Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do Poder

As bolsas distribuídas por Marcelo Nilo são mais caras que as legítimas Louis Vuitton. É Eduardo Cunha dando passagem para as dondocas e Marcelo as bolsas. Muitos gabinetes dos poderosos têm aplicado à risca o ensinamento do filósofo Kannário em momento de meditação profunda no vaso sanitário: “Tudo no$$o, nada deles”. Clique aqui e não deixe de ler as Curtas e venenosas do poder!

Veja mais

Pérola do dia

Mário Negromonte

"O TCM não precisa dos conselhos do Deputado José Carlos Aleluia."

Conselheiro do tribunal ao responder ao deputado que classificou a permanência dele na Corte como 'insustentável'.

Veja mais

Comentários

Jaques Wagner é chamado para depor como testemunha da Operação Lava Jato

O cargo que Wagner ocupa no governo faz jus ministro da defesa.

05/03/2015 - 21:08

Lázaro Oliveira

Veja mais

Entrevistas

Anselmo Brandão

Defensor de uma polícia mais próxima da sociedade, o comandante-geral da Polícia Millitar da Bahia (PM-BA), coronel Anselmo Brandão, quer que o policial não perca “a ternura”, citando a célebre frase de Che Guevara. “Não é o fato de você estar portando uma farda que vai deixar que você seja humano ou desumano”, afirmou o coronel, em entrevista ao Bahia Notícias. Segundo ele, a morte de 12 pessoas no Cabula, o deixou entristecido, porém as informações disponíveis confirmam a versão do enfrentamento apresentada por ele e pelo governador Rui Costa. Sobre o caso do Cabula, Brandão avaliou que “todo mundo dá uma de policiólogo”, porém naturalizou a repercussão do caso. Para ele, é importante “uma polícia que saiba diferenciar o traficante do dependente químico”.

Veja mais

Multimidia

Veja os gols de Vitória 1x1 Bahia

Veja mais

Segunda, 23 de Março de 2009 - 10:14

PMDB TEM PESQUISAS COM CENÁRIOS DIFERENTES


Geddel diz que pesquisa o deixou "extremamente satisfeito"

O ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima (PMDB), disse que ficou extremamente satisfeito com o resultado da pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira. "Como um instrumento de curiosidade é um dado interessante. Vejo meu nome colocado numa relação em que tem o governador, ex-governadores e um recente candidato nas eleições municipais em Salvador, e, como instrumento de curiosidade, estou extremamente satisfeito", declarou o ministro ao Bahia Notícias. Questionado se a pesquisa bate com os levantamentos feitos internamente pelo PMDB, Geddel afirmou que não porque os cenários montados pelo Datafolha são considerados impossíveis de acontecer. "Pesquisas internas de institutos importantíssimos do Brasil me deixam muito mais feliz do que essa (do Datafolha)", se limitou a dizer o peemedebista. Embora o ministro não forneça detalhes, as pesquisas feitas pelo PMDB trabalham com três cenários. O primeiro com o governador Jaques Wagner contra o ministro Geddel, que teria o apoio do DEM; o segundo tendo Wagner, com o apoio do ministro, contra o ex-governador Paulo Souto; e o terceiro, considera o mais remoto, tendo os três como postulantes ao Palácio de Ondina. Wagner aparece na frente nos três cenários, o que é visto com normalidade pelos peemedebistas, já que o petista é o atual governador e o ministro ainda não definiu se será candidato.

(Alexandre Costa)


Comentar

   

Histórico de Conteudo

Março / 2015

Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031
Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

Qual o ponto mais relevante da reforma política?

Artigos

Adilson Fonsêca
Efeito colateral

Há alguns dias um comentário do articulista Kennedy Alencar, dava conta que como consequência dos respingos provocados pela Operação Lava Jato, dezenas de empresas que, de alguma forma, têm ou tinham ligação com a Petrobras enfrentam dificuldades e podem demitir até 100 mil funcionários nos próximos meses.

Veja mais

Viagem no tempo

Samuel Celestino, anos atrás
Publicada no Jornal 'A Tarde' em 02 de março de 2005: Ironia ou sabedoria

Enquanto o País, atônito, perplexo e indignado, acompanha as estripulias do presidente da Câmara, Severino Cavalcanti, com a sua indecente proposta de aumentar em 67% os salários dos deputados, passando-os de pouco mais de R$ 12 mil para R$ 21,5 mil, além da verba do gabinete que sairia de R$ 35 mil para R$ 45 mil, o presidente Lula aparece em cena e propõe 0,1% de aumento para os servidores da União.

Veja mais