Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Não gosto de fazer previsões, mas essa eu arrisco: o secretário mais afiado e que fala a mesma língua do governador é, com certeza, Pelegrino. Juntos vão discutir muito sobre a Plaça Castro Alves, Peloulinho e Lecôncavo Baiano. Aliás, falando em língua, tem gente que fala demais. Disseram que o Soberano andava preocupado com a montagem do governo de Rui Costa, por ele ser técnico. Neto achava que poderia ter problemas para 2016 e depois em 2018. Quando tomou conhecimento das indicações, o Soberano era só alegria. Não deixe de ler as Curtas do poder!

Veja mais

Pérola do dia

Carlos Cruz

 “Sei que a situação está ruim, mas essa foi a única solução que encontrei."

Secretário de Infraestrutura de Belmonte, sobre operação que tapou buracos de BA-001 com argila e cascalho.

Veja mais

Entrevistas

Manoel Vitório

Homem da confiança do governador eleito Rui Costa, Manoel Vitório foi o responsável pela equipe de transição entre o atual governo Wagner e a futura gestão de Rui. Vitório começou no governo Wagner na pasta de Administração em 2007 e desde 2013 assumiu a secretaria da Fazenda, cargo no qual será mantido pelo futuro governador. Em entrevista ao Bahia Notícias, o secretário disse que, apesar de Wagner entregar para Rui o governo “até uma situação um pouco mais confortável” que outros estados brasileiros e prometer manter obras importantes, haverá “cinto apertado”. “Vai ter ter cinto apertado sim. E vamos apertar principalmente nas atividades-meio. Vamos trabalhar muito em cima de alguns pilares como as oportunidades de crescimento de arrecadação, principalmente através do combate à sonegação”. Convocado a dizer quais as diferenças entre Wagner e Rui, o secretário disse que o atual governador “é uma das pessoas mais brilhantes que conheci, tem uma inteligência fantástica”. Já o sobre o futuro gestor baiano, Vitório classificou Rui como “um homem extremamente inteligente, tem um traço muito técnico”. Clique aqui e leia a entrevista completa.

Veja mais

Multimidia

Posse do presidente do Bahia Marcelo Sant'Ana

Veja mais

Segunda, 04 de Abril de 2011 - 13:12

Lobato: 4 mortes em menos de 12 horas

O bairro do Lobato, no Subúrbio Ferroviário de Salvador, registrou entre a 0h e o meio-dia desta segunda-feira (4), quatro assassinatos por arma de fogo em momentos diferentes. O último homicídio ocorreu por volta das 11h. A vítima foi identificada como Vanderson Santana do Amor Divino, que teve o corpo encaminhado para o Hospital João Batista Carybé. Por volta das 4h30, Adailson Silva dos Santos, de 16 anos, foi morto a tiros em via pública. Já Diego de Souza Valverde, de 23 anos, foi executado na localidade de Boa Vista, por volta das 1h30. Outra execução foi registrada no mesmo horário na localidade de São Bartolomeu. A vítima, identificada como Givanildo Santos Santana, tinha 23, e foi o único que não foi levado para o Hospital João Batista Carybé, em Coutos. Os crimes serão investigados pela Delegacia de Homicídios (DH), que ainda não fornece informações sobre os casos. Informações do Correio.


Comentar

   

Notícias Relacionadas

Histórico de Conteudo

Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

Ano novo, energias novas. O que esperar de 2015?

Artigos

Alex Lopes
Bom jogo democrático

O ano de 2014 entra para a nossa história como o ano que aconteceu. E de fato, de tudo um pouco ou muito aconteceu e ainda está acontecendo. A melhor prova disto está na tensão pós-eleitoral evidenciada nos debates que ocorre nas redes sociais.

Veja mais

Viagem no tempo

Samuel Celestino, anos atrás
Publicada no Jornal 'A Tarde' em 05 de março de 1985: A Bahia no ministério

Depois de longos anos de participação discreta nos governos revolucionários, a Bahia retoma o seu prestígio político no cenário nacional se efetivamente for confirmada a destinação de três ministérios para políticos baianos, como tudo parece indicar. Há, ainda, algumas dúvidas sobre a formação do primeiro escalão do futuro governo e, dentre elas, informava-se ontem que não estava tão certa a presença de Fernando Lyra no gabinete da Casa Civil e que Waldir Pires permanecia entre a Previdência Social e o Ministério da Justiça.

Veja mais