Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Não tenho nada contra quem se dá bem na vida e prospera. Até admiro o caso do ex-soldado Prisco, que foi exonerado da polícia baiana, mas ganha um salário gordo na Câmara Municipal de Salvador. Até aí tudo bem, não fosse a grande diferença entre o discurso e a prática no finalzinho da greve da PM. Prisco, rouco e visivelmente cansado, anunciou no seu poderoso microfone que o fim da paralisação seria comemorado com churrasco e arrocha. Aí vocês me perguntam: em que local o sujeito foi preso pela Polícia Federal? No luxuoso complexo hoteleiro de Costa do Sauípe. Nada contra ele ter grana para ostentar no Litoral Norte, mas que soa estranho, soa. E falando em Prisco, soube que o Soberano (ACM, o Neto) tá retado com o Galego (Jaques Wagner). Se sentiu usado para fazer o ex-soldado evitar a greve e, depois, a cessar com o movimento. Detalhe: Neto não sabia do mandado de prisão omitido por Wagner em seus cordiais diálogos. Por enquanto, estão levando tudo em banho maria. Não deixe de ler essas e outras notícias dos bastidores políticos nas Curtas do Poder!

Veja mais

Pérola do dia

Otto Alencar

"Como médico, avalio que a declaração de Geddel manifesta complexo de superioridade e falta de humildade. [...] Vou seguir trilhando meu caminho com as sandálias da humildade, serenidade e firmeza."

Vice-governador da Bahia e pré-candidato ao Senado pelo PSD, ao diagnosticar o adversário Geddel Vieira Lima (PMDB), que se baseia em "números" e seu "sentimento" para determinar que sua oponente mais perigosa é a ex-ministra do Superior Tribunal de Justiça, Eliana Calmon (PSB).

Veja mais

Entrevistas

Geddel Vieira Lima

Ser no senado a voz da Bahia no Brasil. É com esse discurso que Geddel Vieira Lima (PMDB) apresenta-se como candidato a uma vaga como senador da República. "Acho que esse talvez seja o meu grande diferencial em relação aos outros candidatos. Não preciso aprender a caminhar no congresso nacional. Eu já vou chegar trabalhando pelo estado", disse o ex-ministro Ministro da Integração Nacional em entrevista ao Bahia Notícias. O pemedebista afirma que chegou a ser "claramente sinalizado' que seria o candidato ao governo do estado, mas que a sua candidatura acabou 'ficando inviável', o que resultou na confirmação de Paulo Souto (DEM) como nome da oposição para ser o adversário de Rui Costa (PT) na disputa da sucessão ao Palácio de Ondina. Geddel declarou que se considera favorito em relação aos seus adversários por uma vaga no senado e que, ao contrário do que poderia se imaginar, considera a ministra Eliana Calmon (PSB) uma adversária mais forte que o vice-governador Otto Alencar (PSD). "Digo com muita simplicidade que eu não vejo nada de bicho-papão na candidatura dele (Otto Alencar). A última eleição que ele disputou foi em 1998, o resto foi como candidato a vice-governador. Tenho apreço por ele, mas acho que, sinceramente, o meu adversário é a ministra Eliana Calmon".

Veja mais

Multimidia

Veja os melhores momentos de Bahia 1x2 Cruzeiro

Veja mais

Segunda, 23 de Março de 2009 - 10:14

PMDB TEM PESQUISAS COM CENÁRIOS DIFERENTES


Geddel diz que pesquisa o deixou "extremamente satisfeito"

O ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima (PMDB), disse que ficou extremamente satisfeito com o resultado da pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira. "Como um instrumento de curiosidade é um dado interessante. Vejo meu nome colocado numa relação em que tem o governador, ex-governadores e um recente candidato nas eleições municipais em Salvador, e, como instrumento de curiosidade, estou extremamente satisfeito", declarou o ministro ao Bahia Notícias. Questionado se a pesquisa bate com os levantamentos feitos internamente pelo PMDB, Geddel afirmou que não porque os cenários montados pelo Datafolha são considerados impossíveis de acontecer. "Pesquisas internas de institutos importantíssimos do Brasil me deixam muito mais feliz do que essa (do Datafolha)", se limitou a dizer o peemedebista. Embora o ministro não forneça detalhes, as pesquisas feitas pelo PMDB trabalham com três cenários. O primeiro com o governador Jaques Wagner contra o ministro Geddel, que teria o apoio do DEM; o segundo tendo Wagner, com o apoio do ministro, contra o ex-governador Paulo Souto; e o terceiro, considera o mais remoto, tendo os três como postulantes ao Palácio de Ondina. Wagner aparece na frente nos três cenários, o que é visto com normalidade pelos peemedebistas, já que o petista é o atual governador e o ministro ainda não definiu se será candidato.

(Alexandre Costa)


Comentar

   

Histórico de Conteudo

Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

Qual será o saldo eleitoral da greve da PM da Bahia este ano?