Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Depois de iludir o Galego (Jaques Wagner) e fazê-lo acreditar que Piligrino seria prefeito de Salvador, o tal do Marcelo Nilo, fanfarrão de ofício, vem pra cá com a conversinha de que não é dono do Datanilo. Ora, garanto que se o PT ganhasse as eleições ele não estaria dizendo isso. Dizer que o Datanilo não lhe pertence é, no mínimo, ser muito dissimulado. Falando em fanfarrão, o Romano Coletor de Impostos, mais conhecido como Mauro Ricardo, está me saindo um expert. Depois de alardear que só paga a quem não está no Cadin e a quem o prefeito determinar, continuo achando o seguinte: Romano deve explicações à sociedade soteropolitana, pois ainda não disse qual foi a empresa que JH pagou R$ 90 milhões em duplicidade. Não deixe de ler as Curtas do poder!

Veja mais

Pérola do dia

Marcos Mendes

"Você já ouviu falar em seis e meia dúzia? O PT resgatou tudo que não prestava no DEM: Otto Alencar, João Leão... De zero a dez, dou dois para o DEM e três para o PT.”

Candidato a governador pelo PSOL, ao comparar as duas últimas gestões na Bahia.

Veja mais

Entrevistas

Marcelo Nilo

Concorrente ao sétimo mandato na Assembleia Legislativa em outubro, o presidente da Casa, Marcelo Nilo (PDT), admite dificuldades para se reeleger. No seu entendimento, um atual deputado federal da oposição que tenta regressar à AL-BA é o favorito a liderar a disputa. "Acho que o filho de Paulo Souto [Fábio Souto], por ser filho do candidato, provavelmente será o mais votado. Eu não estou preocupado se serei o mais votado e sim se vou me eleger. Porque o mar é feito de gotas d’águas e cada voto é uma gota d’água", comparou, em entrevista ao Bahia Notícias. Ele diz já ter superado a derrota na disputa a membro da chapa majoritária, devido à escolha do petista pelo governador Jaques Wagner (PT). Nilo revela que foi chamado pelo prefeito ACM Neto (DEM) para integrar a chapa oposicionista, capitaneada por Paulo Souto (DEM), mas declinou do convite. “Ser convidado pelo outro lado para fazer parte da chapa fez me sentir honrado. Agradeci e disse que ficava muito feliz, mas, infelizmente, não poderia ir porque estou há 24 anos fazendo política de um lado”, justificou. O chefe do Legislativo baiano ainda opinou sobre o imbróglio administrativo entre Neto e Wagner, gerado com a criação da Entidade Metropolitana, e prometeu que a Casa deve fazer um mutirão para aprovar projetos pendentes antes de o plenário ser esvaziado com a proximidade da eleição.

Veja mais

Multimidia

Veja os lances de Vitória 0x0 Corinthians

Veja mais

Quinta, 13 de Setembro de 2012 - 12:10

Xique-Xique: Dono de instituto ameaça acionar criminalmente deputado que questionou pesquisa

por Evilásio Júnior/ Rodrigo Aguiar

Xique-Xique: Dono de instituto ameaça acionar criminalmente deputado que questionou pesquisa
Foto: Evilásio Júnior / Bahia Notícias
O dono da Compet Consultoria Marketing Pesquisas e Treinamentos, Denivaldo Fernandes, rebateu as declarações do deputado estadual Reinaldo Braga (PR), que entrou com um pedido de impugnação da divulgação de uma pesquisa eleitoral sobre a sucessão em Xique-Xique, e prometeu processá-lo. "Vou entrar com ação criminal por danos morais. Outras pessoas com quem eu trabalho me ligaram. Ele não conhece meu trabalho", revelou o empresário, em visita à redação ao Bahia Notícias. Sobre a alegação do parlamentar, de que a soma entre as intenções de voto dos candidatos, nulos, brancos e indecisos dá 98% e não 100%, Fernandes afirmou, por meio de nota, que “o percentual relativo total pode oscilar em torno dos 100%, entretanto, algumas dessas tabulações podem apresentar totais relativos que variem entre 98% e 102%, principalmente quando as alternativas de respostas são extensas” e complementou pessoalmente: "quem tem condições de avaliar os dados são técnicos e não políticos". De acordo com ele, a variação aconteceria em função de aproximações feitas – com porcentagens que variam de 0% a 0,4% arredondadas para 0% e as de 0,5% a 0,9% para 1%. O dono do instituto argumentou ainda que Braga não conhece a empresa e, por tal motivo, não estaria “autorizado” a declarar que a Compet não tem credibilidade. Segundo Fernandes, a empresa não é filiada a nenhum partido político e não tem ideologia. Outro ponto questionado pelo deputado foi a divulgação de uma pergunta que não constava no questionário disponível no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Sobre o item, Fernandes afirmou que seu levantamento de fato não fez a quarta indagação aos entrevistados e que a veiculação das iinformações cabe à coligação que o contratou. "É um deputado que não conheço, nunca ouvi, nem tive acesso, que presta declaração contra a minha empresa. Não sou responsável pela divugação de pesquisa nenhuma. Entrego o relatório ao contratante. Se ele pegou informação na rua, tem que ver quem veiculou, qual CNPJ está na documentação. Se foi a coligação que fez, ele tem que processar e reclamar da coligação", sugeriu.

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

Qual a principal mudança a ser atendida na licitação de ônibus?