Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Lúcio, meu gordo, já vi que vossa excelência é adepto ao bordão: “faça o que eu digo, não faça o que eu faço”. Tá explicado o motivo de o senhor fazer parte da comissão que investiga essa promiscuidade financeira entre empreiteiros e políticos. Digo é nada, viu, gordinho. Falando nisso, não entendo porque Gabrielli não cai fora do governo Wagner. Se ficar, pode comprometer o finalzinho da gestão do Galego, que tem pretensões maiores para os próximos anos. Não deixem de ler as Curtas do poder!

Veja mais

Pérola do dia

Rui Costa

"Temos formas operacionais de mais de 50 anos. É evidente que quando se propõe isso, a tendência é o enxugamento"

O governador eleito Rui Costa, sobre a reforma na máquina administrativa que deve anunciar antes de ser empossado.

Veja mais

Comentários

Veja mais

Entrevistas

Mário Negromonte Jr.

Depois de quatro anos na Assembleia, o deputado estadual Mário Negromonte Jr. (PP) chegou à Câmara Federal para ocupar a vaga deixada pelo pai, Mário Negromonte, hoje conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios. Prestes a embarcar para Brasília, Negromonte Jr. faz um balanço positivo da sua experiência nas urnas, em 2010 e 2014, e, apesar de ter o sobrenome citado na Operação Lava-Jato, acredita que o pai não tem qualquer envolvimento com as denúncias. Para o tio, Adarico Negromonte, no entanto, ele é mais ponderado. “Se o meu tio errou, eu digo muito claramente, ele deve ser punido. Em relação a isso, a minha família, eu volto a dizer: eu não posso jamais responder pela atitude dos outros”, frisou. Do deputado estadual do “cacetinho baiano” a deputado federal, Negromonte Jr. promete defender os 169.215 – seis a mais que o pai em 2010 – o progressista admite a inspiração no genitor, mas garante que caminha com as próprias pernas.

Veja mais

Multimidia

Veja os gols de Bahia 1x2 Atlético-PR

Veja mais

Sexta, 27 de Setembro de 2013 - 19:30

Estado afirma que vai pagar URV quando processos forem concluídos no TJ-BA

Em nota emitida na tarde desta sexta-feira (27), o governo do estado garantiu que a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em relação ao pagamento da Unidade Real de Valor (URV), poderá agilizar o pagamento aos servidores, que estão com ações judiciais, em que cobram reparação de perdas salariais com a troca do Cruzeiro para o Real, em 1994. O Executivo baiano ressaltou que a análise do STF “dando ganho de causa em um processo semelhante movido pelos servidores do Rio Grande do Norte, para recebimento desta diferença, servirá de parâmetro para o julgamento das ações na Bahia”. De acordo com o procurador-geral do Estado, Rui Moraes, os pagamentos serão feitos normalmente assim que os processos forem concluídos no Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), sem necessidade de recurso em instâncias superiores, o que deve agilizar os processos. “O pagamento da URV aos servidores baianos ainda depende do julgamento de cada uma das ações, que serão analisadas individualmente. Os processos que estavam paralisados aguardando decisão do STF, quando houver a publicação do acórdão do Supremo, ficam liberados para o seu prosseguimento e deverão ter como parâmetro a decisão deste acórdão. O pagamento depende da finalização de cada um destes processos, que estão em fases diversas”, diz a nota do governo estadual.

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

Passada a eleição, qual área deve ser prioridade para o governo federal?

Artigos

Olívia Santana
Na luta contra a morte de jovens negros, Zumbi é a nossa inspiração!

Ao celebrarmos mais um 20 de Novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, ouvimos um soluçar de dor, um canto de revolta pelos ares, certamente entoado por mães que perdem seus filhos negros, no cotidiano de violência das grandes cidades brasileiras. Os dados do Mapa da Violência de 2014 nos exibe uma dura realidade de sangue. A violência tem sido a principal causa mortis de jovens no país, e ela tem como alvo preferencial a juventude negra.

Veja mais

Viagem no tempo

Samuel Celestino, anos atrás
Publicado no jornal A Tarde em 14 de março de 1988: Populismo e o PMDB

A liderança de políticos populistas nas pesquisas realizadas para aferir as preferências à Prefeitura de Salvador, fenômeno que nos últimos anos se implantou na cidade, depois de se manifestar em outras capitais como São Paulo e Rio de Janeiro, é resultante do aprofundamento da crise social, ou do estado de miserabilidade das populações que vivem na periferia da cidade, desassistidas ou em condições de habitação e higiene subumanas, como são exemplos as favelas ou invasões que se proliferam quase diariamente. A conseqüência desta causa é o populismo, que normalmente brota do clientelismo, tipo serviço funerário gratuito, distribuição de alimentos ou coisas que tais.

Veja mais