Número de mortos em incêndio em floresta de Portugal sobe para 62
Uma das vítimas | Foto: Rafael Marchante

O número de pessoas mortas no incêndio florestal em Portugal (veja aqui) subiu para 62. O primeiro-ministro português, Antônio Costa, classificou o incêndio como "a maior tragédia que Portugal já vivenciou em décadas". Costa ainda decretou luto nacional de três dias. Acredita-se que um raio pode ter vindo a provocar o incêndio, que teria sido amplificado por conta de uma "tempestade seca", que ocorre quando a chuva evapora antes de atingir o chão por conta das altas temperaturas. “As dimensões deste fogo causaram uma tragédia humana além de qualquer memória”, disse o primeiro-ministro. Pelo menos 30 pessoas morreram dentro de seus veículos enquanto tentavam fugir, outros 17 morreram fora dos carros ou pela estrada, 11 morreram na floresta e duas morreram em um acidente de carro relacionado ao incêndio. De acordo com informações da Exame, ao todo 59 pessoas estão feridas por conta do fogo, sendo 5 casos graves, incluindo quatro bombeiros e uma criança. A Espanha enviou quatro aeronaves para combater o incêndio, a França disponibilizou três e a Grécia ofereceu suporte. O maior registro de mortes por conta de incêndios florestais registrado no país ocorreu em 1966, quando 25 soldados morreram ao combater o fogo.

Histórico de Conteúdo