Estudante austríaco processa Facebook por armazenamento de seus dados
Um homem de 24 anos, que estuda Direito em Viena, na Áustria, resolveu processar o Facebook em 2011 pelo armazenamento de seus dados. Max Schrems descobriu que a rede social não excluía as mensagens deletadas por ele em seu perfil. Depois de muito esforço, ele conseguiu que o Facebook lhe enviasse um CD diretamente da Califórnia, com todas as informações geradas em seu perfil por três anos. Quando impresso, o conteúdo do CD formava uma pilha de mais de 1.200 páginas de informação com 57 categorias, como cutucadas, pedidos de amizade, religião e, inclusive, as mensagens, fotos e outros arquivos que ele havia deletado.
 
Ele afirmou que no primeiro momento ficou extasiado ao saber que havia 1.200 páginas sobre ele, mas depois pensou que nem a KGB e a CIA já tiveram tantos dados de um cidadão comum. Disse também que a partir dessas mensagens você pode saber em quem as pessoas votaram, quais os problemas de saúde, ou situação de relacionamentos. Após descobrir que a empresa possui servidores na Irlanda, Schrems abriu 22 queixas contra a rede social no Irish Data Protection Commissioner, com o intuito de realmente excluir o que foi pedido. 

Histórico de Conteúdo