Silva, que conheceu o curso através da Fundação Cidade Mãe e se apaixonou pela profissão. "Conheci o projeto através da presidente da Fundação Cidade Mãe, ela me indicou e eu apoiei porque estava em um momento sem fazer nenhuma atividade, visto que já tinha concluído os estudos e aí eu precisava fazer alguma coisa. Quando eu achei essa oportunidade de fazer teatro e ainda ganhando, eu aceitei, mesmo sem saber teatro. Agora eu estou apaixonado. Eles estão nos capacitando para que no próximo ano, a partir de março, atuemos como atores praticamente profissionais. Estão assinando nossas carteiras e nos ensinando passo a passo do teatro, passo a passo da vida para chegarmos lá na frente e sermos alguém", completou Victor. 


Outra jovem que se destaca no espetáculo é Alana Cruz, por seu forte protagonismo. Ela salienta a cena 'Escola Versus Casa' como sua preferida na mostra. "É uma cena muito impactante de uma jovem que é rebelde nas ruas, nos lugares, porque ela recebe muita violência em casa. Essa cena me impacta muito", disse Alana. 


O projeto e a mostra contam com um trabalho em equipe que envolve muitas pessoas. Um dos coordenadores do projeto, Jackson Costa, atribui o sucesso do 'Aprendiz em Cena' a vontade dos envolvidos de dar voz a uma juventude majoritariamente negra. "É um trabalho que tem uma equipe grande à frente na coordenação. Temos a figura de Gordo Neto como diretor de teatro, e que tem uma competência para a organização de toda essa parte institucional e também na parte criativa do teatro. Temos uma equipe grande! Olha, o que torna esse trabalho mais fácil é a vontade de todas as pessoas envolvidas de dar oportunidade a essas pessoas. Sabemos que nós temos uma população muito grande. Quando eu sobrevoo a cidade de Salvador, a sensação é que é uma grande favela, uma grande senzala com uma pequena casa grande administrando. Então, a gente tem a parte nobre pequena, mas quem sustenta essa cidade, em tudo que ela se destaca no Brasil e no mundo, é o que eu tô chamando aqui de senzala. Nós temos a cidade de Salvador com mais de 80% da população negra. É de onde vem à força de trabalho, é de onde vem à cultura, é de onde vem à resistência e também grande parte dos nossos valores culturais que são destaque no mundo. Então, a nossa força é dar suporte para trazer a luz através do suporte deles (atores), do talento deles, da visão de mundo deles. Isso nos mobiliza a cada dia para que nós possamos vencer cada obstáculo para poder manter esse curso ‘jovem aprendiz’ ainda no nascedouro. Nossa ideia é que isso (o projeto) tenha uma infraestrutura cada vez maior [...]. Coordenar isso, com todas as dificuldades, é muito difícil, mas o que nos da força é essa matéria prima que nós temos na Bahia, que é o povo da Bahia", concluiu Costa. 


O Projeto 'Aprendiz em Cena' é idealizado pela SRT-BA - Superintendência Regional do Trabalho na Bahia, em parceria com a Associação Fábrica Cultural - ONG dirigida por Margareth Menezes. A expectativa é que a segunda etapa conte com novos apoiadores e patrocinadores.  O segundo módulo do curso vai de novembro de 2019 a março de 2020, com aulas na Casa Preta Espaço Cultural. O espetáculo final será aberto ao grande público de Salvador e da Bahia. 


Contato: aprendizemcena@gmail.com

Histórico de Conteúdo