Quinta, 10 de Abril de 2014 - 09:30

Coluna A Tarde: A crise e uma dose de gim

por Samuel Celestino

Coluna A Tarde: A crise e uma dose de gim
Em suas reflexões, que envolvem consultas aos amigos e a políticos a ele próximos, o ex-ministro Geddel Vieira Lima vai montando o seu quebra-cabeça para decidir que decisão toma em relação à chapa da oposição ao governo baiano e ao Senado Federal. Avança nas suas meditações e não está fora de cogitação que ele venha aceitar a candidatura ao Senado, de modo a fortalecer, na dobradinha, a candidatura de Paulo Souto ao governo. Por ora, não há uma decisão concreta a respeito desta possibilidade, mas é fato que ela existe.

Ele medita, ainda, sobre o papel que lhe cabe no processo, e não pretende que, mais adiante, na possibilidade de uma derrota, seja ele apontado como um dos responsáveis pelos acontecimentos futuros, até porque entende que, mais de uma vez, lhe foi prometido, com palavra empenhada e, de repente, houve mudanças, quebra do compromisso que o assustaram. Ademais, o presidente do PMDB, neste período, contratou pesquisas para suas reflexões pessoais, exclusivamente pessoais, e os resultados encontrados foram positivos.

Ele se dá tempo para a conclusão do que está a refletir, mas não está distanciado de uma resposta, porque também não é do seu propósito protelar definições que estão, a partir de acordos, enfeixadas nas mãos do prefeito ACM Neto, a quem cabe dar conhecimento público sobre o resultado das consultas, quaisquer que sejam elas. Crê que não está muito distante, mas quer concluir e fechar o que reflete, envolvendo também as suas consultas, para que não restem problemas ou dúvidas. O ex-ministro está tranquilo, assim se diz, apenas reúne informações indispensáveis à sua tomada de decisões. Não quer errar nem agir com emoções.

Histórico de Conteúdo