Comunidade homossexual protesta contra concessão de título de cidadão soteropolitano a Silas Malafaia
Foto: Reprodução
A concessão do título de cidadão de Salvador ao pastor Silas Malafaia, líder da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, causou indignação à comunidade homossexual da capital baiana. A homenagem, concedida pela Câmara Municipal, foi proposta pelo vereador Heber Santana (PSC), membro da Igreja Batista Missionária da Independência e integrante da bancada evangélica no Legislativo da capital baiana, e está programada para o dia 27 de setembro. O Grupo Gay da Bahia (GGB), mais antiga entidade do gênero em atividade no país, posicionou-se contra a entrega do título ao evangélico, conhecido por sua postura homofóbica. “Não há justificativa para a concessão do título, considerando que o homenageado não prestou relevantes serviços para a sociedade baiana”, explicou Luiz Mott, presidente do GGB. A entidade iniciou, nas redes sociais, uma campanha para que a cidadania soteropolitana não seja concedida a Malafaia. Além da mobilização na internet, o GGB também pretende tomar medidas formais. “Vamos mandar um ofício para a presidência da Câmara dos Vereadores arguindo o não cumprimento das condições regimentais para a concessão do título”, explicou Mott. Segundo o regimento da Casa de Leis, o título deve ser entregue a quem nasceu fora de Salvador e prestou relevantes serviços ao município. Os militantes homossexuais argumentam que o pastor “não oferece currículo compatível com a homenagem”. Caso o pedido não seja atendido, o protesto deve se estender até à porta da Câmara. “Primeiro vamos tentar cancelar esse título por não ser merecido. Contudo, em último caso, vamos reunir toda a comunidade LGBT para protestar e demonstrar a nossa indignação”, afirmou o líder do GGB.

Histórico de Conteúdo