Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do Poder

As bolsas distribuídas por Marcelo Nilo são mais caras que as legítimas Louis Vuitton. É Eduardo Cunha dando passagem para as dondocas e Marcelo as bolsas. Muitos gabinetes dos poderosos têm aplicado à risca o ensinamento do filósofo Kannário em momento de meditação profunda no vaso sanitário: “Tudo no$$o, nada deles”. Clique aqui e não deixe de ler as Curtas e venenosas do poder!

Veja mais

Pérola do dia

Henrique Carballal

"Atualmente eu sou do PPN: o Partido do Prefeito Neto."

Vereador expulso do PT ao declarar fidelidade a líder do DEM.

Veja mais

Comentários

Veja mais

Entrevistas

Anselmo Brandão

Defensor de uma polícia mais próxima da sociedade, o comandante-geral da Polícia Millitar da Bahia (PM-BA), coronel Anselmo Brandão, quer que o policial não perca “a ternura”, citando a célebre frase de Che Guevara. “Não é o fato de você estar portando uma farda que vai deixar que você seja humano ou desumano”, afirmou o coronel, em entrevista ao Bahia Notícias. Segundo ele, a morte de 12 pessoas no Cabula, o deixou entristecido, porém as informações disponíveis confirmam a versão do enfrentamento apresentada por ele e pelo governador Rui Costa. Sobre o caso do Cabula, Brandão avaliou que “todo mundo dá uma de policiólogo”, porém naturalizou a repercussão do caso. Para ele, é importante “uma polícia que saiba diferenciar o traficante do dependente químico”.

Veja mais

Multimidia

Veja os gols de Vitória 1x1 Bahia

Veja mais

Terça, 04 de Fevereiro de 2014 - 08:40

Ordenamento do comércio de rua chega ao bairro da Liberdade antes do carnaval, diz Semop

Ordenamento do comércio de rua chega ao bairro da Liberdade antes do carnaval, diz Semop
Foto: Mauro Akin Nassor/Correio
Antes do carnaval, o comércio de rua no bairro da Liberdade, em Salvador, será reorganizado. Segundo a Secretaria Municipal da Ordem Pública (Semop), a previsão é de que, até o dia 20, os trabalhos comecem. Contudo, a ação não será a mesma realizada no centro da cidade. “Diferente da Avenida Sete, na Lima e Silva não temos transversais para alocar o comércio. Vamos, então, pensar em uma rua para o uso coletivo, que permita o comércio, mas que também seja possível ter uma organização para quem quer caminhar na calçada”, afirmou a titular da pasta Rosemma Maluf. No bairro da Liberdade, os equipamentos dos ambulantes serão padronizados e só poderão atuar na área os vendedores licenciados. A Semop contabiliza cerca de 210 ambulantes cadastrados, mas existem muitos que atuam sem licença. De acordo com Carlos Augusto Oliveira, presidente da Associação dos Dirigentes Empresariais da Liberdade (Adiel), alguns trabalhadores aparecem apenas em períodos de festas. Alguns pontos do projeto da prefeitura já têm gerado reclamações e dúvidas entre os moradores. Um deles é a venda de frutas e verduras apenas na Feira do Japão e a concentração da venda de carnes e frutos do mar em um galpão no final da Rua Gonçalo de Coelho. “O galpão precisa passar por reformas. Existe uma lei federal que impede que esses produtos sejam vendidos na rua, ou seja, não vai haver licença nessas condições. Com o galpão, estamos apontando soluções”, conclui Rosemma. As informações são do Correio.

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Março / 2015

Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031
Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

Qual o ponto mais relevante da reforma política?

Artigos

Adilson Fonsêca
Efeito colateral

Há alguns dias um comentário do articulista Kennedy Alencar, dava conta que como consequência dos respingos provocados pela Operação Lava Jato, dezenas de empresas que, de alguma forma, têm ou tinham ligação com a Petrobras enfrentam dificuldades e podem demitir até 100 mil funcionários nos próximos meses.

Veja mais

Viagem no tempo

Samuel Celestino, anos atrás
Publicada no Jornal 'A Tarde' em 02 de março de 2005: Ironia ou sabedoria

Enquanto o País, atônito, perplexo e indignado, acompanha as estripulias do presidente da Câmara, Severino Cavalcanti, com a sua indecente proposta de aumentar em 67% os salários dos deputados, passando-os de pouco mais de R$ 12 mil para R$ 21,5 mil, além da verba do gabinete que sairia de R$ 35 mil para R$ 45 mil, o presidente Lula aparece em cena e propõe 0,1% de aumento para os servidores da União.

Veja mais