Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Enquanto Geddel diz que o PT quer chupar o PMDB, estou achando que o PMDB é quem vai chupar nessa história. E, em pleno Carnaval, fiquei sabendo que a presidente Dilma Rousseff almoçou no apartamento do Galego Wagner, que tá com cada vez mais moral no governo federal. Outro cheio de moral é Fábio Mota, que está se saindo melhor que a encomenda na prefeitura. Ainda teve ex-prefeito brigando com ex-secretário e vereador interessado em uma boa cervejinha. Quer ver mais? Clique aqui e confira as Curtas e Venenosas da semana!

Veja mais

Pérola do dia

Antônio Olívio

"Não dá para fazer oposição à prefeitura e ao governo do Estado."

Presidente estadual do PSL, ao justificar a adesão ao governo de ACM Neto (DEM) em Salvador.

Veja mais

Comentários

?Nós vamos ter uma recessão, não tenha a menor dúvida disso?, prevê Otto Alencar

Tudo isto pela incompetência deste desgoverno. Destruíram o Brasil. Fora PT.

02/03/2015 - 19:54

Luiz Hermano

Veja mais

Entrevistas

Anselmo Brandão

Defensor de uma polícia mais próxima da sociedade, o comandante-geral da Polícia Millitar da Bahia (PM-BA), coronel Anselmo Brandão, quer que o policial não perca “a ternura”, citando a célebre frase de Che Guevara. “Não é o fato de você estar portando uma farda que vai deixar que você seja humano ou desumano”, afirmou o coronel, em entrevista ao Bahia Notícias. Segundo ele, a morte de 12 pessoas no Cabula, o deixou entristecido, porém as informações disponíveis confirmam a versão do enfrentamento apresentada por ele e pelo governador Rui Costa. Sobre o caso do Cabula, Brandão avaliou que “todo mundo dá uma de policiólogo”, porém naturalizou a repercussão do caso. Para ele, é importante “uma polícia que saiba diferenciar o traficante do dependente químico”.

Veja mais

Multimidia

Veja os gols de Vitória 1x1 Bahia

Veja mais

Quinta, 06 de Maio de 2010 - 09:01

GREVE DA CONSTRUÇÃO CIVIL CHEGA AO FIM


Wagner pretendia entregar a Via Expressa no dia 2 de julho, mas obras ficaram 20 dias paradas

O Sindicato da Construção Pesada na Bahia (Sintepav) fechou um acordo com os empresários e pôs fim à greve que durou 20 dias e paralisou 30 mil trabalhadores, 73 empresas e mais de 150 obras em todo o Estado, dentre elas a Via Portuária Expressa, o Emissário Submarino da Boca do Rio e o metrô de Salvador. Os trabalhadores conseguiram um aumento salarial de 11%, horas-extra pagas no valor de 100% acima do piso normal e o recebimento de R$100 mensais para auxílio da cesta básica. Eles voltaram aos canteiros de trabalho na tarde desta quarta-feira (5). “Esse foi um dos melhores resultados obtidos em negociações trabalhistas no Brasil. O Rio de Janeiro conseguiu apenas 7%, enquanto os sindicatos de São Paulo, Camaçari e Salvador, 8%. Além disso, o Sintepav reconheceu apenas os 14 dias úteis da greve: 7 dias foram abonados pelos patrões e os outros sete serão pagos pelos operários em três sábados”, explicou Adalberto Galvão, presidente do Sintepav. Adalberto explicou que a duração da greve foi resultado da postura “intransigente” das empresas que queriam oferecer apenas 7% à categoria, que reivindicava 12%. Com o novo salário, os trabalhadores vão passar a ganhar entre R$1.000 e R$3.000. Informações da Tribuna.


Comentar

   

Notícias Relacionadas

Histórico de Conteudo

Março / 2015

Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031
Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

Qual o ponto mais relevante da reforma política?

Artigos

Pastor Sargento Isidório
O sistema militar de ensino, ilhas de excelências na educação pública brasileira

Um dos grandes entraves do desenvolvimento sustentável do Brasil atende pelo nome de educação. Apesar dos governos afirmarem que a cada ano há mais recursos para a referida pasta, a sensação que nos invade é que nossas crianças e jovens estão saindo dos bancos escolares cada vez menos preparados.

Veja mais

Viagem no tempo

Samuel Celestino, anos atrás
Publicada no Jornal 'A Tarde' em 02 de março de 2005: Ironia ou sabedoria

Enquanto o País, atônito, perplexo e indignado, acompanha as estripulias do presidente da Câmara, Severino Cavalcanti, com a sua indecente proposta de aumentar em 67% os salários dos deputados, passando-os de pouco mais de R$ 12 mil para R$ 21,5 mil, além da verba do gabinete que sairia de R$ 35 mil para R$ 45 mil, o presidente Lula aparece em cena e propõe 0,1% de aumento para os servidores da União.

Veja mais