Cerca de 50% do que entra na Cadeia Pública de Salvador, no Complexo Penitenciário da Mata Escura, é através de arremesso de pacotes por comparsas dos detentos que estão fora da prisão por cima das cercas. Entre os materiais lançados estão drogas, celulares, dinheiro e até armas. Ao Correio, a Secretara de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap) disse que já existem projetos para cercar todo o complexo com muros. Segundo o Sindicato dos Servidores Penitenciários do Estado da Bahia (Sinspeb), os maiores problemas enfrentados são a ausência de muralha em torno do complexo e de tela de proteção no teto das unidades, pouco efetivo policial e iluminação deficitária.

Histórico de Conteúdo