Entrevistas

‘Não há como ter certeza absoluta’, diz presidente do MSF-BR sobre entrada do ebola no Brasil

A maior epidemia de ebola de todos os tempos tem devastado a Guiné, Libéria e Serra Leoa, e vitimou mais de 4,5 mil, segundo os últimos relatos da Organização Mundial da Saúde (OMS). Para o presidente do escritório brasileiro da organização internacional Médicos sem Fronteiras (MSF), Mauro Nunes, a situação desses países se tornou ainda mais caótica pelo colapso dos sistemas de saúde locais. “Por causa do ebola, as unidades de saúde estão fechando na África e os profissionais estão ficando com medo”, disse Nunes em entrevista ao Bahia Notícias. Na conversa pelo telefone, Nunes, que é carioca com mãe adotiva baiana, detalhou como é feito o trabalho de profissionais do MSF contra o ebola (“não é para amadores”), opinou sobre a falta de espírito público de carreiras de saúde (“não é só formar o medico ou o enfermeiro, mas é preparar as pessoas”), e disse que apesar de o Brasil ter sido bem-sucedido no caso da suspeita (rechaçada) de ebola do guineano, afirmou que “não há como ter certeza absoluta” se o país vai poder controlar o vírus caso ele chegue ao território brasileiro.

Veja mais

Diagnóstico do Leitor

Hospital da Bahia aumenta capacidade de atendimento

Parabéns Dr. Marcelo Zollinger por mais esse SUCESSO!!!

31/10/2014 - 09:12

Jorge Fernandes

Homem que faz sexo com mais de 20 parceiras tem menos risco de câncer de próstata, diz estudo

É incrível como tentam destruir o papel da família.

30/10/2014 - 15:18

Daiane

Veja mais

Segunda, 26 de Agosto de 2013 - 08:10

Posto de Saúde do Pau Miúdo sofre com sobrecarga de pacientes

O 16° Centro de Saúde, no bairro do Pau Miúdo, em Salvador, tem sofrido com a sobrecarga de pacientes nos últimos dias devido às obras de requalificação do Hospital Ernesto Simões, no mesmo bairro. Os trabalhos de construção tiveram início na última quinta-feira (22) e desde então, o Ernesto Simões tem funcionado em contêineres provisórios. Matéria do Correio diz que no posto, a espera para atendimento dura em média três horas, com o maior problema para pessoas com sintomas de tuberculose, que devem ficar isolados de três a quatro dias, o que vai de encontro a estrutura do posto. “O 16º é unidade de emergência, e as pessoas só devem ficar 24 horas. Quando não encontramos vagas, temos que manter o paciente”, afirmou a diretora de Assistência da Secretaria Municipal de Saúde, Luciana Peixoto, que informou que antes de começar a reforma se reuniu com o diretor do Hospital Ernesto Simões Filho e com o secretário estadual de Saúde, Jorge Solla. Segundo ela, foi informada que durante as obras do Ernesto Simões, uma enfermeira, três técnicos de enfermagem e um médico seriam disponibilizados para atender a nova demanda do 16º Centro, mas os profissionais não começaram a trabalhar.

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Novembro / 2014

Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Artigos

Daniel Xavier Lima
Alerta Masculino: Campanha Novembro Azul

O mês de novembro tem sido um período de alerta para o câncer de próstata em todo o mundo, com campanhas de conscientização apoiadas e propagadas por instituições médicas, marcas de produtos esportivos e até cervejarias. A cor escolhida para a fita de alerta contra o câncer de próstata é o azul claro, assim como o branco que se refere ao câncer de pulmão, o amarelo ao osteossarcoma (tumor maligno nos ossos), o rosa ao câncer de mama, dentre outros.

Veja mais