Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Depois de iludir o Galego (Jaques Wagner) e fazê-lo acreditar que Piligrino seria prefeito de Salvador, o tal do Marcelo Nilo, fanfarrão de ofício, vem pra cá com a conversinha de que não é dono do Datanilo. Ora, garanto que se o PT ganhasse as eleições ele não estaria dizendo isso. Dizer que o Datanilo não lhe pertence é, no mínimo, ser muito dissimulado. Falando em fanfarrão, o Romano Coletor de Impostos, mais conhecido como Mauro Ricardo, está me saindo um expert. Depois de alardear que só paga a quem não está no Cadin e a quem o prefeito determinar, continuo achando o seguinte: Romano deve explicações à sociedade soteropolitana, pois ainda não disse qual foi a empresa que JH pagou R$ 90 milhões em duplicidade. Não deixe de ler as Curtas do poder!

Veja mais

Pérola do dia

Fabrício Falcão

“Falo não só porque o prefeito é do meu partido, mas porque esse Bruno Reis é um caluniador mentiroso.”

Deputado estadual pelo PCdoB, ao rebater a denúncia do presidente do PMDB em Salvador, Bruno Reis, de que um carro oficial da prefeitura de Itagibá teria sido usado para campanha do PT.

Veja mais

Francamente

?O PT perde uma de suas vozes mais atuantes?, lamenta Wagner pela morte de Rilza Valentim

PERDEMOS UMA GRANDE COMPANHEIRA. MINHAS CONDOLÊNCIAS. PAULO SÉRGIO MARTINS DOS SANTOS PT - TAPEROÁ - BAHIA

25/07/2014 - 09:47

PAULO SERGIO MARTINS DOS SANTOS

Veja mais

Entrevistas

Marcelo Nilo

Concorrente ao sétimo mandato na Assembleia Legislativa em outubro, o presidente da Casa, Marcelo Nilo (PDT), admite dificuldades para se reeleger. No seu entendimento, um atual deputado federal da oposição que tenta regressar à AL-BA é o favorito a liderar a disputa. "Acho que o filho de Paulo Souto [Fábio Souto], por ser filho do candidato, provavelmente será o mais votado. Eu não estou preocupado se serei o mais votado e sim se vou me eleger. Porque o mar é feito de gotas d’águas e cada voto é uma gota d’água", comparou, em entrevista ao Bahia Notícias. Ele diz já ter superado a derrota na disputa a membro da chapa majoritária, devido à escolha do petista pelo governador Jaques Wagner (PT). Nilo revela que foi chamado pelo prefeito ACM Neto (DEM) para integrar a chapa oposicionista, capitaneada por Paulo Souto (DEM), mas declinou do convite. “Ser convidado pelo outro lado para fazer parte da chapa fez me sentir honrado. Agradeci e disse que ficava muito feliz, mas, infelizmente, não poderia ir porque estou há 24 anos fazendo política de um lado”, justificou. O chefe do Legislativo baiano ainda opinou sobre o imbróglio administrativo entre Neto e Wagner, gerado com a criação da Entidade Metropolitana, e prometeu que a Casa deve fazer um mutirão para aprovar projetos pendentes antes de o plenário ser esvaziado com a proximidade da eleição.

Veja mais

Multimidia

Veja os lances de Vitória 0x0 Corinthians

Veja mais

Quarta, 30 de Janeiro de 2013 - 13:00

Primeira paralisação do governo Neto: Guardas municipais suspendem atividades por dois dias

Primeira paralisação do governo Neto: Guardas municipais suspendem atividades por dois dias
Foto: Divulgação
Às vésperas do carnaval, o novo prefeito de Salvador, ACM Neto, terá sua primeira paralisação de servidores para resolver. Isso porque os guardas municipais anunciaram, nesta quarta-feira (30), a suspensão das atividades por um período de 48 horas. A categoria exige que a prefeitura garanta a igualdade na escala especial de trabalho da Operação Carnaval 2013. De acordo com os servidores, a Superintendência de Segurança Urbana e Prevenção à Violência (Susprev) nega-se a modificar o planejamento atual para a festa, que segue idêntico ao de 2011 e não abrange todos os agentes interessados em trabalhar na folia. O diretor do Sindicato dos Servidores da Prefeitura de Salvador (Sindseps), Jeiel Soares, disse que a gestão não demonstrou qualquer vontade de atender aos pleitos dos trabalhadores e limitou-se, apenas, a manter a escala do ano passado com a alegação de que o início da administração do atual prefeito não poderia ter um carnaval comprometido. “A paralisação é o primeiro alerta oferecido ao atual governo. Não queremos que a cidade sofra, pois somos guardiões da cidadania. O contribuinte nos paga para trabalhar, e o plano proposto pela administração exclui homens e mulheres que compõem o contingente da Guarda Municipal, e que terminarão por ficar em casa vendo o carnaval pela televisão enquanto deveriam estar nas ruas colaborando para o êxito da festa”, declarou Soares. O dirigente afirmou ainda que, no período, muitos servidores serão substituídos por colaboradores terceirizados, o que, segundo ele, onera os cofres públicos e compromete os serviços. “Se há necessidade de pessoal excedente porque a administração não privilegia trabalhadores do seu próprio quadro ao invés de terceirizar? Isso é um paradoxo”, indagou. A categoria deve se reunir, nesta quinta (31), para definir novas deliberações a serem tomadas, caso ocorram rodadas de negociação com a gestão da Susprev. 

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

Qual a principal mudança a ser atendida na licitação de ônibus?