Quinta, 29 de Agosto de 2019 - 10:10

A lei do Uber

por Davidson Botelho

A lei do Uber
Foto: Acervo pessoal

A maneira de enxergar o mundo na ótica da grande maioria dos políticos vai em direção contrária a tudo que vem sendo praticado no mundo. O nosso tropicalismo tem outro nome: Limitação conveniente. Essa semana assistimos um belo exemplar de mais um ato teatral dos nossos representantes na Câmara de Vereadores de Salvador.

 

A chamada Lei do Uber, depois mais de um ano e inúmeros debates e emendas, acabou indo a plenário para votação. Assistimos mais um ato de interesses políticos sobrepondo os interesses da sociedade com elevados índices ditatoriais conflitando inclusive com as práticas da própria prefeitura, segregando através de cláusulas não mais admissíveis nesse momento político do país.

 

A lambança começou ao decidirem por uma votação não nominal, decretando assim uma total falta de transparência dos nossos representantes.

 

Obrigar as empresas de aplicativo a aceitarem taxistas é no mínimo autoritário e sacia o direito das empresas em estabelecerem suas diretrizes e padrões de serviço.

 

Obrigar os motoristas emplacarem seus veículos em Salvador vai de encontro a tudo que é razoável, impedindo a liberdade econômica, o livre comércio, vai de encontro inclusive as práticas da própria prefeitura que tem contratos com locadoras de outros estados.

 

Todas essas manobras conhecidas como “jabotis” tem como único propósito criar dificuldades e aumentar o custo operacional dos aplicativos e assim proteger os taxistas, isso mesmo, proteger os taxistas.

 

Nossos vereadores abriram mão da sociedade em favor de uma classe. Temo que nossos representantes aguçados pela miopia política e famintos por votos, criem no futuro leis para proibir os boletos eletrônicos e exigiam os físicos para proteger os carteiros, proíbam as digitalizações para proteger a indústria de papel, proíbam o e-commerce para preservar os lojistas.

 

Alguém precisa dizer a eles que o mundo mudou, as decisões de consumo passam por pequenos aparelhos e grandes tecnologias.

 

* Davidson Botelho é empresário

 

*Os artigos reproduzidos neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do Bahia Notícias

Histórico de Conteúdo