Presidente do PDT nega avanços em negociação com DEM, mas avisa: ‘Em política, nada é impossível’
Foto: Divulgação
Apesar de o PDT ter decidido em sua convenção que o partido irá apoiar a candidatura do deputado federal Nelson Pelegrino a prefeito de Salvador – caso o PT o convide para ser vice –, ou lançar postulante próprio, as negociações da legenda com o DEM de ACM Neto têm causado transtornos entre os seus filiados. Em entrevista à Rede Tudo FM 102,5, o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), Marcelo Nilo, chegou a ameaçar deixar a sigla se a composição com o democrata for referendada, o que, para o chefe estadual pedetista, Alexandre Brust, “não tem nada a ver”. “O deputado Marcelo Nilo sabe mais do que ninguém que houve um encontro com o presidente Carlos Lupi, a pedido de ACM Neto. Ele é presidente de um partido democrático e, evidentemente, o atendeu. Até porque, ACM Neto é líder do Democratas na Câmara e somos aliados em outros estados. É claro que, entre outras coisas, falou-se em Salvador, mas em momento nenhum o presidente Lupi se comprometeu. Ninguém avançou em ponto algum”, descartou Brust, em entrevista ao Bahia Notícias, ao salientar que “a convenção é soberana”. Para o dirigente, a aliança da sua agremiação com o prefeiturável petista depende única e exclusivamente do posicionamento do partido aliado. “Se nós não tivermos abertura para indicar o vice, nós sairemos com candidatura própria. A bola está com o PT”, alertou. Entretanto, caso a união não seja efetivada, segundo Brust, ainda não está completamente descartada uma composição com ACM Neto: “Em política, nada é impossível”, definiu.

Histórico de Conteúdo