Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Descobri um fato importante que os jornalistas da capital estão penando pra descobrir há muito tempo: o motivo de Marcelo Nilo não divulgar em seu DataNilo, também conhecido como Babesp, pesquisas da corrida ao Senado. Nem o velho Samuca teve essa sacada, mas eu adianto. Tudo tem a ver com uma rusga que ele tem com Dotô Otto. O candidato governista está crescendo, mas como seus correligionários invadiram antigos redutos de Nilo, o presidente da Assembleia se chateou e decidiu não divulgar o up nos números do amigo em seu instituto. Também pouco importa, pois o DataNilo não é dotado de grande credibilidade mesmo. Ah, vou aqui mandar um recado pra os propagandistas de Souto e Rui. Ô seu Pascoal e seu Sidônio, o Bahia Notícias não é brog, é um portal. Parece que o jornalista de Pascoal, que era um pedaço de cavalo, já aprendeu isso. Virou uma seda de uma hora pra outra. Confira as Curtas e venenosas do poder!

Veja mais

Pérola do dia

Mark Ruffalo

"Eu não posso, em sã consciência, apoiar um candidato que tem uma abordagem dura direito de questões como o casamento entre homossexuais e os direitos reprodutivos, mesmo que o candidato esteja disposto a fazer a coisa certa sobre as questões ambientais. Fiquei desapontado ao ver seu apoio ao casamento gay ser abandonado por seu partido um dia depois que ela deu em um discurso."

Mark Ruffalo, ator hollywoodiano, ao retirar o apoio que havia declarado à candidata Marina Silva após descobrir, menos de um dia depois de um vídeo de campanha com ele se tornar público, o plano de governo da presidenciável em relação à comunidade LGBT.

Veja mais

Entrevistas

Jorge Almeida

Jorge Almeida é professor de Ciência Política e doutor em Comunicação e Cultura Contemporânea pela Universidade Federal da Bahia (Ufba). Em entrevista ao Bahia Notícias, ele fala sobre o impacto dos denuncismos e das manifestações de junho de 2013 nas campanhas eleitorais deste ano e analisa como a morte do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, mudou os rumos da campanha presidencial. Para Almeida, o crescimento do PSB nas pesquisas não representa uma quebra da polarização PT x PSDB, como tanto anuncia a campanha socialista, mas sim uma disputa de candidaturas que pouco mostram os projetos para questões essenciais. “O grosso das divergências que aparecem são muito mais de ordem de um debate sobre competência pessoal, capacidade gerencial, honestidade, ética... E você não vê aparecendo projetos claros, definidos”, avalia. Sobre a corrida eleitoral na Bahia, o professor acredita que Lídice da Mata (PSB) não conseguirá capitalizar os votos de Marina Silva, e que o governo de Jaques Wagner foi tão frágil que não conseguiu construir uma marca que alavancasse o candidato petista. “Não é atoa que, após oito anos de governo, a campanha continua sendo feita em torno do time de Lula. O que é incrível, porque depois de quatro anos um governador tem que se apresentar como seu próprio time. [...] Isso mostra um auto reconhecimento de que o governo estadual não tem um prestígio social, político e eleitoral para apostar na sua própria imagem”, conclui.

Veja mais

Multimidia

Veja os gols de Bahia 2x1 Flamengo

Veja mais

Quarta, 17 de Outubro de 2012 - 00:00

Coronel João Sá: Prefeito derrotado acusa Justiça Eleitoral de comprometer eleição e pede anulação do pleito

por David Mendes

Coronel João Sá: Prefeito derrotado acusa Justiça Eleitoral de comprometer eleição e pede anulação do pleito
Carlos Sobral perdeu eleição por diferença de 104 votos | Foto: Bahia Notícias
O atual prefeito de Coronel João Sá, Carlos Sobral (PMDB), entrou com uma ação na Justiça Eleitoral com um pedido de anulação do pleito municipal do último dia 7 de outubro, no qual disputou a reeleição, mas foi derrotado por Romualdo Costa (PSD). O adversário venceu com 50,51% dos votos válidos (5.175), uma diferença de 104 votos para Sobral, que obteve 5.071. A eleição contou apenas com os dois postulantes. Para o atual gestor, a derrota nas urnas se deu após uma atitude, considerada por ele “arbitrária”, do juiz da 51ª Zona Eleitoral, Antonio Henrique da Silva, e do promotor eleitoral da Comarca, Leonardo Cândido. Segundo o peemedebista, os representantes da Justiça Eleitoral no município do nordeste baiano ordenaram a prisão de pessoas que usavam camisas da cor adotada pela sua campanha. “No dia da eleição, por volta das 12h30, o juiz mandou prender todo mundo que estava de camisa vermelha. Não importava se era camisa de manga comprida, curta ou camiseta. E não tinha nome de candidato nenhum e os que estavam com camisa vermelha não realizavam panfletagem. A Polícia Militar, de armas em punho, começou a prender as pessoas. Quem não ficou na mira dos policiais saiu correndo e foi a maior confusão. Na verdade, foi um terror”, contou Sobral, em visita ao Bahia Notícias. Segundo o alcaide, 24 pessoas foram detidas e acomodadas em um ônibus que estava à disposição da Justiça Eleitoral. “Após as prisões, eu me dirigi ao juiz e perguntei a ele o que estava acontecendo já que ninguém entendia a ação e as detenções. O juiz me disse: ‘vocês mandaram na cidade até hoje. A partir de hoje quem manda sou eu. Acabou a palhaçada’. Então, virei para o juiz e para o promotor e disse que eles tinham prejudicado a minha eleição, porque o ue povo tem mais medo no interior é de juiz, promotor e da Polícia Militar. Por conta disso, ninguém mais foi votar por medo”, cogitou.
 

Carlinhos Sobral, como é conhecido, informou ainda que muitos eleitores foram barrados nas seções de votação e obrigados a tirar as vestes, o que teria contribuído ainda mais para a dispersão dos votantes, já que a notícia teria se espalhado pela cidade e muitos teriam ficado com receio de ser detido pela polícia. “O juiz ordenou que as pessoas que estavam na fila de votação de uma seção na beira da estrada retirasse e entregasse as camisas. Com isso, se espalhou que quem tivesse de camisa vermelha iria preso. A partir daí era gente abandonando as seções, gente correndo por dentro dos pastos com medo de se encontrar com a polícia. As pessoas que vinham dos distritos nos ônibus mandavam parar no meio do caminho para descer, já que recebiam ligações de parentes informando as prisões. Teve até duas mulheres que votaram apenas de sutiã, após tirar a camisa e entregar à Justiça. Moral da história: 2.134 abstenções. E isso porque muitas pessoas deixaram de votar com medo”, relatou. O prefeito assegurou que coletou assinaturas de mais de 201 eleitores, anexadas ao processo, que deixaram de votar por medo de serem presos.

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

O que foi decisivo para escolher seu candidato a governador?