Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 19 de Abril de 2022 - 10:50

Doutor Pet: Conheça Síndrome do braquicefálico, que afeta cães

por Bruno Dantas - Veterinário da CENTERVET

Doutor Pet: Conheça Síndrome do braquicefálico, que afeta cães
Foto: Casa do Produtor

Sabe aquele ronco que alguns cães emitem enquanto respiram? Isso é um dos indícios do esforço que alguns bichinhos precisam fazer para respirar. Nem sempre é uma característica de fofura, é para ser encarado com seriedade e pode desencadear um problema grave: a síndrome do braquicefálico.

 

Antes de tudo, vamos explicar o que significa a condição de animais braquicefálicos. Essa palavra estranha identifica cães que, pela anatomia, têm o focinho achatado, como os animais das raças pug, lhasa apso, shih tzu, bulldog francês, bulldog inglês e maltês. 

 

Suas narinas são mais compactas, o céu da boca longo e a traqueia é desproporcionalmente mais estreita. Isso gera o comprometimento da função respiratória e consequentemente a qualidade de vida do pet. Como por exemplo, dificultar as brincadeiras e passeios diários. 

 

E uma curiosidade: fica terminantemente proibido circular em ambiente rarefeito, o que inclui viagens de avião. 

 

Andar de avião com seu doguinho, nem pensar! 

 

Neste texto vou falar mais sobre cães com essa condição respiratória, possíveis complicações patológicas, tratamento e curiosidades.

 

Nos cães, além da função fundamental a respiração é também responsável pela termorregulação. Diferente dos humanos, a regulação da temperatura corporal dos doguinhos acontece através da respiração. E nos cães braquicefálicos a obstrução das vias aéreas têm consequências direta na troca de temperatura corporal. O corpo aquece e a energia não é dissipada, ou seja, desenvolve outra condição, a hipertermia. Mais um motivo para alerta, tutores. 


Braquicefálicos: De onde saiu a condição?
Cães braquicefálicos são efeitos da ação humana, oriundos do cruzamento entre raças, em geral, de espécies diversas morfologicamente. 

 

Contudo, essa intervenção contribuiu para o conjunto de complicações anatômicas encontradas nos animais braquicefálicos.

 

Em raças citadas acima, a condição é causa de problemas oculares, como olho seco, baixa produção de lágrima e até o entupimento do canal lacrimal. Também a dentição irregular e do maior dos problemas: a síndrome do braquicefálico.


O que é e como tratar seu pet da síndrome do braquicefálico

A síndrome do braquicefálico é uma patologia que se apresenta nos sintomas: respiração ruidosa, dispnéia, palidez ou cianose das mucosas, tosse, espirros reversos, alterações vocais, engasgos, língua roxa, como também intolerância ao exercício, agonia respiratória e síncope.

 

No entanto, nem todos os cachorros braquicefálicos possuem anormalidades, e alguns não chegam a manifestar problemas respiratórios.

 

A descoberta sobre a necessidade de cirurgia é através da realização de exames criteriosos. Exames físicos completos, com avaliação do histórico clínico do animal que somente um especialista consegue identificar. 

 

Converse com nossos veterinários sobre a síndrome dos cães braquicefálicos,

 

E outro detalhe: são os cuidados no pós-operatório, que precisam ser redobrados. 


Estafilectomia e a rinoplastia a laser 
O bem estar no animalzinho com síndrome braquicefálica é restituído com a realização das cirurgias de estafilectomia e, ou, rinoplastia. Elas são para ampliar os orifícios nasais externos ou extrair o excesso de palato mole e os sáculos da laringe revirados, respectivamente. 

 

A indicação é intervir com cirurgia com o doguinho o mais jovem possível. Em cães menores, o prognóstico é sempre melhor.
 
Tutores de cães braquicefálicos podem buscar mais informações quanto ao procedimento cirúrgico com um de nossos veterinários.

 

Bruno Dantas (CRMV 4118) é formado pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), especialista em cirurgias de pequenos animais e responsável técnico do grupo CENTERVET. 

Histórico de Conteúdo