Após denúncia de tráfico de influência na AL-BA, Nilo troca Tadeu por Deraldo e nega retaliação
Foto: Max Haack/ Ag. Haack/ Bahia Notícias
Um dia após estourarem as denúncias de desvio de função de policiais militares e tráfico de influência na Assembleia Legislativa da Bahia (ver aqui, aqui e aqui), o deputado estadual Capitão Tadeu (PSB), que ficou ao lado dos PMs, foi substituído (ver aqui) pelo colega Deraldo Damasceno (PSL) na comissão governamental que trata da modernização da corporação. A decisão partiu do presidente da AL-BA, Marcelo Nilo (PDT), um dos alvos da denúncia do subtenente Evaldo Santos. A escolha de Deraldo, segundo nota enviada ao Bahia Notícias, se deve ao fato de que o parlamentar “já atuava como suplente nesse organismo que é coordenado pelo secretário estadual de Segurança Pública, Maurício Barbosa”. Na avaliação de Nilo, que nega retaliação a Tadeu, trata-se da descrença no socialista. “Perdi a confiança política no Capitão Tadeu com relação a esta área de atuação, portanto ele não poderia continuar a me representar e à maioria da Casa nesse colegiado de alto nível”, sinalizou o presidente da Assembleia. Nilo ainda voltou a acusar os dois autores da denúncia de serem aliados de Tadeu. “Os denunciantes é que incorriam nesse desvio funcional, pois faltosos contumazes da escala de serviços justificavam as ausências em alegações escritas relatando viagens de cunho político ao interior e até para outros estados acompanhando o deputado Capitão Tadeu. As justificativas são do próprio punho e as faltas não aconteciam em férias ou momentos de folgas, como podem querer explicar”, disparou o pedetista, que voltou a garantir que “não existe desvio de função entre os PMs lotados na Assistência Militar” da Casa.

Histórico de Conteúdo