Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Segunda, 05 de Abril de 2021 - 09:50

A Marinha do Brasil sob o Comando do Almirante de Esquadra Almir Garnier Santos

por Baltazar Miranda Saraiva

A Marinha do Brasil sob o Comando do Almirante de Esquadra Almir Garnier Santos
Foto: Max Haack / Ag. Haack/ Bahia Notícias

O Almirante de Esquadra Almir Garnier Santos nasceu em 22 de setembro de 1960, em Cascadura, no Rio de Janeiro. Orgulha-se de sua longa relação com a Marinha do Brasil, tendo ingressado, aos dez anos de idade, como aluno do curso de formação de operários, na extinta Escola Industrial Comandante Zenethilde Magno de Carvalho.

 

Graduou-se Técnico em Estruturas Navais, na Escola Técnica do Arsenal de Marinha (AMRJ), em 1977, tendo estagiado na Fragata Independência e União, à época em construção na carreira do AMRJ. No mesmo ano iniciou o Curso de Formação de Oficiais da Reserva da Marinha.

 

Em 1978 ingressou na Escola Naval (Rio de Janeiro -RJ), formando-se em 1981, na primeira colocação no Corpo da Armada. Em seguida fez a famosa viagem de instrução a bordo do Navio Escola “Custódio de Melo”, em 1982, sendo promovido a Segundo-Tenente, vindo a servir na Fragata “Independência”, como Ajudante de Divisão de Operações.

 

Promovido a Primeiro-Tenente, em 31 de agosto de 1984, ingressou no Centro de Instrução “Almirante Wandenkolk”, localizado no Rio de Janeiro- RJ, para fazer o Curso de Aperfeiçoamento em Eletrônica para Oficiais, o qual concluiu, em 1985, com distinção, tendo obtido o primeiro lugar.

 

Entre os anos de 1981 e 1991, o então Tenente Garnier, desenvolveu suas habilidades operativas servindo a bordo dos navios mais modernos da Esquadra brasileira à época: a Fragata União, a Fragata Independência e o Navio -Escola Brasil, onde ocupou os cargos de Chefe do Departamento e de Encarregado da Divisão de Operações, de Encarregado da Manutenção do Material Eletrônico, de Oficial de Defesa Aérea e Guerra Eletrônica e de Instrutor de Operações de Guardas-Marinhas.

 

Em 1991, como Capitão-Tenente, foi designado para realizar o Curso de Mestrado em Pesquisa

Operacional e Análise de Sistemas, em Monterey, CA - EUA. Após a conclusão do Mestrado, serviu em funções técnicas por cerca de dez anos, quando gerenciou equipes de elevado padrão técnico, desenvolvendo projetos de otimização de recursos, de emprego de Poder Naval, de jogos para treinamento de Guerra Naval e de implantação de sistemas de tecnologia da informação e comunicações.

 

O então Capitão de Corveta Almir Garnier concluiu o Curso de Estado-Maior para Oficiais

Superiores em 1998, quando também obteve a primeira colocação. Possui ainda o curso de Master of Business Administration (MBA) em Gestão Internacional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – COPPEAD (2008) e o Curso de Política e Estratégia Marítima da Escola de Guerra Naval, concluído com menção honrosa, em 2008.

 

Em 04 de abril de 2013, assumiu como o 65º Diretor da Escola de Guerra Naval, sendo que no ano de 2014, ainda sob sua direção, por ocasião do centenário da referida Escola, foi apresentada a edição histórica da “Revista Comemorativa do Centenário”, cuja ideia “foi resgatar e registrar parte da trajetória desta instituição, na qual muitas gerações de oficiais de nossa Marinha tiveram seus conhecimentos aprimorados e ampliados”.

 

Comandou o navio de apoio logístico "Almirante Gastão Motta", o Centro de Apoio a Sistemas Operativos, o Centro de Análises de Sistemas Navais e a Escola de Guerra Naval.

 

Em 31 de março de 2010 foi promovido ao posto de Contra-Almirante, em 31 de março de 2014 ao posto de Vice-Almirante e em 25 de novembro de 2018 ao posto de Almirante de Esquadra.

 

No Ministério da Defesa, atuou por mais de dois anos e meio como Assessor Especial Militar do Ministro, tendo servido aos Ministros Celso Amorim, Jaques Wagner, Aldo Rebelo e Raul Jungmann. Antes de assumir o desafiante cargo de Secretário-Geral do Ministério da Defesa em janeiro de 2019, comandou o 2º Distrito Naval por dois anos, distinguindo-se como um dos melhores comandantes que essa importante unidade militar já teve, sendo agraciado pela hospitaleira sociedade baiana com: a Comenda 2 de Julho (a maior honraria da Assembleia Legislativa da Bahia), a Medalha Thomé de Souza (Câmara Municipal de Salvador), a Medalha do Mérito Policial-Militar do Estado da Bahia, a Medalha do Mérito Policial Civil do Estado da Bahia, a Medalha Especial de Mérito da Magistratura da Bahia – TJBA 410 anos, a Medalha Ordem do Mérito Judiciário do Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (TRT 5) – Comenda Ministro Coqueijo Costa, Ordem do Mérito Maçônico 2 de Julho (a maior honraria da Grande Loja Maçônica do Estado da Bahia (GLEB)), Comenda da Cidadania Desembargador Jatahy Fonseca, do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE/BA) e a Medalha Devocional do Senhor Bom Jesus do Bonfim; além dos títulos de cidadão soteropolitano e cidadão baiano, que muito o lisonjeiam.

 

Por ocasião da outorga da Medalha Thomé de Souza que lhe foi outorgada pela Câmara Municipal de Salvador, como seu amigo fraterno, escrevi que o homenageado era marinheiro por amor e convicção, tendo escolhido a vida militar por considerar as Forças Armadas do Brasil as instituições mais democráticas e meritocráticas do país.

 

É coautor de dois livros na área de gestão de logística e da cadeia de suprimentos. Atuou como palestrante convidado de logística e gerenciamento de projetos, por mais de doze anos, nos programas de graduação e de pós-graduação da Fundação Getúlio Vargas. Marido da Dra. Selma, pai de Almir Junior e filho de Wilson Santos (in memorian) e de Sulayr Garnier.

 

O Almirante de Esquadra Almir Garnier possui mais de 950 dias de mar, tendo sido condecorado com a Medalha Mérito Marinheiro (duas âncoras). Possui ainda vários prêmios e condecorações, incluindo-se a Medalha Ordem do Mérito da Defesa (Grã-Cruz); a Medalha Ordem do Mérito Naval (Grã -Cruz); a Medalha Ordem do Mérito Militar (Grande-Oficial); a Medalha Ordem do Mérito Aeronáutico (Grande-Oficial); Medalha Ordem de Rio Branco (Grã -Cruz); a Medalha Mérito Judiciário Militar; a Medalha Militar e Passador de Ouro; a Medalha Mérito Tamandaré; e Medalhas-Prêmio Conde de Anadia, Almirante Marques de Leão e Escola de Guerra Naval, por suas primeiras colocações na Escola Naval, no Curso de Aperfeiçoamento em Eletrônica e no Curso de Estado Maior, entre outras Medalhas-Prêmios concedidas por Marinhas amigas.

 

Em reconhecimento a este experiente marinheiro por uma vida de entrega e amor à nossa querida Marinha, vida essa marcada por retidão de caráter e invejável honestidade de propósitos, foi indicado pelo Ministro da Defesa, General Walter Braga Netto, para comandar a Marinha do Brasil. A indicação foi aprovada pelo presidente Jair Bolsonaro e aplaudida pelos seus colegas de farda, pelos baianos e por todo o Brasil, pois estamos todos de parabéns pelo nosso querido baiano adotivo na chefia da Marinha do Brasil, sabendo que a Marinha, sob o seu comando, combaterá com vigor ao coronavírus no Brasil, protegerá nossas riquezas e cuidará da nossa gente, bem como dos “verdes mares do nosso Brasil”.

 

*Baltazar Miranda Saraiva, desembargador do Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA), vice-presidente da Comissão Permanente de Segurança do TJBA, membro do Conselho da Magistratura do TJ-BA, da Associação Bahiana de Imprensa (ABI), da Sociedade Amigos da Marinha (SOAMAR), Membro substituto do TRE/BA, Classe dos desembargadores, mediante eleição, por voto secreto, além de vice-presidente Social, Cultural e Esportivo da Associação Nacional dos Magistrados Estaduais (ANAMAGES)

 

*Os artigos reproduzidos neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do Bahia Notícias

Histórico de Conteúdo