Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Juro que não quero falar de Gabrielli. Não nada pra falar mesmo. O que vale mesmo é saber como é que o propagandista de Doutô Otto vai resolver essa história de contradizer os padrinhos de campanha dele. Veja que o 'companheiro' Otto aparece como resolvedor do problema do ferry. E os barcos chegaram da Grécia e foram direto para a revisão. Como é que viajou o Atlântico sem revisar? Ou teve que ir pra compensar os marinheiros escalifando de março a agosto no mar? Não vou nem entrar nos boatos de parentesco que andam dizendo por aí. Vou é passar um Machado nessas relações, só preciso saber se vai ter resposta ou não para as minhas perguntas. Enquanto elas não chegam, não deixe de ler as Curtas do poder!

Veja mais

Pérola do dia

Carlos Gaban

“Isso é conversa pra boi dormir. Ele [Zé Neto] não me ligou. Acredito que o relatório não está pronto.”

Carlos Gaban (DEM), vice-líder da oposição na Assembleia Legislativa, sobre a negociação com o governo para votar as leis de organização básica (LOBs) da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros.

Veja mais

Entrevistas

Da Luz

Foco na gestão pública. Esse é o principal lema do discurso do candidato ao governo do estado pelo PRTB, Rogério Tadeu da Luz. Em entrevista ao Bahia Notícias, Da Luz afirmou que todos os problemas do estado estão ligados a gestão e a valorização do funcionário público: “A gestão faz com que falte o recurso humano. Porque se gasta muito dinheiro alocado em áreas onde não tem a atividade final para a população... O servidor e os serviços públicos realmente precisam ser encarados como prioridade, para que eles possam prestar um bom serviço para a população, que é quem paga essa conta com os impostos”. Entre as propostas de Da Luz estão a criação do cartão saúde da família, que terá convênios com hospitais particulares para emergências, educação em período integral e o fim de secretarias como a Casa Civil e Relações Institucionais. “São dois grandes exemplos de secretarias que nada fazem para a população. Durante o governo PT na Bahia serão gastos nelas quase R$ 1,5 bilhão. Daria para construir 28 ‘Hospitais do Subúrbio”. Por fim, Da Luz diz estar preparado para assumir o cargo e pede uma chance para algo diferente no cenário político baiano.”Quero dizer ao povo da Bahia que eu não sou um sonhador, eu sou um lutador. A cada eleição eu venho me preparando para poder assumir esse estado, fazer uma gestão técnica, e resolver esses problemas que há 40 anos não se resolvem. Eles prometem, mas não cumprem. Me dê oportunidade que cumprirei”. Leia a entrevista completa.

Veja mais

Multimidia

Veja os gols de Vitória 1 X 2 Flamengo

Veja mais

Quinta, 14 de Outubro de 2010 - 22:14

CAIXA ECONÔMICA VOLTA A FUNCIONAR NESTA SEXTA

Depois de 16 dias de greve, em assembleia na noite desta quinta-feira (14) no Ginásio de Esportes, nos Aflitos, os bancários da Caixa Econômica Federal decidiram aceitar a proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) e encerraram a greve, um dia depois dos colegas de categoria terem voltado às atividades. A partir desta sexta-feira, as agências da Caixa em toda a Bahia voltam a funcionar normalmente, segundo o sindicato dos bancários. Os bancos privados, o Banco do Brasil e o Bando do Nordeste já abriram as portas nesta quinta. Depois de 15 dias de greve, os clientes enfrentaram muitas filas nas agências. Inicialmente, os bancários pediam, entre outros benefícios, aumento de 11%. A proposta da Fenaban é de 7,5% de aumento para quem ganha até R$ 5.250. Quem recebe acima deste valor, poderá receber aumento de 4,19% ou de R$ 393,7, o que for mais vantajoso. A proposta da Caixa é similar, mas sem o teto de R$ 5.250. Esta foi a maior greve organizada pelos bancários nos últimos 20 anos, com pelo menos 8,3 mil agências paralisadas em todo o país.


Comentar

   

Histórico de Conteudo

Setembro / 2014

Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930
Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

A delação premiada do ex-diretor da Petrobras pode respingar nas eleições 2014?