Após tragédia de Mar Grande, prefeitura estuda licitação para travessia Ribeira-Plataforma
Foto: Max Haack / Secom PMS

A tragédia com a lancha em Mar Grande, que deixou pelo menos 19 mortos em agosto deste ano, ainda reflete na rotina da capital baiana. Desta vez, na travessia Ribeira x Plataforma, por meio da qual usuários podem transitar entre Subúrbio Ferroviário e Cidade Baixa. A prefeitura deverá lançar até dezembro uma licitação para exploração e prestação do serviço. "Depois da tragédia, a Capitania dos Portos fez vistoria geral, nós fizemos uma inspeção, que fazemos fizemos anualmente, e encontramos uma série de questões que teriam que ser resolvidas. Os operadores disseram que não valia à pena mudar porque as tarifas eram muito baixas. Notificamos, dez dias depois venceu o seguro obrigatório das embarcações e eles não renovaram o seguro. Aí suspendemos a travessia", explicou o secretário de Mobilidade (Semob), Fábio Mota. Um grupo de trabalho foi criado por meio de portaria publicada no Diário Oficial desta quinta-feira (19), no qual deverá ser realizado estudo de impacto que culminará no processo de licitação. Segundo o secretário, a embarcação que prestava o serviço estava há cerca de 15 anos em atuação. "O problema é encontrar atrativo para operar. Não dá lucro, o custo é maior do que a demanda. Por isso a gente está fazendo estudo de impacto. (...) Em cima desse estudo já está adiantado no termo de referência. Tivemos reunião com Capitania dos Portos. Depois de concluído isso, a gente vai lançar o processo licitatório", acrescentou. Por causa da suspensão da travessia, Mota disse que a linha de ônibus Ribeira x Plataforma foi reforçada. De acordo com dados da Semob, cerca de 22 mil pessoas por mês, aproximadamente 700 pessoas por dia, utilizavam o serviço. A travessia funcionava de domingo a domingo, das 6h às 20h, mediante passagem de R$ 1,30.

Histórico de Conteúdo