Primeira paralisação do governo Neto: Guardas municipais suspendem atividades por dois dias
Foto: Divulgação
Às vésperas do carnaval, o novo prefeito de Salvador, ACM Neto, terá sua primeira paralisação de servidores para resolver. Isso porque os guardas municipais anunciaram, nesta quarta-feira (30), a suspensão das atividades por um período de 48 horas. A categoria exige que a prefeitura garanta a igualdade na escala especial de trabalho da Operação Carnaval 2013. De acordo com os servidores, a Superintendência de Segurança Urbana e Prevenção à Violência (Susprev) nega-se a modificar o planejamento atual para a festa, que segue idêntico ao de 2011 e não abrange todos os agentes interessados em trabalhar na folia. O diretor do Sindicato dos Servidores da Prefeitura de Salvador (Sindseps), Jeiel Soares, disse que a gestão não demonstrou qualquer vontade de atender aos pleitos dos trabalhadores e limitou-se, apenas, a manter a escala do ano passado com a alegação de que o início da administração do atual prefeito não poderia ter um carnaval comprometido. “A paralisação é o primeiro alerta oferecido ao atual governo. Não queremos que a cidade sofra, pois somos guardiões da cidadania. O contribuinte nos paga para trabalhar, e o plano proposto pela administração exclui homens e mulheres que compõem o contingente da Guarda Municipal, e que terminarão por ficar em casa vendo o carnaval pela televisão enquanto deveriam estar nas ruas colaborando para o êxito da festa”, declarou Soares. O dirigente afirmou ainda que, no período, muitos servidores serão substituídos por colaboradores terceirizados, o que, segundo ele, onera os cofres públicos e compromete os serviços. “Se há necessidade de pessoal excedente porque a administração não privilegia trabalhadores do seu próprio quadro ao invés de terceirizar? Isso é um paradoxo”, indagou. A categoria deve se reunir, nesta quinta (31), para definir novas deliberações a serem tomadas, caso ocorram rodadas de negociação com a gestão da Susprev. 

Histórico de Conteúdo