Entrevistas

‘Mesmo quando fui para Rapina, nunca deixei de ser Falcão da Guig’, diz cantor sobre retorno

O cantor Falcão reassumiu os vocais da Guig Ghetto em novembro de 2013 e se prepara para gravar o novo DVD da banda dentro Festival Swinga Aracaju, na capital sergipana, no próximo dia 18 de outubro. Em entrevista ao Bahia Notícias, o artista falou sobre as influências musicais, a comparação com Xanddy e revelou quem considera a grande promessa do pagode baiano. Falcão também comenta as modas da ostentação e do pagode com letras apelativas. Não deixe de ler a entrevista na Coluna Holofote!

Veja mais

Frase da Semana

Vina Calmon

“Aí fiz o biquinho. Só que ele veio com a boquinha aberta... Tomei um susto, mas não teve língua”

Vina Calmon, vocalista da banda Cheiro de Amor, explicando como rolou o beijo na boca com o astro internacional Julio Iglesias.

Veja mais

Quinta, 18 de Junho de 2009 - 08:35

Depois de Belo, veja Gisele Bündchen antes da fama

por Fernanda Figueiredo

Nesta quarta-feira, 17 de junho, a Coluna Holofote mostrou o cantor Belo antes da fama. O retrato era, sem sombra de dúvidas, assustador. Hoje, é a vez da top mais famosa do mundo ser mostrada sem glamour, quando ainda nem sonhava que iria comandar as passarelas internacionais. O agente Sergio Mattos postou em seu blog fotos da top com apenas 14 aninhos. No post, ele explica que eles estavam em Ibiza, onde a modelo participou do concurso The Look of The Year no ano de 1994. "Quem diria que depois desses anos, esta menininha aí seria a número um do mundo!!! Na época, eram new faces... Hoje Gisele mudou o padrão de beleza mundial...", escreveu. A foto de Gisele não é nada que seja comparada à de Belo, mas a mocinha não era de causar nenhum frisson com sua aparência lânguida. Confira:



Bloglog /Reprodução
Claudia Menezes, Gisele Bündchen, Sérgio Mattos e Fabiana Sabah



Bloglog /Reprodução
Claudia Menezes, Sérgio Mattos e Gisele Bündchen

 


Comentar

   

Histórico de Conteudo

Enquete

Qual a razão do repouso forçado de Ivete Sangalo?

Curtas e Venenosas

Curtas e venenosas da semana

Vina Calmon, minha gatona, vai aqui um conselho de quem entende do babado: se fosse pra ter uma Mulher Farofa na Banda Cheiro, meu amigo Cabeção (Windson Silva) não teria tirado Alinne Rosa. Portanto, deixe de piriguetagem e vá cantar. Se quiser mais conselhos já sabe onde me encontrar. Outra coisa, essa lance de Manno Góes e Tuca Fernandes rivalizarem até na política tá engraçado. Será que Dilma e Aécio acham mesmo que o apoio dos sujeitos vai lhes render votos? Leiam as Curtas e venenosas da semana!

Veja mais

Colunistas

Luis Ganem

Colunista

14/10/2014 - 09:10

A morte da música da Bahia - homicídio ou suicídio?

03/09/2014 - 16:17

O que o entretenimento espera do próximo governador?

O mercado artístico e cultural tem reclamado muito de certo amadorismo no que tange a logística de shows e eventos no estado. Sendo que alguns fatores são sempre preponderantes para essa reclamação. Seja pela falta de espaço próprio para o desenvolvimento do segmento como casas de shows e um novo e moderno centro de convenções, seja pela falta de investimentos das autoridades para com a classe, o fato é que insatisfações como esta fazem com que o mercado, que vive somente contando com o Parque de Exposições agropecuárias ou então um ou outro local improvisado, tenha realmente razão para reclamar do declínio dos grandes eventos em geral que deixaram de vir para a Bahia.


Paulo Victor Nadal

Colunista

20/10/2014 - 17:31

Quebradeira baiana: Conheça a arrochadeira, gênero musical que vem ganhando destaque na Bahia

Você conhece a 'arrochadeira'? Ela vem ganhando grande destaque no cenário musical baiano, conquistando dezenas de fãs e atraindo diversas novas bandas e artistas para um novo gênero musical.

20/10/2014 - 17:30

BN lança sua nova coluna, Quebradeira Baiana, com foco em pagode e arrochadeira

O Bahia Notícias inaugura esta semana sua nova coluna de Holofote, a "Quebradeira Baiana", que será comandada por Paulo Victor Nadal. Nos textos, Paulo falará sobre artistas baianos que “botam para quebrar”, em especial do pagode e da arrochadeira, mas que acabam não conseguindo ter grande espaço na imprensa para divulgar suas músicas.


Veja mais