Com Samuel Celestino

Receba Notícias do BN

Nome
E-mail *

Curtas do Poder

Curtas do poder

Rapaz, João Leão é um falastrão de marca maior. Andou dizendo que não é ministro de Dilma porque a mulher não deixou. O coroa do “buraco zero” gosta de ser folclórico, gosta de arrancar risadas, mas trabalho que é bom, nada. Falando em folclore, circula nos bastidores da política que a ida de Paulo Souto para a secretária da Fazenda é para que ele se fortaleça para ser candidato a vice no pleito de 2016. Antonio Imbassahy, que anda fechadinho com os irmãos Vieira Lima, está de olho e não está gostando nada desta história. Aí é briga de cachorro grande e eu quero cair fora. Não deixe de ler as Curtas do poder!

Veja mais

Pérola do dia

Jaques Wagner

"Estou à vontade, pois Marcelo Nilo é meu amigo de sangue, mas ele tem uma opinião e eu tenho outra”

Governador da Bahia, ao falar sobre o fim da reeleição para a presidência da Assembleia Legislativa.

Veja mais

Comentários

Explode lista de políticos do Lava Jato

E o TCM da Bahia ? Que situação terrível o colocou Wagner, ter um Conselheiro, que julga processos dos municípios, indicado em caso escabroso de corrupção nacional: O Sr. Mário Negromonte. O Governador Wagner é homem de boa fé, assim fez em relação ao Dep. Argolo, que até defendeu, e mesmo em relação ao Sr. Mário Negromonte, que saiu do Ministério da Cidades com graves denúncias de corrupção. Ambos juraram ao governarnador inocência, e este por ter boa fé e crer no ser humano, nomeou o Sr. Negromonte. E agora? O Sr. Negromonte pode julgar alguém? O TCM tem que encontrar um saída urgente, sob pena de se desmoralizar ainda mais, posto que já recaí sobre o Tribunal uma descrença grande da população, que não é incomum finalizar processo com 10 anos, quando alguns prefeitos que lesaram os cofres públicos e roubaram a sociedade já morreram. Agora mais esta? E o Gov. Wagner, tem que ser menos crédulo em relação as pessoas, e se mirar nos antigos romanos, nos discursos do Senado que diziam "A mulher de Cesar não basta ser honesta, tem que se mostrar honesta". O Governador deveria ter conversado com o pessoal de Paulo Afonso, e se assim fizesse, não passaria este dobrado agora, posto que também é responsável pela indicação do Conselheiro. Em S. Paulo, o Tribunal de Justiça afastou o Conselheiro envolvido com corrupção dos trens, no caso do PSDB, será que aqui o caminho será o mesmo?

19/12/2014 - 09:32

André

Veja mais

Entrevistas

Pedro Galvão

Sem convite do governador eleito Rui Costa para continuar no cargo, o secretário de Turismo, Pedro Galvão, faz um balanço da sua curta administração na pasta, em entrevista ao Bahia Notícias. Ele assumiu o cargo na cota de indicação do PR em janeiro deste ano e organizou eventos como o Carnaval e a Copa do Mundo. Galvão afirma que tem "o melhor relacionamento" com o chefe da Secretaria de Desenvolvimento, Turismo e Cultura de Salvador, Guilherme Bellintani, na produção de eventos na capital. O secretário também elogia a futura extinção da Bahiatursa. "O novo governador [Rui Costa], com muita propriedade, entendeu que a Bahiatursa tinha uma série de problemas e que precisava ser requalificada. Acho que vai funcionar perfeitamente bem", avalia. Galvão também adianta que o projeto da Estrada Real da Chapada – roteiro que refaz o caminho aberto pela Coroa Poruguesa para unir a Bahia e Minas Gerais – deve entrar em fase de execução no próximo ano. "Ela está a todo vapor e acredito que em 2015 já esteja levada ao público através de uma propaganda, mostrando no Brasil e exterior que nós temos uma Estrada Real", informou.

Veja mais

Multimidia

Posse do presidente do Bahia Marcelo Sant'Ana

Veja mais

Quinta, 23 de Agosto de 2012 - 00:00

São Gonçalo dos Campos: Com farta documentação, empresário acusa prefeito de desvio de verba pública e lavagem de dinheiro

por Evilásio Júnior

O prefeito de São Gonçalo dos Campos, Antônio Dessa Cardozo (PSD), conhecido como “Furão”, candidato à reeleição este ano, é acusado de promover desvio de recursos públicos que seriam destinados ao Município e lavagem de dinheiro, por meio de notas frias emitidas pela empresa Maderval Material de Construção. A denúncia foi feita pelo próprio dono do estabelecimento, Gustavo Fernandes da Fonseca, que visitou a redação do Bahia Notícias munido de farta documentação que comprovaria as infrações, a exemplo de documentos fiscais, talões, comprovantes de depósitos em contas bancárias e de cheques trocados. Segundo o empresário, a fraude aconteceu entre 1º de janeiro de 2009, quando Furão assumiu o comando da cidade, e março deste ano, quando a relação entre os dois foi quebrada. O esquema, de acordo com Fonseca, consistia no envio de materiais de construção da Maderval, que venceu licitação pública, para propriedades do gestor – como as fazendas Inglaterra e Alemanha, a residência no bairro da Pitubinha e o posto de combustíveis –, em nome da prefeitura e das secretarias municipais de Saúde e Educação. “A licitação pública acontece para favorecer ele. Setenta por cento da minha licitação, o material foi fornecido para ele. Trinta por cento para a prefeitura”, relatou Fonseca, em entrevista ao BN. Segundo ele, tudo era assinado e carimbado pela secretária de gabinete do prefeito, Solange Ribeiro Cancio, que chegou a requerer, em 23 de fevereiro de 2011, itens de madeira para a sua própria casa. “Esse material foi entregue na casa dela. Ela mesma deu recebido e assinou”, apontou o empresário. Conforme Fonseca, o pagamento era feito em cheque da administração local, mas, após receber o valor, ele emitia outro cheque de igual valor em nome de pessoas indicadas por Furão. “A prefeitura pagava a empresa, mas as notas que ele pedia eu tirava, repassava o dinheiro para ele e os impostos ele não pagava. Eu emitia a nota fiscal, passava para a prefeitura, ia lá, recebia o cheque e depois emitia um da minha empresa e passava para ele. Entregava em mãos”, narrou.

Entre os recebedores da verba estavam outros fornecedores, como a São Gonçalo Materiais de Construção (R$ 16.998,80 em 4 de novembro de 2009), parentes, como o sobrinho Hélio Pimenta de Oliveira Cardozo (R$ 45 mil em 28 de junho de 2010) e até o seu filho, João Pedro Labriola Cardozo (R$ 27.760 em  4 de agosto de 2010), à época menor de idade. “O negócio é grande. Ele construiu uma pista de vaquejada na fazenda. Calcula-se que ele gastou mais de R$ 300 mil só para fazer corrida de cavalo”, projetou o denunciante. Consta ainda na documentação o pedido de materiais, a próprio punho do prefeito, para o erguimento de cobertura da garagem (R$ 18 mil) e do almoxarifado da prefeitura (R$ 10 mil), bem como para reforma do telhado da sede municipal (R$ 7 mil). “Nem um pau foi botado lá em cima”, contou Gustavo Fonseca, que se diz sido envolvido no suposto golpe pela “amizade” que tinha ao gestor. “Ele frequentava a minha casa, eu frequentava a casa dele, me chamava para jantares e tal e foi indo. Desde que ele tomou posse que eu venho participando das licitações públicas e fornecendo à prefeitura. De repente, quando eu participei da primeira – eu nunca tinha participado de licitação pública –, eu entrei. Além do fornecimento do material, ele começou a solicitar notas. Eu comecei a questionar ele e ele disse: ‘não rapaz, não se preocupe que eu vou pagar os impostos’”, relatou.

Apesar disso, descreve Fonseca, ele começou a brigar com Furão pelo não cumprimento do prometido pagamento da tributação. “Para emitir uma nota fiscal, você tem que dar entrada, tem que ter produto. Eu fornecia a nota, então eu tinha que comprar a mercadoria para dar a entrada e poder dar a saída. E o custo disso aí?”, indagou, ao admitir ter falhado por confiar na palavra do “amigo”. “Ele fez da minha empresa a casa dele. Eu fui um idiota. Ele me iludiu tanto, aproveitou da minha boa vontade e fidelidade a ele, que eu fiquei encurralado. Comecei a me endividar. Hipotequei a minha casa. O banco exigiu que eu transferisse a minha casa para o nome da empresa para liberar financiamento. Eu já estava na mão de agiota”, revelou, ao indicar que até crédito de R$ 1 mil foi solicitado em nome da sua loja, por meio de cupom fiscal para a prefeitura, sem que houvesse posterior quitação. A bola de neve, segundo o empresário, hoje está avaliada em uma dívida de aproximadamente R$ 600 mil e o seu estabelecimento corre o risco de fechar as portas. “Eu estou aqui hoje porque eu fui prejudicado. Estou em uma situação fodida, a palavra é essa. Não ganhei um real com nada. Só fiz me endividar. E se hoje a Receita Federal e a polícia vierem investigar, vão ver que eu só tenho dívida, mais nada. E tenha certeza que se a policia for fazer uma investigação profunda vai encontrar muito mais do que isso”, apostou.

Fonseca ponderou ainda que não teme ser acusado, em um provável inquérito, como parceiro de Furão na irregularidade. “Cabe agora à Justiça julgar, porque eu não tenho nada. Só tenho dívida. A Justiça é quem vai analisar quem está certo e quem está errado. Eu fui enganado. Ele usou da minha ingenuidade. A verdade é essa. Eu quero que a Justiça faça justiça. Somente isso”, clamou. O dono da Maderval relata que, antes de denunciar o caso à imprensa, chegou a procurar o prefeito para acertar as contas, mas ele desdenhou da possibilidade de a negociata ser propagada. “Eu cheguei a ameaçá-lo: ‘Se você não pagar os impostos das minhas notas, e me tirar da merda que você fez comigo, eu vou lhe denunciar’. Ele virou para mim e disse: ‘você é cúmplice, então não te devo nada’”. O empresário é filiado ao PR, mas assegura que não tem motivações políticas ao revelar o episódio em ano eleitoral. Ele nunca postulou cargos públicos nas urnas.

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Site Auditado pelo IVC - Bahia Noticias

Enquete

Ano novo, energias novas. O que esperar de 2015?

Artigos

A era Wagner

A Bahia, nesses últimos oito anos, viveu muitas transformações. Com a chegada do Partido dos Trabalhadores ao governo em 2006, deu-se início a uma revolução democrática. Revolução nas prioridades da gestão, no novo modelo de desenvolvimento e na forma de fazer política. Maior líder do projeto, Wagner deixa um legado de realizações profundas para a Bahia neste início de século.

Veja mais

Viagem no tempo

Samuel Celestino, anos atrás
Publicado no jornal A Tarde em 28 de janeiro de 81: Governadores eleitos, e daí?

Em todas as unidades da Federação os políticos de maior expressão já se antecipam e posicionam-se como candidatos aos governos. A emenda constitucional que devolveu ao povo o sagrado direito de escolher, pelo voto, seus governantes, antecipou, em muito, o processo sucessório. Mas eleições diretas, por si só, não bastam, porque são insuficientes para vestir o país com roupas democráticas. É preciso restabelecer, antes do pleito de 82, a autonomia dos estados e dos municípios, perdida na voragem centralizadora do movimento revolucionário. O princípio federativo foi literalmente destroçado, com a demasiada concentração de força do governo da União.

Veja mais