Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Não é por nada, mas até hoje não me recuperei do susto que levei quando soube, na última sexta-feira, lá em Mar Grande, desse balaio de gato que fizeram na chapa do Soberano. Soube que Geddel indicou Joaci de pirraça, pois o sujeito não tem voto. Independentemente da motivação, só imagino o velho ACM se remexendo todo no caixão. Se estivesse vivo o senador daria um ataque, até porque a chapa de Wagner é mais fiel aos princípios carlistas do que a de Neto. Como ACM, o avô, não está mais entre nós, vai aí um conselho de camarada para o soberano: evite centro espírita, terreiro de candomblé ou coisa que o valha. É capaz de o velho baixar e o resultado é imprevisível. Confira mais notícias dos bastidores da política nas Curtas do Poder!

Veja mais

Pérola do dia

Dom Murilo Krieger

"Vi que eles perceberam a necessidade de se desarmar em todos os sentidos e que eles estavam propensos a ouvir o outro. Da parte do governo, também"

Arcebispo Primaz do Brasil, ao comentar o fim da greve da PM, após ter recebido o título de membro benemérito da Força Invicta

Veja mais

Entrevistas

Paulo Souto

Com a candidatura anunciada oficialmente quatro meses após a divulgação do nome petista para a concorrência à sucessão ao governo do Estado, o escolhido da “união das oposições”, o ex-governador Paulo Souto (DEM), considera “legítimas” as aspirações do ex-prefeito de Mata de São João, João Gualberto (PSDB), e do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) a encabeçar a chapa majoritária e acredita que o gestor de Salvador, ACM Neto (DEM), foi “um grande árbitro” na condução do processo de escolha. “Dificilmente se poderia desejar algo mais forte, mais robusto para disputar uma eleição: uma chapa que está reunindo os três maiores partidos da oposição”, defendeu, em entrevista ao Bahia Notícias. Souto nega haver um acordo tácito para que, caso seja eleito, não dispute a reeleição a fim de que Neto seja lançado ao cargo em 2018, embora admita a possibilidade de abrir caminho para o correligionário, a depender da avaliação futura do governo democrata.

Veja mais

Multimidia

Bahia empata com Vitória e é campeão baiano

Veja os gols do 2x2 no Estádio Pituaçu

Veja mais

Quinta, 13 de Setembro de 2012 - 12:10

Xique-Xique: Dono de instituto ameaça acionar criminalmente deputado que questionou pesquisa

por Evilásio Júnior/ Rodrigo Aguiar

Xique-Xique: Dono de instituto ameaça acionar criminalmente deputado que questionou pesquisa
Foto: Evilásio Júnior / Bahia Notícias
O dono da Compet Consultoria Marketing Pesquisas e Treinamentos, Denivaldo Fernandes, rebateu as declarações do deputado estadual Reinaldo Braga (PR), que entrou com um pedido de impugnação da divulgação de uma pesquisa eleitoral sobre a sucessão em Xique-Xique, e prometeu processá-lo. "Vou entrar com ação criminal por danos morais. Outras pessoas com quem eu trabalho me ligaram. Ele não conhece meu trabalho", revelou o empresário, em visita à redação ao Bahia Notícias. Sobre a alegação do parlamentar, de que a soma entre as intenções de voto dos candidatos, nulos, brancos e indecisos dá 98% e não 100%, Fernandes afirmou, por meio de nota, que “o percentual relativo total pode oscilar em torno dos 100%, entretanto, algumas dessas tabulações podem apresentar totais relativos que variem entre 98% e 102%, principalmente quando as alternativas de respostas são extensas” e complementou pessoalmente: "quem tem condições de avaliar os dados são técnicos e não políticos". De acordo com ele, a variação aconteceria em função de aproximações feitas – com porcentagens que variam de 0% a 0,4% arredondadas para 0% e as de 0,5% a 0,9% para 1%. O dono do instituto argumentou ainda que Braga não conhece a empresa e, por tal motivo, não estaria “autorizado” a declarar que a Compet não tem credibilidade. Segundo Fernandes, a empresa não é filiada a nenhum partido político e não tem ideologia. Outro ponto questionado pelo deputado foi a divulgação de uma pergunta que não constava no questionário disponível no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Sobre o item, Fernandes afirmou que seu levantamento de fato não fez a quarta indagação aos entrevistados e que a veiculação das iinformações cabe à coligação que o contratou. "É um deputado que não conheço, nunca ouvi, nem tive acesso, que presta declaração contra a minha empresa. Não sou responsável pela divugação de pesquisa nenhuma. Entrego o relatório ao contratante. Se ele pegou informação na rua, tem que ver quem veiculou, qual CNPJ está na documentação. Se foi a coligação que fez, ele tem que processar e reclamar da coligação", sugeriu.

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Abril / 2014

Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930
Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

Quais serão os reflexos do caso Pasadena no cenário da política baiana?

Artigos

Aline Castelo Branco
Educação sexual evita violência

Veja mais