Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 11 de Janeiro de 2022 - 18:30

Verdade sobre maior agressão a um clube de futebol: Onde estão os 'falsos democratas'?

por Marcelo Guimarães

Verdade sobre maior agressão a um clube de futebol: Onde estão os 'falsos democratas'?
Foto: Acervo pessoal

Democracia dialética

 

Na qualidade de ex-presidente e Grande Benemérito do Esporte Clube Bahia, apaixonado por essa nação de torcedores e seu histórico de vitórias, que não se coaduna com seguidos rebaixamentos em tão pouco tempo e reiterada permanência na zona de descenso, passo a tecer algumas análises e considerações críticas sobre a atual situação do Clube sem o ânimo de difamar ou injuriar os responsáveis diretos pelos vexames e desgastes que o ECB atravessa, oriundo da ”falsa democracia” ali instalada a partir de meados de 2013.

 

Responsáveis diretos pelo desmoralizado “golpe” no Esporte Clube Bahia, prometendo democratizar o clube e torna-lo uma potência no futebol do país, Jaques Wagner, Nelson Pelegrino e Sidônio Palmeira desapareceram por completo, sem uma palavra para justificar o completo caos e descrédito que se instalou no nosso clube, que virou palanque do PT e é administrado pelo marqueteiro político, gerido por um bando de neófitos e inexperientes no futebol, que não aceitam as críticas e a verdade. Senão vejamos.

 

Para esclarecer a utilização da expressão “golpe”, é bom compreender que o então presidente legitimamente eleito, conforme Estatuto do Clube em vigor, Marcelo Guimarães Filho, juntamente com os Conselheiros e toda Diretoria, foram arrancados do Clube através de um nefasto procedimento engendrado por esse grupo que tomou o poder, que utilizando a força e influência política de ocasião, resultou na malfadada Intervenção Judicial, severamente criticada pelo Ministério Público Federal como se infere de parecer do Subprocurador Geral da República que atua perante ao Superior Tribunal de Justiça, Dr. Antonio Carlos Alpino Bigonha que assim asseverou:

 

´´ Parece de meridiana clareza que, por menor que fosse a admiração que se nutrisse pelo presidente eleito do Clube, ou por sua diretoria, aspectos que fogem aos limites da relação processual estabelecida nestes autos, seria emprestar demasiado poder a um magistrado de 1ª Instância a faculdade de suspender liminarmente as eleições da agremiação e, mesmo depois de ter sua decisão reformada pelo Egrégio Tribunal de Justiça, sentenciar a nulidade das eleições e nomear um interventor, tudo isto com eficácia imediata. Uma tal hipótese já seria altamente perturbadora, pelo despojamento do mandato, e intervenção nas relações associativas, sem o devido processo legal. O que se dirá do caso dos autos, onde além de ser afastada do Clube por uma sentença ainda ineficaz, a diretoria teve, literalmente, cassado o seu direito de defesa, por ninguém menos do que o interventor nomeado pelo próprio Ilustre Magistrado.´´ (página 7 do parecer do MPF disponível nos autos do processo que tramita no STJ)

 

Ademais, não poderiam estes se indignar com a utilização da expressão, muito menos reputá-la agressiva ou desrespeitosa, pois como componentes de um partido de política de esquerda, não conformados com o legítimo e legal impeachment em 2016, até hoje consideram ter sido um golpe e vociferam essa expressão aos quatro cantos, apesar do procedimento adotado e votação na Câmara Federal.

 

E o poder foi usurpado tão somente porque um conselheiro foi excluído, conforme previsão estatutária a época e não participou das eleições, tendo ingressado com ação judicial e pedido liminar para expulsar todos os eleitos, o que de fato veio a ocorrer, causando uma das mais vexatórias soluções da Justiça Baiana e que hoje se consegue imaginar como alcançada, onde os usurpadores prometiam a devolução da Democracia, mas, por incrível que pareça a massa de torcedores de arquibancada não vota, nem participa das decisões do Clube, que é denominado por alguns grupos que, repita-se, não aceitam críticas, muito menos conhecem de futebol.

 

Vale lembrar que, na época, o Presidente havia sido eleito com base no Estatuto e com a opção realizada por todos os Conselheiros aptos a votar, e que também hoje existe um “colégio eleitoral” que privilegia esse grupo que tomou o Bahia, e se utiliza de campanhas institucionais em detrimento do futebol, que sempre foi a grande marca do Clube, além da falta de conhecimento e gastos absurdos, como por exemplo a contratação de “carretas” de jogadores de capacidade duvidosa e sem qualquer resultado prático, deixando um grande rombo.

 

Só para se ter uma ideia dos desmandos, em 2013, quando arrancaram a presidência de Marcelo Guimarães Filho, o Bahia tinha uma dívida de 20 milhões (a auditoria foi feita por eles) totalmente equacionada, com 40 milhões de valor em Transcons em caixa, 2 Centros de Treinamento (o Fazendão no valor de 15 milhões e a Cidade Tricolor avaliada em 100 milhões).

 

Quase nove anos depois da vergonhosa ´´Intervenção´´ é fácil perceber que destruíram o clube. Atualmente com dívida de 400 milhões, pagamento a curto prazo de 100 milhões, divisão de base esfacelada, time profissional rebaixado e um Presidente que nada ou muito pouco entende de futebol, só de redes sociais, nosso clube caminha para a desmoralização total. 

 

O corajoso jornalista Leonardo Dias no programa da rádio Brabo, com total percepção da estratégia engendrada e ineficácia da gestão, esqueceu de dizer que quando o PT deu esse “golpe”, o nosso clube tinha uma dívida de 20 milhões de reais totalmente equacionada, Marcelinho tinha feito um acordo com a Justiça do Trabalho que era a maior parte da dívida relativa a dívida de 20 milhões, tinha deixado em caixa 40 milhões em TrasconS, com dois centros de treinamento, o Fazendão no valor de 15 milhões, sendo que 80% efetuado na minha gestão como presidente.

 

Quando assumi a presidência, nem muro o Fazendão tinha, fiz a sede administrativa, dois campos de futebol, um com arquibancada, hotel da base para 110 atletas, reformei por completo a concentração dos jogadores profissionais, com reforma total de todos os quartos, grade cercando toda a área dos profissionais, sala de impressa, entrada principal e coloquei o nome do saudoso ex-presidente Osório Villas Boas, o maior dirigente da história do clube, primeiro campeão brasileiro e que popularizou o clube como o maior do nordeste e dos principais clubes do Brasil. 

 

O atleta mais valorizado da história do clube, Daniel Alves, foi comprado por mim por R$ 40.000,00 (quarenta mil reais) junto ao Juazeiro, com 4 (quatro) cheques pessoais de R$ 10.000,00 (dez mil reais), imediatamente doei o atleta ao clube, sendo que dois anos depois vendemos ao Sevilha da Espanha por quase R$6.000.000 (seis milhões de reais) a época, recurso totalmente do clube.

 

Já Marcelinho como presidente, além de realçar o nome do Bahia no cenário nacional com contratação de grandes técnicos, a exemplo de Renato Gaúcho e Falcaão, deixou o clube na série A, com maior orçamento da história, e que veio a ser inescrupulosamente utilizado pelos hoje consagrados derrotados e perdedores, construiu o nosso CT em Dias D’avila, Cidade Tricolor, avaliado em 100 milhões reais, sendo que a época dezenas de conselheiros lhe pediram que o novo CT tivesse o meu nome, Marcelo Guimarães, mas ele elegantemente asseverou “não, o nome será :  “Cidade Tricolor“.

 

Qual surpresa nossa, faltando uma semana para nos mudarmos, houve o vergonhoso “golpe” capitaneado pelos personagens acima que deixaram o novo CT por alguns anos e em 2019, o despreparado do Belitani, ignorando a inauguração do CT com a presença de toda a imprensa baiana, pintou o novo CT que construímos na gestão de MGF e reinaugurou colocando o nome de “Evaristo de Macedo”. É muito cinismo essa dolosa omissão!!

 

Pois torcedores, o nosso glorioso ECB estava totalmente organizado para o ano de 2014 chegar entre os quatro primeiros colocados do Brasileirão ou ser campeão, e ainda com certeza conseguir uma vaga na Copa Libertadores. E a história precisa ser contada, para que as pessoas conheçam os obscuros personagens e o que de fato ocorreu nos bastidores, pois uma mentira reiterada se torna verdade, e essa foi a tática empregada pelos usurpadores, conhecedores profundos das técnicas de publicidade e promoção do nazismo.

 

Portanto, o desastre teve início quando o senhor Sidônio Palmeira, marqueteiro do PT e do Governo do Estado, com amplos poderes e penetração, chamou o nosso presidente Marcelinho Guimarães para uma reunião em seu escritório (na empresa de marketing do PT) e deu um ultimato a Marcelinho: “você quer sair por bem ou por mal? Você tem uma semana para renunciar, ou vamos lhe tirar da presidência”. Imediatamente Marcelinho respondeu “renunciar nunca, não fiz nada de errado, pelo contrário, organizei o clube por inteiro, coloquei o Bahia na primeira divisão e deixo a minha marca com um dos maiores Centros Treinamento do Brasil avaliado em 100 milhões com o clube devendo praticamente zero “, sem contar o maior orçamento da história do Clube.

 

Um mês depois eles deram o “golpe” e tomaram nosso clube e em seguida passaram a fazer o que eles sempre fazem, são profissionais em “destruir reputações”, ou seja, difamaram Marcelinho para justificar o golpe, passaram para a Bahia esportiva a justificativa que Marcelinho fez falcatruas na administração do clube, inclusive criando a estória de “jabá”, que nunca existiu. Covardes!! Incompetentes!! Tudo articulado pelo PT e seu marqueteiro Sidônio Palmeira e o governador a época Jaques Wagner.

 

Só a título exemplificativo, tivemos um interventor com salário milionário para a época e atividade desenvolvida – R$60.000,00/mês – além de um importante gestor do Governo do Estado, Fernando Schmitt, ter assumido a presidência do Clube e o rebaixado, apesar de todos saberem que quem mandava no Clube era Sidônio, bastando olhar no google suas diversas entrevistas nas rádios e veículos de comunicação da época.

 

Marcelo Guimarães Filho foi vítima de uma verdadeira guerra jurídica e política, a denominada “lawfare”, o uso e a manipulação das leis como um instrumento de combate a um oponente desrespeitando os procedimentos legais e os direitos do indivíduo, foi-se criando, compartilhando, disseminando diversas fake News a seu respeito, a sua gestão, foi-se literalmente utilizado de leis como arma para alcançar uma finalidade política, qual seja, o ingresso e a permanência do PT na gestão do maior Clube do Norte Nordeste através da mentiras criadas e, é bom ressaltar, jamais comprovadas.

 

Vale dizer que no caso de Marcelinho, foi tudo planejado pela equipe de marketing do PT de forma a ter uma aparência de legalidade e, no caso dele, essa aparência foi criada com a ajuda da mídia a época pois existia a força política do então governador. É bom ressaltar que o governando Ruy Costa não se meteu em nada dessa patifaria em relação ao Bahia, assim como ACM Neto nada tem a ver com a indicação do Sr. Belintani no Clube.

 

Hoje, após oito anos de administração do PT, com a manutenção das mesmas pessoas em cargos, além de contratação de diversos profissionais a peso de ouro, o nosso clube está com uma dívida de 400 milhões e na segunda divisão. 

 

Pela primeira vez, a imprensa independente e corajosa, na pessoa dos jornalistas Leonardo Dias (Programa Brabo) e também Thiago Mithra no Programa Bargunça PodCast, se manifestaram de forma clara e esclarecedora acerca de como o PT e seu marqueteiro Sidônio Palmeira, figura sinistra que comanda o clube há oito anos, comandou o vergonhoso golpe e transformou o nosso clube em uma ONG a serviço do PT.

 

 

Vejamos trecho do jornalista Leonardo Dias sobre Guilherme Belitani: ``Não. Ele não  teve hombridade nenhuma. Porque na verdade ele demonstraria isso se ele renunciasse ao cargo imediatamente. Na verdade o Belitani ele é aí o terceiro né presidente já, que na verdade é um boneco desse esquema que se apropriou do Bahia desde 2013. A intervenção foi feita, o golpe que foi dado e hoje o Bahia pertence a uma ideologia de esquerda (...) Hoje o Bahia é comandado,  entre outros, por uma agencia de publicidade que é a, eu posso até dar o nome aqui, que é a mesma que faz as propagandas do governo do Estado da Bahia, que faz a maquiagem né. Então  o Bahia é... hoje não é mais nem um clube de futebol, é tudo mas menos tem o foco no futebol, parece que se assemelha mais a uma ONG, a um partido político, a ideologia entrou no Bahia de uma forma que a luta de classes hoje foi trazida para debate dentro do clube, conseguiu, imagine, é, fazer, promover a divisão da torcida do Bahia com as chamadas pautas identitárias , criou lá um tal de núcleo de ações afirmativas que tem lá, pelo menos, 50 vagabundos improdutivos que recebem do Clube para ficar promovendo esquerdismo mesmo né. Essa é a grande realidade. O resultado tá aí, faz uma maquiagem. Quer dizer, inventa que o Clube tá bem financeiramente. O Bahia na verdade quando sofreu intervenção em 2013 foi contratado uma auditoria e essa mesma auditoria, esse mesmo grupo que tá aí, disse que lá, a partir do diagnostico que eles mesmo fizeram, a mesma empresa contratada até hoje, nós estamos em 2021, portanto, há 8 anos atras, disse que o Bahia devia 20 milhões e o Clube estava tecnicamente quebrado. Aí depois, passados alguns anos, em 2015, o Marcelo Santana que também foi um boneco desse mesmo grupo que está aí, disse que o Bahia na verdade devia 200 milhões e ele teria feito, a partir das negaciações com Profuti, entre outros, o Bahia passava a dever 80 milhões, em 2015. Aí depois o Belitani assume e diz que o Bahia já deve 200 né. Quer dizer, de 20 foi para 200, depois voltou para 80 depois voltou para 200, quer dizer não tem nenhuma credibilidade essas informações, muito pelo contrário, são dados jogados aleatoriamente assim como eles maquearam as finanças públicas durante muito tempo né, eles maqueiam também as situações envolvendo o Bahia. Então, lamentável o que está acontecendo no nosso clube. O nosso Clube realmente hoje foi tomado de assalto mesmo. Assim como eles se infiltraram em todas as instituições públicas e privadas. Se infiltraram até na santa igreja né? Imagine em um clube de futebol. Estão destruindo esse que é, sem dúvida alguma, um dos maiores patrimônios imateriais do nosso estado né? Do Brasil na verdade, que é o Esporte Clube Bahia, uma paixão nacional destruída por uma ideologia.´´

 

Torcida tricolor ACORDA, nosso clube foi tomado de assalto e nem é mais um clube de futebol, só respira a ideologia de esquerda usando as minorias para fazer política. O Esporte Clube Bahia é da torcida e não de políticos! Kd a democracia? Kd as eleições diretas? Kd o sonho vendido aquela época? O Esporte Clube Bahia não pode ser da torcida que tem dinheiro, elitizada, que está no poder! O Bahia é e sempre será do POVO! Kd a democracia?

 

Quem é Belintani?

É preciso que a nossa fanática torcida conheça esse cidadão chamado Belitani, empresário e gestor despreparado no futebol, secretário municipal insignificante, que foi convidado a sair da prefeitura, foi colocado na presidência do Bahia por aquele que manda verdadeiramente no Bahia há oito anos, o marqueteiro do PT, Sidônio Palmeira, figura conhecida por, repito, “destruir reputações”.

 

Belitani é um dos piores presidentes da história do clube, consegue ser pior do que o incapaz Fernando Schimit, assim como o atual empresário de futebol Marcelo Santana, Belitani assumiu o clube apesar de não possuir qualquer qualificação, conhecimento, influência ou experiência, tentando usar o Bahia politicamente e para o seu futuro pessoal, nunca foi torcedor, nunca foi a um estádio de futebol, nunca deu um chute na bola, jogador de botão do playground onde morava, mas atendia perfeitamente ao que o PT queria e assim foi feito.

 

Ele é responsável pelos maiores desastres do clube, ele é responsável não só pelo rebaixamento, mas por uma dívida milionária impagável de 400 milhões, o clube caminha para o desastre total. É responsável por fatos inéditos desastrosos e diversas humilhações em nosso clube, e não adianta persistir nos erros e pedir desculpas, pois em toda sua gestão o Bahia ficou próximo do rebaixamento e nada foi aprendido.

 

Pergunto a você tricolor: até quando vamos aturar essa vergonhosa administração do senhor Belitani a frente do nosso clube? Com o apoio de políticos do PT que deram o golpe no Clube e não devolveram a Democracia? Qual o motivo de não se promover eleições diretas no Clube e respeitar a massa, a torcida da arquibancada?

 

Vamos aos insucessos desse senhor das redes sociais.

1. Decisão de copa do nordeste, perdeu para o Sampaio Correia na fonte nova com 43 mil pagantes em 2018

2. Foi desclassificado pelo mesmo Sampaio Correia na copa do nordeste 2019 

3. Perdeu para o Sergipe em plena fonte nova pela copa do nordeste fato este que nunca tinha acontecido em 2019

4. Foi desclassificada pelo River do Piauí pela copa do Brasil 

5. Perdeu a copa do nordeste para o Ceará em 2020 dentro do Pituacu em 3 partidas tomaram (6x1) 2x0 3x1 e 1x0 

6. Recém fundando o clube Unirb em 3/3/21, venceu o seu primeiro jogo como profissional no campeonato baiano logo para quem? O Bahia. 

7. Eliminação na primeira fase da Sul - Americana 2019 para o Liverpool do Uruguai, time que com 103 anos de existência somente conquistou 6 títulos de campeão da segunda divisão.

8. Primeira vez em toda história que o Bahia sofre cinco derrotas seguidas sem marcar um gol em algum dos jogos.

9. Se não bastasse tudo isso em campo, deixou uma dívida de 400 milhões, uma divisão de base esfacelada, time profissional rebaixado pra 2a divisão e a fama de péssimo pagador. 

10. Segundo o campeão brasileiro pelo Bahia em 1988, Joao Marcelo, o empresário de atletas, Paulo Pitombeira, emprestou R$ 12 milhões ao clube. 

CHEGA! BASTA! Vamos fazer uma campanha do NÃO Belintani, Sidônio, PT ou partido político nenhum NUNCA MAIS.

 

Belintani é um dos piores presidentes da história do clube. Conseguiu superar o agora empresário de futebol Marcelo Santana e o falecido chamado Fernando Schimit, outro grande fracasso.

 

O nosso clube precisa expulsar definitivamente esses usurpadores que entraram pela porta dos fundos, Belintani, Sidonio Palmeira, o famigerado Vitor Ferraz e essa nefasta Revolução Tricolor que não passa de meia dúzia de agregados que vem, passo a passo, destruindo nosso clube, só assim poderemos reconstruir o nosso maior patrimônio que é nosso Bahia e voltar a dar alegrias a nossa gloriosa torcida que vem sofrendo nas mãos desses usurpadores que se apropriaram do nosso clube.

 

Observação: há rumores de dentro do clube que eles querem vender o Esporte Clube Bahia como simples mercadoria pela dívida de 400 milhões, precisamos ficar em alerta total porque eles são capazes de tudo.

 

#BELINTANI NÃO

#BELINTANI FORA

#BELINTANI, VITOR FERRAZ, SIDONIO E O PT FORA

 

*Marcelo Guimarães é ex-presidente e grande benemérito do Esporte Clube Bahia

 

*Os artigos reproduzidos neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do Bahia Notícias

Histórico de Conteúdo