BTCA e OSBA apresentam seis criações inéditas no 'Voltando aos Palcos'
Foto: Divulgação

Os dois corpos artísticos do principal complexo cultural do estado: o Balé Teatro Castro Alves (BTCA) e a Orquestra Sinfônica da Bahia (OSBA) vão se unir para a criação de seis espetáculos inéditos, que terão transmissão ao vivo no canal de YouTube do Teatro Castro Alves (TCA) e na TVE Bahia, dentro do projeto “Voltando aos Palcos”.

 

Programados para serem exibidos quinzenalmente às sextas-feiras, sempre às 20h, até o mês de dezembro, alternando na programação semanal do projeto com shows musicais da cena baiana contemporânea, os espetáculos marcam o primeiro passo na retomada do uso dos palcos do TCA. 

 

A estreia será no dia 2 de outubro, com “Entre a minha mão e a sua há mais que um abraço”. Antes de cada espetáculo, o BTCA ainda apresenta pílulas cênicas na abertura do programa de cada dia, performances independentes que investigam o entorno do palco, espaços inusitados e curiosos do Complexo do TCA.

 

“Entre a minha mão e a sua há mais que um abraço” expande o sucesso de “Um Concerto para o Guarda-Roupa”. Deste ato poético, feito para uma plateia formada por figurinos do Guarda-Roupa do Centro Técnico do TCA e que registra os sentimentos compartilhados nas atuais circunstâncias sociais, os mesmos bailarinos – Jai Bispo e Luiza Meireles – e músicos – Eduardo Torres, piano, e Mário Soares, violino – que estiveram em cena desdobram este abraçar.

 

Na pílula cênica da primeira data, Douglas Amaral e Lila Martins desenvolvem uma performance lúdica sobre a saudade e a felicidade de retornar ao teatro, percorrer os espaços externos da sala de espetáculos, o reencontro com o outro e o desejo do abraço.

 

Seguindo a agenda, no dia 16 de outubro, na semana do Dia das Crianças, virá o espetáculo “Cria”, que foca na infância e penetra na rotina doméstica de mulheres para abordar sonhos e fantasia. 

 

No dia 30, “Pés a Pés”, uma homenagem aos griôs e aos caminhos trilhados. Em 13 de novembro, “disfaRCes” parte do uso das máscaras faciais para mergulhar nas diversas proteções ou disfarces que utilizamos. No dia 27 de novembro, será a vez de “Atravessa o mar...”, que trata de amor e presença. Por fim, em 11 de dezembro, “Umbigo”, uma reflexão sobre a maternidade.

Terça, 29 de Setembro de 2020 - 21:40

Prefeitura programa cerca de R$ 22 mi para a Cultura na Lei Orçamentária de 2021

por Matheus Caldas / Bruno Leite

Prefeitura programa cerca de R$ 22 mi para a Cultura na Lei Orçamentária de 2021
Foto: Reprodução / CMS

A prefeitura de Salvador enviou, nesta terça-feira (29), para a Câmara Municipal, o Projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA) para o próximo ano (clique aqui). Na área da Cultura, a gestão municipal vai destinar em 2021 cerca de R$ 22,5 milhões, que serão utilizados unicamente para o setor, que este ano foi atingido em cheio pela pandemia do novo coronavírus.

 

No âmbito da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult), esse montante chega a mais de R$ 304 milhões. Se aprovado pelo Legislativo municipal, o quadro orcamentário vai ser executado pelo próximo prefeito da capital baiana.

 

A quantia é maior do que a do ano passado. Em 2020, o investimento aplicado na pasta foi de R$ 224 milhões. Deste valor, 17,2 mi foram exclusivamente para a Cultura.

Sapatilha de Ingrid Silva é exposta em Museu Nacional de Arte Africana Smithsonian
Foto: Reprodução / Instagram @ingridsilva

Um "pé" do par de sapatilhas da bailarina Ingrid Silva agora está exposto no Museu Nacional de Arte Africana Smithsonian, nos Estados Unidos. Anunciada pelo próprio museu nesta sexta-feira (29), a peça é um registro da época em que a dançarina, que é negra, a pintava com base para que combinasse com o tom da sua pele.

 

"Para combinar os sapatos com o tom de pele, a bailarina profissional negra Ingrid Silva pintava com base sua marca preferida, Chacott. Silva é do Rio de Janeiro, Brasil. Ela se mudou para a cidade de Nova York aos 18 anos para treinar no Dance Theatre of Harlem, onde agora é a principal integrante da companhia", diz comunicado do museu, publicado no Instagram. 

 

"Em 2017, ela fundou a EmpowHerNY, uma plataforma internacional de empoderamento das mulheres, e também orienta bailarinas negras. Esta sapatilha de ponta é do par que ela usou na temporada 2013-2014, agora na nossa coleção @nmaahc. Chacott fez um sapato na cor da pele de Silva em 2019", conclui.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

To match her shoes to her skin tone, Black professional ballerina Ingrid Silva used to paint her preferred brand, Chacott, with foundation. Silva is from Rio de Janeiro, Brazil. She moved to New York City at the age of 18 to train with the Dance Theatre of Harlem, where she is now a principal company member. In 2017, Silva founded EmpowHerNY, an international women's empowerment platform, and she also mentors ballerinas who are women of color. This pointe shoe is from the pair she wore during her 2013-2014 season, now in our @nmaahc's collection. Chacott made a shoe in Silva’s skin color in 2019. #BecauseOfHerStory #MuseumFromHome

Uma publicação compartilhada por Smithsonian (@smithsonian) em

 

Ao anunciar a exposição das peças, o Museu Smithsonian identificou a ação com a tag #HispanicHeritageMonth, se referindo a ela como parte das comemorações do mês que homenageia a contribuição latina na história e na cultura estadunidense, celebrado entre 15 de setembro e 15 de outubro. A publicação não pegou nada bem e brasileiros retrucaram a identificação latina que foi dada.

 

Em resposta aos comentários de conterrâneos, a bailarina comentou a situação com uma publicação em seu Twitter. "Por que brasileiro não se considera latino? Mesmo sendo historicamente", questionou Ingrid.

 

 

E, mencionando a publicação do Museu Smithsonian, continuou: "Tô perguntando porque aqui nos Estados Unidos minhas sapatilhas viraram patrimônio histórico no Museu do Negro em DC [Washington] e isso é importantíssimo. Os comentários nesse post são de brasileiros dizendo que não são latinos... Eu me considero latina sim!". Após a repercussão negativa, o centro cultural editou a publicação e retirou a tag que fazia relação da exibição da peça com o período de comemorações.

 

 

Ingrid Silva comemorou a exposição da sua sapatilha em outro tweet. "O momento mais importante de 2020! Gratidão pelas conquistas da vida", escreveu.

Terça, 29 de Setembro de 2020 - 19:20

Unesco renova título de 'Cidade da Música' para Salvador

Unesco renova título de 'Cidade da Música' para Salvador
Foto: Fábio Marconi

Salvador teve a confirmação de que o título de “Cidade da Música na Rede de Cidades Criativas da Unesco” foi renovado. A medida é produto de um relatório relatório plurianual das atividades desenvolvidas enviada pela prefeitura e contou com a avaliação de especialistas mundiais na área de economia criativa.

 

De acordo com a gestão municipal, a capital baiana foi monitorada por outras Cidades Criativas da Unesco. O prefeito ACM Neto (DEM) comemorou a informação e disse que ela chega em um momento muito especial.  

 

"Estamos colhendo os frutos de um trabalho árduo de transformação da nossa capital. Esse reconhecimento projeta ainda mais aquilo que é produzido em nossa cidade. A capital baiana é marcada pela diversidade cultural e multiplicidade de gêneros que se projeta para o Brasil e para o mundo e tem na música uma das mais fortes indústrias de produção econômica, inclusão social e geração de emprego e renda", ressaltou. 

 

Alguns pontos considerados pelos especialistas que analisaram as ações de Salvador merecem destaque, a exemplo da restauração do Centro Histórico, o fortalecimento da economia local através da criatividade, música e cultura e a preocupação da gestão com o desenvolvimento local por meio do turismo de patrimônio, a exemplo de programas como o Vem pro Centro.  

 

Para o presidente da Empresa Salvador Turismo (Saltur), Isaac Edington, dentre as considerações dos especialistas os esforços para fomentar o crescimento da economia local merece destaque. "O documento da Unesco ressalta, entre outras coisas, os esforços da cidade em promover a estabilização e revitalização do Centro por meio da música e do patrimônio, além do trabalho com iniciativas locais e nacionais de apoio por meio de festivais de música e espaços públicos. São fatores que consideraram importantes para o desenvolvimento local sustentável".

Terça, 29 de Setembro de 2020 - 18:50

Fotos de Emma Corrin como princesa Diana em 'The Crown' são divulgadas pela Netflix

por Folhapress

Fotos de Emma Corrin como princesa Diana em 'The Crown' são divulgadas pela Netflix
Foto: Divulgação / Netflix

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Netflix divulgou nesta terça (29) fotos da quarta temporada da série "The Crown", que estreia no Brasil dia 15 de novembro. As imagens mostram as atrizes Emma Corrin, 24, e Gillian Anderson, 52, caracterizadas como princesa Diana e Margaret Thatcher, respectivamente.

Nesta nova leva de episódios, a atração começa no final da década de 1970, e apresenta a preocupação da rainha Elizabeth (Olivia Colman) e da família real em proteger a linha de sucessão ao trono inglês. Para isso, eles precisam encontrar uma noiva adequada para o príncipe Charles (Josh O'Connor), que ainda está solteiro aos 30 anos.

O romance de Charles com a jovem Lady Diana Spencer é o conto de fadas de que o povo britânico tanto precisa, mas no palácio, a família real está cada vez mais dividida.

No âmbito político, a séria mostra o impacto das decisões da primeira mulher à frente do Parlamento, a primeira-ministra Margaret Thatcher, aumentando a tensão entre ela e a rainha, já que Thatcher direciona o país para a Guerra das Malvinas.

Quando foi anunciada na atração, Corrin disse que se sentia "animada e honrada". "Eu estou grudada na série desde o primeiro episódio, e pensar que estou me unindo a essa família de atores incrivelmente talentosa é surreal. A princesa Diana foi um ícone e o seu efeito no mundo foi profundo e inspirador", afirmou ao site The Hollywood Reporter.

Recentemente, o tabloide The Sun divulgou que a quarta temporada de "The Crown" vai mostrar a luta de Diana contra a bulimia nos anos 1980. Segundo o site, uma representante da produtora Left Bank Pictures, que faz a série, afirmou que o transtorno alimentar será abordado de forma responsável na série.

"Os produtores trabalharam em estreita colaboração com uma instituição de caridade para transtornos alimentares, a BEAT, para garantir que sua representação da bulimia da princesa Diana na quarta temporada fosse precisa e fosse tratada com sensibilidade."

Terça, 29 de Setembro de 2020 - 17:50

Djonga é primeiro brasileiro indicado ao BET Hip Hop Awards

Djonga é primeiro brasileiro indicado ao BET Hip Hop Awards
Foto: Reprodução / Instagram @djongador

O rapper Djonga foi indicado ao prêmio de melhor artista internacional no BET Hip Hop Awards. O troféu, especializado em rap e hip hop, divulgou a lista de indicados nesta terça-feira (29). O artista é o primeiro brasileiro a ser reconhecido pela premiação.

 

Conforme publicou a Rolling Stone, concorrem com Djonga nomes como Kaaris (França), Khaligraph Jones (Quênia), Meryl (França), Ms Banks (Reino Unido), Nasty C (África do Sul) e Stormzy (Reino Unido).

 

O BET Hip Hop Awards vai revelar os vencedores no próximo dia 27 de outubro, às 22 horas no horário de Brasília. A votação pode ser feita no site do prêmio.

 

Neste ano, Djonga lançou seu quarto álbum de estúdio. Intitulado "Histórias da Minha Área", a obra conta com a participação de Bia Nogueira e MC Don Juan.

Luciano Calazans e Tais Nader fazem live voltada para pacientes do Martagão Gesteira
Foto: Divulgação

Os pacientes do Hospital Martagão Gesteira vão ter uma live musical dedicada a eles no Dia Internacional da Música, comemorado no próximo dia 1º de outubro, a partir das 15h. O maestro Luciano Calazans e a cantora Tais Nader vão integrar o evento, que faz a abertura do Mês das Crianças da unidade e foi batizado de “Vozes da Vida”. A ação conta com a parceria do  Grupo de Apoio à Criança com Câncer -Bahia (Gacc-BA) e será transmitida no YouTube do Martagão.

 

“O Mês das Crianças já se tornou um dos principais eventos do calendário do Hospital. É um momento em que a gente intensifica as ações e os baianos, em resposta, nos apoiam. Infelizmente, por causa da pandemia, não serão permitidas as tradicionais visitas e os passeios recreativos, mas isto não impede que cada um possa se somar a esta causa humanitária que é a Saúde da Criança”, ressalta o presidente da Liga Álvaro Bahia Contra a Mortalidade Infantil, mantenedora do Martagão, Carlos Emanuel Melo. Durante a ação vai ser possível realizar doações virtuais para a entidade por meio do site da instituição (clique aqui).

 

Para a live, Calazans conta que preparou um “repertório edificante”. “Nesses tempos tortuosos em que vivemos, escolhemos um repertório que exalta ainda mais a vida”, acrescenta. O nome dado à live é o mesmo de um projeto futuro de um coral que Calazans pretende implementar com pacientes de diferentes idades e que sobreviveram ao câncer.

 

Já a cantora Tais Nader, que lançou recentemente o single “Coiso amor”, destaca a importância dos trabalhos realizados pelas duas instituições. “Queremos reafirmar a este público que continuamos preocupados com eles também. E, através da música, também homenagear o trabalho realizado pelo Martagão e pelo Gacc, e todos os profissionais envolvidos. A vida não pode parar e estas pessoas estão muito atentas a isso. Dedicaremos o show aos pacientes e também aos profissionais”, diz.

 

Calazans e Tais serão acompanhados por: Kiko Souza, no sax, Bruno Michel, na guitarra, e Vitor Brasil, na bateria.

Luiz Caldas lança disco de reggae 'Pó de Estrelas' nesta quinta
Foto: Divulgação

Luiz Caldas lança nas plataformas digitais e em seu site oficial, nesta quinta-feira (1º), o disco de reggae “Pó de Estrelas”. O álbum, que conta com dez faixas, é o 104º de seu projeto de lançamentos mensais. 

 

As letras abordam a desigualdade social e o desrespeito, fruto da intolerância diante das diferenças. "As pessoas deveriam sacar que o que torna tudo bonito é exatamente o fato de nada nem ninguém ser igual um ao outro, a diversidade é o grande barato", comenta o cantor e compositor baiano.

 

Para este projeto, Luiz Caldas escalou de sete artistas de Vitória da Conquista, cidade onde iniciou sua carreira, como parceiros. Participam do disco  Daniel Novaes, Luciano PP, Arthur Fabiano, Koalla Ball, Cláudia Rizzo, Jorginho Nascimento, Emissário RaelL e MC Supremo.

 

"Os arranjos foram assinados coletivamente, e um total de três estúdios foram envolvidos na gravação, o maior número desde que iniciei esse projeto. O resultado ficou muito legal e bem no clima de coletividade, que eu queria muito pra esse álbum de reggae", comemora Luiz.

 

Resultado da colagem de pequenos recortes de fotos do artista, a capa do “Pó de Estrelas” tem arte assinada por Bianca Lopes. A montagem foi fotografada por Roberto Faria. 

Irmã de Naya diz não estar preocupada com 'aparências' após ir morar com ex-cunhado
Foto: Reprodução / Instagram

A modelo Nickayla, irmã de Naya Rivera, morta em julho após desaparecer em lago na Califórnia (EUA) (relembre o caso), se pronunciou sobre as especulações que surgiram após a notícia que ela foi morar com Ryan Dorsey, seu ex-cunhado, para ajudar na criação do seu sobrinho, Josey, 5.

Em publicações no stories do Instagram, a modelo escreveu que "não está preocupada com as aparências das coisas, porque ninguém pode ver cada momento agonizante que todos suportamos."

O Daily Mail publicou fotos de Nickayla e Dorsey de mãos dadas e disse que os dois estão inseparáveis desde a morte da atriz. Ainda segundo o site, eles alugaram uma casa de três quartos na Califórnia, para criarem o menino juntos. Josey é fruto do casamento de Naya com Dorsey, com quem ela foi casada até 2018. Os dois dividiam a custódia dele.

"Na época mais sombria da minha vida, a única coisa que importa são meus amigos e minha família. Estar presente para o meu sobrinho, mesmo que eu não possa fazer o mesmo por mim", disse Nickayla no Instagram.

"Eu aprendi que o que mais importa é mostrar compaixão, não julgar os outros e nunca dar um momento como garantido. Espero que todos vocês possam fazer o mesmo".

Conhecida pelo papel de Santana Lopez no seriado "Glee", Naya Rivera morreu aos 33 anos após ficar cinco dias desaparecida no lago Piru, na Califórnia. O filho estava com ela no passeio, e foi encontrado sozinho no barco que a atriz tinha alugado.

A Polícia de Ventura, na Califórnia, disse acreditar que Naya Rivera conseguiu tirar o filho de quatro anos da água, mas não teve força para se salvar e acabou se afogando. Segundo o xerife Bill Ayub, responsável pelas buscas, Josey, contou que ele e a mãe nadavam juntos.

"Foi durante esse período que o garoto descreveu que a mãe o ajudou. Ele disse aos investigadores que olhou para trás [ao subir no barco] e a viu desaparecer na água. Acreditamos que ela reuniu energia suficiente para colocar seu filho de volta no barco, mas não conseguiu se salvar", afirmou o xerife.

Terça, 29 de Setembro de 2020 - 14:00

Anitta e MC Lan concorrem a Grammy Latino fora das categorias de língua portuguesa

por Folhapress

Anitta e MC Lan concorrem a Grammy Latino fora das categorias de língua portuguesa
Foto: Divulgação

O Grammy Latino divulgou na manhã desta terça (29) a lista de indicados à premiação. A cantora Anitta e o funkeiro MC Lan são dois dos poucos brasileiros a disputar um prêmio importante fora das categorias de língua portuguesa. Eles concorrem com a música "Rave de Favela", faixa em que eles cantam e que tem produção do grupo americano Major Lazer, e disputa a melhor canção "urban".

Quem teve mais indicações na premiação de 2020 foi o cantor colombiano J Balvin, com 13, logo depois do porto-riquenho Bad Bunny, que foi lembrado 11 vezes pela Academia Latina de Gravação.

Fora das categorias de música em português, Yamandu Costa e Caetano Brasil foram indicados ao prêmio de melhor álbum instrumental, enquanto a cantora Céu disputa melhor álbum de engenharia de gravação.

O prêmio de Melhor Canção em Língua Portuguesa é disputado por Vitor Kley ("A Tal Canção Pra Lua", com participação de Samuel Rosa), João Bosco ("Abricó-de-Macaco"), Emicida ("AmarElo", com Pabllo Vittar e Majur), Elza Soares ("Libertação", com BaianaSystem e Virgínia Rodrigues) e Céu ("Pardo", composição de Caetano Veloso).

A rapper brasileira Bivolt ainda ganhou uma indicação à categoria de melhor vídeo musical em versão curta, com "Cubana". Na mesma categoria, BaianaSystem e Tropkillaz concorrem com o clipe de "Saci (Remix)".

Os indicados ao Grammy Latino são selecionados pelo voto de criadores de música de todo o mundo, que integram a Academia Latina de Gravação, entre artistas, compositores, músicos e produtores, que escolheram os nomes para as 50 categorias.

A premiação trata de discos e músicas lançados entre 1° de junho de 2019 a 31 de maio de 2020. O Grammy Latino de 2020 acontecerá em novembro, no dia 19, em formato modificado devido à pandemia de coronavírus. O evento será ancorado em Miami, mas com apresentações de diversas partes do mundo.

VEJA OS INDICADOS ÀS PRINCIPAIS CATEGORIAS

Gravação do ano
"China" — Anuel AA, Daddy Yankee, Karol G
“Cuando Estés Aquí” — Pablo Alborán
“Vete” — Bad Bunny
“Solari Yacumenza” — Bajofondo Featuring Cuareim 1080
“Rojo” — J Balvin
“Tutu” — Camilo com Pedro Capó
“Lo Que En Ti Veo” — Kany García & Nahuel Pennisi
“Tusa” — Karol G & Nicki Minaj
“René” — Residente
“Contigo” — Alejandro Sanz

Álbum do ano
"YHLQMDLG" — Bad Bunny
"Oasis" — J Balvin & Bad Bunny
"Colores" — J Balvin
"Por Primera Vez" — Camilo
"Mesa para Dos" — Kany García
"Aire (Versión Día)" — Jesse & Joy
"Un Canto Por México, Vol. 1" — Natalia Lafourcade
"Pausa" — Ricky Martin
"La Conquista del Espacio" — Fito Páez
"Cumbiana" — Carlos Vives


Canção do ano
“ADMV” — Maluma
“Bonita” — Juanes & Sebastián Yatra
“Codo Con Codo” — Jorge Drexler
“El Mismo Aire” — Camilo
“For Sale” — Alejandro Sanz & Carlos Vives

“#ELMUNDOFUERA (Improvisación)” — Alejandro Sanz
“Lo Que En Ti Veo” — Kany García & Nahuel Pennisi
“René” — Residente
“Tiburones” — Ricky Martin
“Tusa” — Karol G & Nicki Minaj
“Tutu” — Camilo com Pedro Capó

Melhor artista revelação
Anuel AA
Rauw Alejandro
Mike Bahía
Cazzu
Conociendo Rusia
Soy Emilia
Kurt
Nicki Nicole
Nathy Peluso
Pitizion
Wos

Melhor canção "urban"
“Adicto” – Tainy, Anuel AA e Ozuna
“Muchacha” – Gente De Zona e Becky G
“Rave de Favela” – MC Lan, Anitta, BEAM e Major Lazer
“Rojo” – J Balvin
“Yo x Ti, Tu x Mi” – Rosalía & Ozuna

Melhor álbum instrumental
"Plays Daniel Figueiredo" — Leo Amuedo
"Cartografias" — Caetano Brasil
"Sotavento" — Compasses
"Festejo" — Yamandu Costa com Marcelo Jiran
"Terra" — Daniel Minimalia

Melhor canção em língua portuguesa
“A Tal Canção Pra Lua (Microfonado)” — Vitor Kley & Samuel Rosa
“Abricó-De-Macaco” — João Bosco
“AmarElo (Sample: Sujeito de Sorte – Belchior)” — Emicida com Majur & Pabllo Vittar
“Libertação” — Elza Soares & BaianaSystem com Virgínia Rodrigues
“Pardo” — Céu


Melhor álbum de pop contemporâneo em língua portuguesa
"N" — AnaVitória
"Enquanto Estamos Distantes" — As Bahias e a Cozinha Mineira
"APKÁ!" — Céu
"Guaia" — Marcelo Jeneci
"Eu" — Melim

Melhor álbum de rock ou de música alternativa em língua portuguesa
"AmarElo" — Emicida
"Little Electric Chicken Heart" — Ana Frango Elétrico
"Letrux aos Prantos" — Letrux
"Universo do Canto Falado" — Rapadura
"Na Mão as Flores" — Suricato

Melhor álbum de samba/pagode
"Mangueira - A Menina dos Meus Olhos" — Maria Bethânia
"Martinho 8.0 - Bandeira da Fé: Um Concerto Pop-Clássico (Ao Vivo)" — Martinho da Vila
"Samba Jazz, de Raiz, Cláudio Jorge 70" — Cláudio Jorge
"Fazendo Samba" — Moacyr Luz e Samba do Trabalhador
"Mais Feliz" — Zeca Pagodinho

Melhor álbum de MPB
"O Amor no Caos Volume 2" — Zeca Baleiro
"Belo Horizonte" — Toninho Horta & Orquestra Fantasma
"Bloco na Rua" — Ney Matogrosso
"Planeta Fome" — Elza Soares
"Caetano Veloso & Ivan Sacerdote" — Caetano Veloso & Ivan Sacerdote

Melhor álbum de músicas sertaneja
"#IssoÉChurrasco (Ao Vivo)" Fernando & Sorocaba
"Origens [Ao Vivo em Sete Lagoas, Brazil / 2019]" — Paula Fernandes
"Livre Vol. 1" — Lauana Prado
"Churrasco do Teló Vol. 2" — Michel Teló
"Por Mais Beijos Ao Vivo (Ao Vivo)" — Zé Neto & Cristiano


Melhor álbum de música de raízes em língua portuguesa
"Veia Nordestina" — Mariana Aydar
"Aqui Está-se Sossegado" — Camané & Mário Laginha
"Acaso Casa Ao Vivo" — Mariene De Castro e Almério
"Targino Sem Limites" — Targino Gondim
"Obatalá - Uma Homenagem a Mãe Carmen" — Grupo Ofa
"Autêntica" — Margareth Menezes

Melhor álbum de música cristã (língua portuguesa)
"Catarse: Lado A" — Daniela Araújo
"Reino" — Aline Barros
"Profundo" — Ministério Mergulhar
"Maria Passa à Frente" — Padre Marcelo Rossi
"Memórias II (Ao Vivo em Belo Horizonte / 2019)" — Eli Soares

Melhor clipe musical em versão curta
"Saci (Remix)" — BaianaSystem & Tropkillaz
"Rojo" — J Balvin
"Cubana" — Bivolt
"Para Ya" — Porter Alexis Gómez
"TKN" — Rosalía & Travis Scott

Melhor álbum de engenharia de gravação
"Aire (Versión Día)" — Jesse & Joy
"APKÁ!" — Céu
"Quimera" —Alba Reche
"Sublime" — Alex Cuba
"3:33" — Debi Nova

Ancine deve analisar proposta para revogar portarias vigentes nesta terça
Foto: Divulgação

A Agência Nacional do Cinema (Ancine), órgão oficial do governo federal constituído como agência reguladora voltada para fomentar e fiscalizar a indústria cinematográfica e videofonográfica nacional deve analisar uma proposta para revogar portarias vigentes, nesta terça-feira (29).

 

De acordo com informações da coluna de Guilherme Amado, na revista Época, a medida atende um pedido do governo Bolsonaro, que propõe o “revogaço” sob justificativa de “reduzir a burocracia”. Ainda segundo a publicação, em junho a Ancine extinguiu 30 instruções normativas e dez resoluções.

Garoto faz festa com tema 'Agostinho' e ganha parabéns de ator de 'A Grande Família'
Foto: Reprodução / Instagram

Após ganhar uma festa de aniversário temática em homenagem a Agostinho Carrara, de “A Grande Família”, um garoto de seis anos chamou a atenção do ator que interpretou o personagem da série da TV Globo. 

 

“Gostaria de parabenizar o Danilo. Meus parabéns, amigo. Que todos os seus sonhos se realizem. Feliz aniversário, com carinho, é o que te deseja o ator que vai por dentro do Agostinho”, escreveu Pedro Cardoso, no Instagram, junto com a foto do garoto em na festa, caracterizado como o personagem. 

 

Terça, 29 de Setembro de 2020 - 11:30

Com Lei Aldir Blanc, Neto anuncia cadastramento em Mapa Cultural de Salvador

por Bruno Luiz / Jamile Amine

Com Lei Aldir Blanc, Neto anuncia cadastramento em Mapa Cultural de Salvador
Foto: Reprodução

Após sancionar a lei que regulamenta a aplicação da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, em Salvador (clique aqui e saiba mais), o prefeito ACM Neto deu alguns detalhes sobre como serão repassados os recursos da ordem de R$ 18.721.753,60.

 

“Ainda temos um percurso a enfrentar, desafios a superar e difíceis de viver em relação ao setor cultural e de entretenimento, como um todo, na cidade”, destacou o gestor municipal, durante entrevista coletiva realizada nesta terça-feira (29). Ele explicou ainda que a verba será distribuída por meio de duas linhas: metade dos recursos voltados para produtores culturais e grupos que atuam como empresa e o restante da verba distribuída através de chamadas públicas para artistas e manifestações culturais. 

 

Para este fim, a prefeitura vai abrir, nesta quarta-feira (30), o cadastramento no Mapa Cultural de Salvador, onde estarão disponíveis informações como perfil, histórico, proposta de contrapartida e documentação necessária para pleitear o auxílio. No caso das empresas interessadas em receber o benefício, o cadastro estará disponível de 30 de setembro a 14 de outubro, através do endereço www.cadastromapacultural.salvador.ba.gov.br. 

 

O pagamento dos R$ 9.590.000 para pessoas jurídicas será feito de acordo com o porte de cada empresa e de quantos empregos ela gera. Serão pagas duas parcelas de 5 mil, para 559 empresas subsidiadas, (391 de ampla concorrência e 168 autodeclaradas negras), totalizando R$ 5.590.000, e mais duas parcelas de 10 mil para 200 subsidiados (140 de ampla concorrência e 60 declaradas negras), somando R$ 4 milhões.

 

Já para os artistas, estão previstas chamadas públicas com inscrições abertas até 12 de outubro: Prêmio Anselmo Serrat de Linguagens Artísticas (www.premiolinguagens.salvador.ba.gov.br); Prêmio Conceição Senna de Audiovisual (www.premioaudiovisual.salvador.ba.gov.br) e Prêmio Jaime Sodré de Patrimônio Cultural (www.premiopatrimonio.salvador.ba.gov.br).

Terça, 29 de Setembro de 2020 - 10:50

Rock in Rio anuncia datas de edição 2021 no Brasil

Rock in Rio anuncia datas de edição 2021 no Brasil
Foto: Divulgação

A organização do Rock in Rio divulgou, nesta segunda-feira (28), as datas da edição 2021, no Brasil. O evento acontecerá nos dias 24, 25, 26 e 30 de setembro e 1º, 2 e 3 de outubro, na Cidade do Rock, no Rio de Janeiro. 

 

Diante do atual cenário de pandemia, a organização diz que “está confiante no reestabelecimento das questões que envolvem a saúde e na retomada das atividades sócio culturais” e reforça que “seguirá rigorosamente as determinações dos órgãos competentes nacionais e internacionais, oferecendo toda a segurança necessária dentro da Cidade do Rock”.

Terça, 29 de Setembro de 2020 - 09:50

Festival de Cannes anuncia edição especial e enxuta para outubro

por Folhapress

Festival de Cannes anuncia edição especial e enxuta para outubro
Foto: Reprodução / Facebook

A organização do Festival de Cannes anunciou, nesta segunda-feira (28), que fará uma edição especial entre os dias 27 e 29 de outubro, enxuta e centrada em curtas-metragens. Um dos mais importantes eventos cinematográficos do mundo, o festival, originalmente programado para acontecer em maio, havia sido cancelado devido à pandemia de coronavírus.

Seus organizadores chegaram a anunciar a lista de filmes selecionados deste ano e firmaram parcerias com outros eventos, mas não deram dicas de que uma "mini-versão" de Cannes pudesse acontecer em 2020.

Agora, o 2020 Special Cannes, como foi batizado, levará o público ao auditório Louis Lumière, no Palácio dos Festivais, no sul da França, para conferir quatro longas e todos os curtas-metragens selecionados para a mostra competitiva deste ano. Também serão exibidas as produções universitárias da seção Cinéfondation. Em breve, ainda será divulgado um júri que concederá a Palma de Ouro de curtas-metragens.

Os quatro longas que compõem a programação deste mini-festival são "Un Triomphe", de Emmanuel Courcol e Kad Merad, "Les Deux Alfred", de Bruno Podalydès, "True Mothers", de Naomi Kawase, e "Beginning", de Déa Kulumbegashvili.

"A coleção de quatro filmes da seleção oficial, a competição de curtas, a competição de filmes universitários e os encontros traduzem a alegria que nós sentimos por estarmos juntos em Cannes em outubro", afirmou Thierry Frémaux, diretor do festival, em nota.

O evento também aproveitou para confirmar que sua edição de 2021 segue planejada para entre os dias 11 e 22 de maio.

Secretário Especial da Cultura, Mario Frias posa para foto empunhando fuzil 
Foto: Roberto Castro / Mtur

O secretário Especial da Cultura, Mario Frias, parece estar cada vez mais alinhado às pautas bolsonaristas, como a ideia da posse de armas. Segundo informações da coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S. Paulo, recentemente ele apareceu posando para uma foto com um fuzil em punho. De acordo com o jornal, a imagem em questão foi publicada no perfil do Clube de Tiro Brasília no Instagram e em seguida apagado após contato da coluna.

 

 

Na foto registrada no sábado (26), quando Frias esteve no local, ele aparece ao lado de um homem que se identifica como instrutor. “‘Povo armado jamais será escravizado!' Neste sábado tive a honra de dividir um pouco de conhecimento com o nosso secretário de Cultura. Obrigado pela confiança, amigo!”, diz texto da publicação.

 

Ao ser contactado pelo jornal, o proprietário do clube de tiro disse que “não dá informação para a Folha e para a Globo” e que a frase usada na postagem é “do excelentíssimo presidente Jair Bolsonaro”.

 

Já a Secretaria Especial da Cultura informou que o Mario Frias “possui registro de atirador há mais de dois anos” e que a fotografia foi registrada durante atividade particular em espaço adequado para praticar tiro esportivo.

Terça, 29 de Setembro de 2020 - 08:00

Sem Renato Aragão, Criança Esperança faz 'encontro' de Ivete com Tim Maia; assista

por Júnior Moreira Bordalo

Sem Renato Aragão, Criança Esperança faz 'encontro' de Ivete com Tim Maia; assista
Foto: Reprodução / Globo

A Globo exibiu na noite desta segunda-feira (28) o show anual do Criança Esperança. Porém, por conta da pandemia de Covid-19 e da necessidade de distanciamento social, os números musicais foram produzidos remotamente com auxílio de tecnologias. Inclusive, promovendo duetos inéditos e improváveis.

 

Um dos destaques ficou por conta de Ivete Sangalo que cantou "ao lado" de Tim Maia, que morreu em março de 1998. No vídeo, a baiana surge interagindo com um show do ídolo e "entra na TV" através de uma tecnologia chamada rotoscopia. Juntos, cantaram "Não Quero Dinheiro" (confira a apresentação completa aqui).

 

Além deles, a 35ª edição do projeto contou com Iza e Alcione na música "Maria, Maria", de Milton Nascimento; Luan Santana e Ludmilla com o sucesso de Ivan Lins, "Um Novo Tempo";Família Lima, Chitãozinho e Xororó cantaram juntos um dos sucessos do Titãs.

 

Já Sandy fez um dueto virtual com Péricles com uma versão em português de “Heal The World”, sucesso de Michael Jackson; Dilsinho subiu pela primeira vez ao palco da atração e promoveu uma batalha de ritmos com a dupla Zé Neto e Cristiano.

 

Um outro ponto sentido pelo público nas redes sociais foi a ausência de Renato Aragão, um dos criadores do projeto e que por anos comandou a atração e ultimamente vinha fazendo pequenas participações. Contudo, após ter o contrato encerrado este ano (veja aqui), o humorista não marcou presença na festa. A apresentação deste ano ficou a cargo de Fátima Bernardes, Luciano Huck, Maju Coutinho, Tiago Leifert, Jéssica Ellen e Luís Roberto.

Com participação das Ganhadeiras de Itapuã, Chico Flores lança álbum 'Tupi Negro'

O cantor e compositor Chico Flores lança seu 2º álbum completamente autoral intitulado “Tupi Negro”, no dia 1º de outubro. Nele, o músico faz uma revisitação crítica ao processo de colonização do Brasil e exalta a herança e tradição dos povos originários: indígenas e afro-brasileiros. 

 

O álbum, que conta com 10 faixas, traz uma mistura de influências rítmicas como samba, bossa-nova, ijexá, funk, blues, jazz, rock’n roll, e guitarrada paraense, que horas trazem um ritmo mais dançante e em outros momentos transmitem uma sonoridade mais melódica. Em suas letras Chico questiona de forma enfática e poética padrões socioculturais e critica a desigualdade social, o racismo, o familismo, a intolerância religiosa e a homofobia.

 

“É um álbum que traz questionamentos sobre as raízes e rotas que construíram nossa sociedade e que também se relacionam comigo de forma pessoal. Na vivência que tive e na forma como me apresento ao mundo”, revela o cantor. O álbum estará disponível a partir do dia 1º de outubro nas plataformas de streaming de música.

 

"Tupi Negro" conta com a participação das Ganhadeiras de Itapuã em duas canções: “Rapsódia tropical”, música inspirada no poema ‘Os homens ocos’ de Thomas Stearns Eliot, e “Amazônia em vertigem”, música instrumental que traz referências da dança da chuva dos índios ianomâmis com um coro a Oxóssi e Ogum entoado pelas Ganhadeiras, em uma saudação à cultura do povo indígena e preto que tem uma conexão com as matas e a natureza, trazendo também uma reflexão sobre a preservação ambiental.

Segunda, 28 de Setembro de 2020 - 20:50

Biblioteca Nacional prorroga fechamento de suas unidades

Biblioteca Nacional prorroga fechamento de suas unidades
Foto: Reprodução / Biblioteca Nacional

As unidades da Biblioteca Nacional vão seguir sem acesso presencial ao público e visitantes. Os equipamentos estão fechados desde 18 de março do ano passado e devem prosseguir nessa situação até, pelo menos, 13 de outubro.

 

Segundo o blog do Lauro Jardim em O Globo, a decisão de prorrogar a suspensão das atividades se deve a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Conforme publicou o veículo, o "acentuado registro de casos confirmados e de óbitos por Covid-19 no estado do Rio de Janeiro" reforça a justificativa da medida.

 

O contexto de crise sanitária no estado do Rio já dura, como afirmou a portaria responsável por estender o fechamento, mais de seis meses.

Festival Varilux do Cinema Francês acontece entre 19 de novembro e 3 de dezembro
Edição 2018 do Festival Varilux de Cinema em Salvador | Foto: Bonfilm

A edição 2020 do Festival Varilux do Cinema Francês já tem nova data marcada: entre 19 de novembro a 3 de dezembro. Ao anunciar a data, Emmanuelle e Christian Boudier, curadores e diretores do evento, adiantam que serão respeitados todos os protocolos recomendados pelas autoridades de saúde para oferecer segurança ao público e aos envolvidos no evento.

 

"Queremos apostar na melhoria da situação, e estar presentes para o público que ficou com tanta saudade de ver filmes no telão", apontam Emmanuelle e Christian. "Esperamos que daqui a dois meses, mediante protocolos rigorosos de segurança, o público conseguirá entrar num cinema com confiança. Achamos importante, nesse momento tão delicado, ajudar os cinemas, que sempre foram parceiros maravilhosos do festival Varilux e que vão precisar de conteúdo de qualidade para conquistar novamente o público no momento da reabertura. Faz 10 anos que o festival vem crescendo a cada edição, chegando a quase 200 mil espectadores em 2019, portanto é importante que estejamos presentes para esse público que ama o cinema francês".

 

A seleção será proposta aos 120 cinemas, presentes em 86 cidades, que também participaram do festival em 2019. As datas serão mais flexíveis dessa vez: a partir de 19 de novembro, os cinemas terão a opção de programar o festival em datas diferentes - até o final de fevereiro de 2021 - para se adaptar a eventuais situações sanitárias locais.

 

A definição do formato e das modalidades de exibição dos filmes ocorrerá em datas próximas à realização do evento: cinemas, projeções ao ar livre, drive-in, todas as possibilidades estão sendo analisadas. Em um cenário alternativo, parte da programação seria transferida para uma plataforma digital. 

 

A reabertura dos cinemas na França, desde o 22 de junho, permitiu o lançamento de vários longas-metragens franceses novos, que estarão disponíveis para o festival no Brasil em novembro.

'(Quase) Borboleta': Livro retrata embate entre relação homoafetiva e religião
Foto: Divulgação

O escritor Helder Caldeira lança o romance “(Quase) Borboleta”, que chega às prateleitas em outubro, e lança luz sobre o sofrimento de jovens que têm sua sexualidade condenada pela dogmática religiosa. 

 

O livro acompanha a trajetória de Albert, um adolescente do subúrbio, violinista do Reino das Testemunhas de Jeová que, aos 18 anos, em um capricho do destino, descobre o amor ao lado de Jared, famoso fotógrafo e artista plástico, filho de duas grandes estrelas do cinema.

 

Autor de “Águas Turvas”), o livro do autor tem como cenário a cidade de Vancouver, no Canadá, onde Jared e Albert enfrentam preconceitos familiares, perseguições da imprensa, o poder do Estado e os dogmas religiosos, principal inspiração do autor. Lastreada por acontecimentos e fatalidades inarredáveis, a obra é repleta de temas contemporâneos, como o impacto das fake news no cotidiano da sociedade e a grandeza de uma personagem transgênero em papel decisivo na trama.

 

“Fiquei comovido com as histórias reais de adolescentes que são expulsos de casa e abandonados pelos próprios pais após se dissociarem da religião adotada pela família. Justamente numa das fases mais difíceis da vida, quando as dúvidas são superlativas”, revela Caldeira, fazendo questão de pontuar: “Diante do abandono e das humilhações públicas, muitos desses jovens acabam cometendo o suicídio. É inimaginável que, em pleno século XXI, alguém seja punido por sua identidade de gênero, por ser quem nasceu para ser”.

 

A inspiração para abordar tema tão espinhoso veio ao autor através de uma matéria veiculada pela BBC com relatos comoventes de jovens membros do Reino das Testemunhas de Jeová que foram condenados ao isolamento por suas famílias por serem considerados pecadores. “Precisamos falar sobre esses verdadeiros crimes que são cometidos em nome de dogmas religiosos”, assevera o escritor.

 

“(Quase) Borboleta” é uma obra com narrativa fluida e rica em detalhes que leva os leitores aos belos cenários de Vancouver e das Montanhas Rochosas canadenses, além de seduzi-los com um detalhe especial: a introdução de uma trilha sonora em obra literária, especialidade do autor. Boa dose de suspense e fortes emoções dão o tom do romance até o surpreendente parágrafo final.

 

“Num momento como este que vivemos no Brasil, quando um ministro de Estado concede entrevista para exibir seus preconceitos anacrônicos e dizer que jovens são gays porque vêm de ‘famílias desajustadas’ e que há ‘reservas’ quanto ao fato de termos professores transgêneros em sala de aula, faço da minha literatura uma trincheira”, dispara Helder Caldeira, concluindo:  “Em momentos assim, é preciso entregar aos leitores a possibilidade de sonhar”.

Segunda, 28 de Setembro de 2020 - 17:50

Peça de Gregorio Duvivier que leva linguagem dos memes à mitologia vira livro

por Ivan Finotti | Folhapress

Peça de Gregorio Duvivier que leva linguagem dos memes à mitologia vira livro
Foto: Divulgação

"Sísifo", título do espetáculo do ano passado -e do livro com o texto da peça, que Gregorio Duvivier e Vinicius Calderoni lançam agora-, é o nome de um grego que enganou a morte duas vezes. Mas não foi por essa façanha que ele ficou famoso, e sim por ter sido condenado pelos deuses do Olimpo a empurrar uma enorme pedra montanha acima.

Ao chegar no topo, porém, a pedra rolava de volta para baixo. E assim, todos os dias Sísifo subia novamente a montanha com a pedra, fazendo exatamente a mesma coisa, num movimento infinito.

Desse curioso mito filosófico, a dupla de artistas parte para falar do mundo, do homem, de política, do meio-ambiente, de tudo. "A gente tinha muita coisa que queria dizer e essa foi a base que encontramos", conta o coautor e diretor da peça, Vinicius Calderoni.

A primeira descoberta dos autores foi que Sísifo pode ser descrito como o primeiro gif do mundo. Gif é um pequeno trecho de vídeo, de um ou dois segundos, repetido "ad nauseam". Por exemplo: o olhar de um ator reprovando alguma situação. O gif mostra o ator reprovando, então recomeça e vemos o ator reprovando, começa e de novo o ator reprova, e assim segue para sempre.

A peça é toda ela uma tentativa de transpor para o palco a linguagem dos gifs e dos memes (o meme, em geral, é uma imagem parada com uma legenda engraçada ou que faça um comentário político-social do momento). A dramaturgia era aparentemente simples --uma rampa iluminada, um ator subindo e, ao final dela, caindo no escuro.

"De cara percebemos a ligação estreita que isso tinha com o fazer teatral", diz Calderoni. De fato, o ator de teatro deve fazer todas as noites a mesma peça, dizer exatamente as mesmas falas, numa repetição eterna enquanto está em cartaz. "Mas o ambulante gritando na praia, o motorista rodando na cidade e mesmo o amor são trabalhos de Sísifo", lembra Duvivier.

Os dois recorrem à mesma explicação a respeito de como fizeram essa transposição: "A New Yorker [revista americana] tem um concurso em que mostra um cartum e pede para seus leitores legendarem como quiserem", diz Calderoni. "Qual é a legenda que podemos fazer para uma trajetória de um cara que está no pé da rampa e depois chega ao topo e cai?", pergunta Duvivier. A resposta é: qualquer uma. Todas as histórias podem ser contadas nessa trajetória.

A questão principal do texto, segundo Calderoni, é como realizar isso 60 vezes (o número de saltos que o personagem dá durante a peça) sem que se torne algo maçante. "Como tornar isso interessante? Como criar variações na repetição? Como sair do mesmo ponto de partida e acabar no mesmo ponto de chegada, mas com trajetórias tão diferentes quanto as vidas de duas pessoas."

Duvivier carregou essa pedra montanha acima 75 vezes desde a estreia de "Sísifo" em abril de 2019, no Festival de Teatro de Curitiba. Esteve em temporadas no Rio de Janeiro, São, Paulo, Belo Horizonte e Portugal, com sessões lotadas e cerca de 25 mil espectadores. Em março deste ano, estava em Salvador quando a quarentena desabou sobre nossas cabeças.

Ao todo, Gregorio pulou da rampa 3.375 vezes, já que em cada encenação ele saltava 45 vezes. "A gente brincava que eu não estava fazendo teatro, e sim triatlo", diverte-se o ator. "Cara, eu terminava cada espetáculo ensopado, já que não tenho histórico de atleta."

A rampa, desenhada por André Cortez e iluminada por Wagner Antônio, tinha seis metros de comprimento. No fim, ela estava a 1,60 metro do chão, enquanto o pulo no escuro era em cima de um enorme colchão com uns 30 centímetros de altura.

O livro, que sai pela Cobogó, teve uma edição em Portugal, pela editora Tinta da China. Além da peça em si, a obra traz textos dos dois autores comentando um pouco sobre a criação e encenação de "Sísifo", além de fotos da rampa e de Gregorio em cena.

Roberto e Erasmo têm a posse de músicas negadas pela Justiça; lista inclui 72 canções
Foto: Rogério Resende

A Justiça de São Paulo rejeitou o pedido de recuperação de 72 músicas feito pelos cantores e compositores Roberto Carlos e Erasmo Carlos. Segundo noticiou o UOL, a lista de canções que os músicos tentam retomar a posse inclui clássicos como "É Preciso Saber Viver" e "Se Você Pensa".

 

De acordo com a publicação, a dupla pretendia rescindir contratos assinados entre 1964 e 1987 com a editora Fermata, alegando que não havia cedido os direitos autorais, mas apenas dado o direito de exploração e gestão comercial das obras. Faixas como "Vou Ficar Nu para Chamar sua Atenção" e "Sentado à Beira do Caminho" também estão sob a posse da empresa.

 

Na decisão, juiz Rodrigo Ramos, da 2ª Vara Cível, disse que os contratos são bastante claros e que, houve, sim, a transferência dos direitos autorais para a editora, que paga rendimentos aos músicos, mas tem direito patrimonial sobre as obras. A decisão cabe recurso.

 

Apesar de terem cerca de 7 dezenas de canções sob posse da editora, Roberto e Erasmo conseguiram recuperar a uma única canção, "Preciso Urgentemente Encontrar um Amigo", pois a Justiça considerou que o contrato era diferente e que não houve a cessão dos direitos, mas apenas permissão para a sua exploração comercial.


Veja as canções de Roberto e Erasmo Carlos que tiveram a recuperação negada:

  • Allting Forandras Utom Varens (versão)
  • Champagne (Namoradinha de um Amigo Meu)
  • Coqueiro Verde
  • Deixe-me Outro Dia, Menos Hoje
  • Desamarre meu Coração
  • Dizem que Um Homem não pode Chorar (versão)
  • Edifício Carinho
  • El Regreso (versão)
  • Enamorado de La Novia de Un Amigo Mio (versão)
  • Es Preciso Saber Vivir (versão)
  • Estoy Enamorado de Ti (versão)
  • Gotta Love Feeling (versão)
  • I'll Just Sit Here (versão)
  • Io Mi Sento Abbandonato (versão) 1966
  • Johnny Furacão
  • La Enamorada de Un Amigo Mio (versão)
  • Le Rendez-Vous (versão)
  • Lucinha
  • Meu Primeiro Amor
  • Milhões de Vezes
  • My Existence (versão)
  • Não Adianta Nada
  • Não Quero mais Saber de Mim
  • Necesito Llamar su Atención (versão)
  • Muro de Berlim
  • Papai Noel Apanhou um Resfriado
  • Peço a Palavra
  • Preciso Chamar sua Atenção
  • Preciso Encontrar um Amigo
  • Promessa
  • Promessa (versão)
  • Sentado à Beira do Caminho
  • Sentado a la Vera del Camino (versão)
  • Sentado a la Vera del Camino (outra versão)
  • Sitting in This Ugly Road (versão)
  • Sou Feliz com Mamãe
  • Tenho Raiva do Mundo
  • Todo Mundo está Falando (versão)
  • Tomodachi no Koibito (versão)
  • Você Sabe que Eu Não Volto Outra Vez
  • Você Tem que Mudar meu Bem
  • Você Vai Perder seu Bem
  • Vou Fechar a Porta
  • Vou Ficar Nu para Chamar sua Atenção
     
Cinema Drive-In do Goethe exibe filmes do universo de transexuais e transformistas
Foto: Divulgação

O Cinema Drive-In do Goethe-Institut, em Salvador, exibirá dois filmes sobre o universo de pessoas transexuais e transformistas, nos dias 1º e 2 de outubro. 

 

No primeiro dia, uma quinta-feira, o público poderá conferir a comédia “Alice Júnior” (2019), de Gil Baroni. A obra conta a história de uma jovem youtuber trans cercada de liberdades e mimos, mas que, depois de se mudar com o pai para uma pequena cidade onde a escola parece ter parado no tempo, precisa sobreviver ao ensino médio e ao preconceito para conquistar seu maior desejo: dar o primeiro beijo.

 

Já na sexta-feira (2), será exibido o documentário “Jéssica Cristopherry” (2013), de Paula Lice, Rodrigo Luna e Ronei Jorge, que celebra o universo dos artistas-transformistas da cena noturna soteropolitana. O filme será seguido de um bate-papo com a diretora e convidados. 

 

Realizadas no estacionamento do Goethe-Institut Salvador-Bahia, acessível pelo Vale do Canela, as sessões começam às 20h e os ingressos custam R$ 10 por veículo, com lotação máxima de quatro pessoas.

 

Cinema Drive-In do Goethe-Institut
1º de outubro (quinta-feira), 20h

“Alice Júnior” (2019), de Gil Baroni
Comédia | 87 minutos | Brasil | Classificação indicativa: 14 anos

 

2 de outubro (sexta-feira), 20h
“Jéssica Cristopherry” (2013), de Paula Lice, Rodrigo Luna e Ronei Jorge
Documentário | 52 minutos | Brasil | Classificação indicativa: 14 anos
Exibição seguida de bate-papo com Paula Lice e convidados

Funceb abre inscrições para prêmio voltado para criação artística de dança para infância
Foto: Divulgação

A Fundação Cultural do Estado (Funceb) abriu, nesta segunda-feira (28), as inscrições para o Prêmio Dança para Infância – Processos de Criação Artística 1ª Edição. Os interessados em participar da iniciativa, que acontece em formato virtual, podem se inscrever gratuitamente até 11 de novembro no site da Funceb.

 

Voltada para propostas referentes a processos criativos em dança para a infância, realizados por artistas na Bahia, a premiação tem como objetivo fomentar ações formativas e incentivar processos de pesquisa dentro do tema.

 

Realizada de forma remota, em apenas uma etapa, a seleção vai contemplar duas propostas do interior do estado e outras duas de Salvador e Região Metropolitana. A curadoria será realizada por uma equipe formada por representantes da Coordenação de Dança da Funceb, do Balé do Teatro Castro Alves (BTCA) e da Escola de Dança da Funceb. 

 

Caso seja contemplado, durante dois meses o proponente irá realizar pesquisas e experimentações, sob tutoria de um profissional do BTCA ou profissional do quadro de professores do curso Técnico da Escola de Dança da Funceb. Durante este período os participantes terão ainda orientações e práticas formativas online.

 

Cada proposta selecionada receberá um prêmio no valor bruto de R$ 4 mil para subsidiar o processo de pesquisa. No total, serão investidos recursos da ordem de R$ 16 mil.

Segunda, 28 de Setembro de 2020 - 14:00

Giro: Aumenta o número de dentes fraturados durante a pandemia

por Adriana Barreto e Cris Montenegro

Giro: Aumenta o número de dentes fraturados durante a pandemia
Dr. João Reis, Cirurgião-Dentista | Foto: Divulgação

A mudança de rotina por conta da pandemia do Covid-19 tem refletido cada vez mais na saúde dos cidadãos. O estresse proporcionado pelas limitações e alterações no dia a dia gera uma tensão que pode ocasionar pressão nos dentes, levando a desgastes. Em casos mais complexos, até fraturas podem ocorrer.


"Casos de reabilitação de dentes que quebraram por conta do apertamento excessivo têm sido cada vez mais frequentes nos consultórios odontológicos. Muitos pacientes já chegam ao consultório com dentes fraturados", explana Dr. João Reis, Cirurgião-Dentista. "Têm casos também que mesmo não estressadas manifestam o ranger exagerado durante o sono, o famoso bruxismo", acrescenta. Esse problema, inclusive, atinge 40% da população e podem trazer outros efeitos como dores na face, na cabeça, nos ombros e também no pescoço.


Nas crianças, o problema pode ser gerado por outros fatores. Se no mundo adulto as emoções refletem diretamente na saúde bucal, no universo infantil, a atenção para com o comportamento dos pequenos dentro de casa precisa ser redobrada. "Confinadas, elas só têm a opção de brincar dentro de casa. Logo, há riscos de quedas e acidentes, já que - de forma geral - os espaços são limitados, rodeados de móveis, pisos escorregadios, o que representam um perigo", frisa Dr. João Reis. "As crianças dentro de casa brincam, pulam, levam brinquedos á boca, e uma queda pode resultar em um traumatismo dentário", alerta o profissional.

Herbert Vianna será homenageado do Prêmio do Compositor Brasileiro de 2020
Foto: Divulgação /TV Globo

O cantor, instrumentista e compositor paraibano Herbert Vianna, vocalista da banda Paralamas do Sucesso, será o homenageado do Prêmio do Compositor Brasileiro de 2020. A informação é da coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S. Paulo.

 

O prêmio, que no ano passado laureou o mineiro Milton Nascimento, é uma honraria concedida pela União Brasileira de Compositores (UBC) a nomes de destaque da música popular no país. Esta, que é a quarta edição do prêmio, será realizada de forma virtual em virtude da pandemia, e acontecerá de 1º a 9 de outubro.

 

Segundo a coluna, além da cerimônia, um documentário com depoimentos de artistas que fizeram parte da trajetória de Herbert Vianna será exibido no dia 7 de outubro, no canal da UBC no Youtube. O filme em questão é dirigido por Daniel Ferro.

Segunda, 28 de Setembro de 2020 - 12:50

Filme sobre como talibãs ameaçaram o cinema nos acorda para Brasil atual

por Inácio Araujo | Folhapress

Filme sobre como talibãs ameaçaram o cinema nos acorda para Brasil atual
Foto: Divulgação

É uma pena que "O Rolo Proibido" tenha uma única exibição no "É Tudo Verdade". Documentário, claro, e no entanto nos reserva as emoções das melhores ficções.

Tudo começa no ano de 1996, quando o governo talibã ordena a destruição de todo o arquivo da Afghan Film, a produtora de cinema que havia resistido a todas as mudanças políticas do país, até então. E não foram poucas. Por sorte, um funcionário informou o pessoal da produtora e houve tempo para transferir o material até um depósito em seguida vedado.

Os encarregados da fogueira foram apresentados então a rolos e rolos de filmes estrangeiros reunidos e queimados. O estratagema salvou as imagens do sinistro objetivo de apagar toda a memória nacional anterior à tomada do poder pelos islamitas radicais. Felizmente.

Graças a isso podemos saber da existência de um rico e pouco conhecido cinema afegão, testemunho de como a sociedade afegã viu a si mesma em diferentes momentos da agitada segunda metade do século 20.

De início temos ficções que lembram vagamente o cinema industrial egípcio (alguém dirá: o modelo jamais seria o cinema indiano, país rival do Afeganistão) e documentários que dão conta de uma sociedade dinâmica e em processo de modernização (as imagens selecionadas lembram certos cinejornais brasileiros dos anos 1950).

As ficções são poucas, mas é grande a paixão dos cineastas, como o Engenheiro Latif, capaz de cair de um tanque em movimento e pensar em, antes de tudo, salvar sua câmera. Eles têm a seu favor, segundo o documentário, a certeza de que o público se vê espelhado em seus filmes.

Por sorte, a paixão cinematográfica dos cineastas é infinitamente maior que a paixão política. Daí eles poderem passar de um governo capitalista a um governo comunista (a partir de abril de 1978) sem maiores dores. Ao contrário, o governo que se instala faz do cinema um meio de propaganda, o que permite aos cineastas trabalharem num número maior de filmes, porém submetidos a uma censura ideológica. Nada muito radical, já que um dos cineastas centrais é chamado a conversar com o novo presidente, que lhes garante que o essencial é que continuem trabalhando para o cinema.

De acordo com o filme, o comunismo pegou bem nas grandes cidades, mas mal no campo, de onde os resistentes mujahidins lançam sua guerrilha com tanto sucesso que, em 1979, a URSS decide mandar suas tropas ao país. Inútil. Em 1992, os mujahidins tomam Cabul. Mas nada disso dura muito: anos depois são depostos pelos radicais talibãs.

O essencial dessa história não raro trágica é que ela permaneceu preservada apesar de todos os atropelos. Suas imagens estão lá para mostrar como as pessoas se vestem, como dançam ou cantam, como marcham, aderem a tal ou tal líder, nos diversos momentos.

Não deixa de ser comovente observar o apreço de jovens cinéfilos por uma antiga estrela, que teve de viver escondida e trocar de nome durante o regime talibã. É adesão ao cinema, mas também à antiga e rica história afegã.

Se o interesse literal de "O Rolo Proibido" é enorme, o filme ganha uma segunda e não menos assombrosa leitura no momento atual, em que a Cinemateca Brasileira seencontra ameaçada. Ali existe um tipo de memória que resiste à ideologização e informa sobre mais de um século de história brasileira. Essa memória é preciosa e frágil. Não precisa tocar fogo para apagá-la. Um pouco de ignorância e descaso podem fazer o serviço.

Elza, Renato Aragão e Dilsinho inspiram pratos de competidores do Masterchef nesta terça
Foto: Carlos Reinis/Band

Os oito novos cozinheiros amadores que competem no 12º episódio do Masterchef Brasil 2020 passarão por mais uma prova da caixa misteriosa dos famosos, no episódio exibido na Band nesta terça-feira (29), a partir das 22h45.

 

Neste, que é o primeiro desafio da noite, os aspirantes deverão reproduzir pratos sugeridos por celebridades. O comediante Renato Aragão, Didi, sugere uma receita regional de feijão verde com coentro e maxixe e fortes características nordestinas, que lhe trazem memórias da infância. A atriz Juliana Silveira, protagonista de Floribella, pede um cardápio que costumava comer aos domingos carne assada, arroz e batatas coradas. 

 

Já a cantora Elza Soares indica uma iguaria que remete às suas origens: bobó de camarão, com algumas exigências que tornam o preparo ainda mais complicado. O cantor Dilsinho, por sua vez, foi para o lado da sobremesa, com um pavê de chocolate. 

 

Os cozinheiros que saírem melhor da primeira etapa vão para a prova decisiva, com base no frango. Para vencer a competição, os competidores terão que fazer um prato completo, com acompanhamentos e molho, tendo o frango seja o grande protagonista. O ganhador do desafio anterior, no entanto, terá uma vantagem que pode mudar todo o rumo da competição.

 

O vencedor leva o 12º troféu do MasterChef 2020, R$ 5 mil, uma bolsa de estudos em uma universidade particular, um dispositivo de assistente virtual, R$ 5 mil em compras no site do patrocinador, além de um forno, um jogo de panelas e um kit chef de facas.

Segunda, 28 de Setembro de 2020 - 09:00

Giro: Portfólio

por Adriana Barreto e Cris Montenegro

Giro: Portfólio
João Fiamenghi | Foto: Divulgação

O Grupo Ergo, representado pelo jovem empresário João Fiamenghi, acaba de realizar a aquisição e assumir as operações da Crema Gelato Italiano. Com funcionamento desde 2015 na Pituba, a gelateria passa a integrar o portfólio do grupo neste mês de setembro, juntamente com o Restaurante do Lôro e os restaurantes Marakuthai, em São Paulo. Já como fruto da nova gestão, o grupo multiempresarial se uniu ao Mestre Sorveteiro Frederico Samora, com diversas premiações no currículo, entre elas a de Melhor Casquinha, conquistada na Copa do Mundo de Sorvete, na Itália. A Crema contará com a atuação também de Pedro Imbassahy, empresário com grande experiência em gestão no segmento.

Histórico de Conteúdo