Quinta, 10 de Novembro de 2011 - 12:08

Um zíper para travar o boca de sapo

por Samuel Celestino

Um zíper para travar o boca de sapo
Muito ridícula a postura do ministro Carlos Lupi, do Trabalho, na manhã desta quinta-feira (10), em depoimento (que pediu para fazer) na Câmara dos Deputados. Boquirroto, desperdiça palavras na medida em que sua larga boca de sapo permite. De repente, descobre que as usou não em sua defesa, mas para agredir a imprensa e quem mais apareça, inclusive a presidente Dilma Rousseff. Em uma demonstração deste retrato exposto acima, Lupi abriu os braços, na Comissão da Câmara, e saiu pedindo desculpas. Foi ao extremo ridículo ao concluir dizendo “presidente Dilma, eu não quis agredir. Desculpa”. Ora, quem diz que não sai do cargo e não tem quem possa derrubá-lo nem se for abatido a tiros e, depois, atropela mais uma vez a presidente para assegurar que não sairá nem na reforma ministerial prevista para o início do ano, o ministro do Trabalho (que se declarou um “bola sete, a que ganha o jogo”), perdeu a noção da postura ministerial. E do significado das palavras. Ele até pode ficar no cargo, como diz, mas é certo que este sapo a presidente não digere. Assim posto, antes que chegue ao brejo, o que provavelmente acontecerá, o melhor que o ministro faz é se defender das acusações de supostas corrupções com parcimônia e fechar com um zíper a sua larga boca de sapo.

Histórico de Conteúdo