Entrevistas

‘Tem que ter D.R. sobre sexo’, diz especialista sobre problemas entre homens e mulheres

Com uma especialidade de nome particular, a uroginecologista e sexóloga Paula Milena trata mulheres e homens com problemas sexuais. A vocação para a tarefa, segundo ela, foi descoberta aos poucos, como uma preparação que começou na fisioterapia, desvelou na Fisoterapia Uroniginecológica e alcançou o clímax na Sexologia. Em entrevista ao Bahia Notícias, a feirense Paula contou como trata os pacientes no consultório e revelou os principais problemas que levam as pessoas a procurá-la. A dificuldade em se soltar, principalmente em pacientes do sexo feminino, fez a especialista adotar uma espécie de “terapia de choque” que, segundo ela, dá resultados em curto prazo. Na conversa bem-humorada, Paula também descreveu como baianos e baianas costumam se comportar na cama. A especialista também falou da influência que a religiosidade tem no sexo, disse como trata homens com disfunção sexual (só com exercícios) e afirmou que falta discussão sobre sexo nos relacionamentos. ‘Tem que ter D.R. sobre sexo’, declara.

Veja mais

Segunda, 26 de Agosto de 2013 - 08:10

Posto de Saúde do Pau Miúdo sofre com sobrecarga de pacientes

O 16° Centro de Saúde, no bairro do Pau Miúdo, em Salvador, tem sofrido com a sobrecarga de pacientes nos últimos dias devido às obras de requalificação do Hospital Ernesto Simões, no mesmo bairro. Os trabalhos de construção tiveram início na última quinta-feira (22) e desde então, o Ernesto Simões tem funcionado em contêineres provisórios. Matéria do Correio diz que no posto, a espera para atendimento dura em média três horas, com o maior problema para pessoas com sintomas de tuberculose, que devem ficar isolados de três a quatro dias, o que vai de encontro a estrutura do posto. “O 16º é unidade de emergência, e as pessoas só devem ficar 24 horas. Quando não encontramos vagas, temos que manter o paciente”, afirmou a diretora de Assistência da Secretaria Municipal de Saúde, Luciana Peixoto, que informou que antes de começar a reforma se reuniu com o diretor do Hospital Ernesto Simões Filho e com o secretário estadual de Saúde, Jorge Solla. Segundo ela, foi informada que durante as obras do Ernesto Simões, uma enfermeira, três técnicos de enfermagem e um médico seriam disponibilizados para atender a nova demanda do 16º Centro, mas os profissionais não começaram a trabalhar.

Comentar

   

Histórico de Conteudo