Sexta, 07 de Novembro de 2014 - 11:44

Curtas e venenosas da semana

por Natália Comte

Curtas e venenosas da semana
Pense numa classe que tá em extinção: apresentador popular. E olhe que a Bahia já exportou exemplares como Cláudio Luís e Marcus Pimenta para Sergipe e Pará. Agora, graças a Deus, Analice Salles se picou pra São Paulo; soube que nem volta mais. Falando nessa galera de TV, bem que Léo Bala, que faz jus ao nome e passa rápido em todas as emissoras, podia aproveitar que voltou a ser diretor-presidente da Cajazeiras FM e conseguir uma vaga logo hoje pra Uziel Bueno.

___________________
 
 
* Se tem uma pessoa que sabe das coisas sou eu. Posso garantir que Ivete não está grávida. Aliás, se dependesse de Joyce Pascowitch e de Casemiro – O Neto, o filho já teria nascido.
 
* Só pros meus amigos do correio saberem, o Bloomberg, que não é o ex-prefeito de NY nem o dono do site, deu entrevistas em Mário Kertész e disse que A Tarde ultrapassou o Correio. Digo nada, se for denunciado de novo ao IVC.
 
* Esse menino Léo Bala faz jus ao nome: passa rápido em todos os trabalhos que consegue. Foi assim na Record, e mais recentemente na Tudo FM. Menos a rádio comunitária Cajazeiras FM, na qual o jovem repórter é diretor-presidente.
 
* Por falar em Cajazeiras FM, bem que Léo Bala poderia ser grato a Uziel Bueno e convidá-lo para sua emissora hoje mesmo.
 
* Aliás, pense numa classe em extinção: Apresentador popular. E olhe que a Bahia já exportou, a exemplo de Cláudio Luís, no Balanço Geral de Sergipe, e Marcus Pimenta, no Balanço Geral Pará. Agora, graça as Deus, Analice Salles se picou pra São Paulo.
 
* Malhar vale à pena. Fora da rádio e com o bar fechado, Ilds resolveu cuidar do corpo (clique aqui e veja).

* Por falar em Ilds, entrou água no Réveillon super mega hiper extra luxo que o jovem ia fazer na praia de Praia do Forte. Para não estressar as tartarugas com música ruim, o super luxo não vai ser mais na lama. Virou mal-assombrado. Vai ser no castelo de Garcia D'ávila.
 
* Cabeça (Windson Silva), meu querido, não fique zangado. Nessa galera aí só tem gente do bem. Se fosse, a outra ia contaminar (clique aqui e veja).
 
* Lembrei que há muito tempo eu disse que sertanejo na Bahia não ia pra lugar nenhum. Está provado que eu estava certa; é como gaúcho cantar axé.
 
* Certo dia também afirmei que cópias não iam pra lugar nenhum, a exemplo de Chicabana e Patchanka, uns clones de Durval que não sei o nome, etc.
 
* Irmãos também não têm lugar na música. Veja exemplo de Serginho (irmão de Saulo), André Lelis (irmão de Durval), Fernando Pires (irmão de Alexandre Pires), Luciano (irmão de Zezé), e mais recentemente Battata, irmão do mininu do Eva. Aliás, falando nele so me vem à cabeça: Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão. 
 
* Falei aqui também que estão mercenarizando o Alavontê; Saiu de um projeto bacana, original, para compor grade de grandes eventos. 

* Separadas dos namorados famosos Adelmo Casé e Magary, as belas Silmara e Tita Imbassahy mudaram de estilo. Viraram pagodeiras. Do Reino. Clique aqui e veja.
 
* Leia esse texto (clique aqui e veja). Os caras parecem não ter caído na realidade. Acabou, irmão! Ou vende barato e populariza ou vai ter que dar. Pode fazer uma promoção: Compre na Marisa e ganhe abadá do Nana. #UmaIdeia.
 
* Pense numa assessoria sem notícias sobre o evento... Aí o cara me vem com essa nota (clique aqui e veja). Mistério, meu jovem, é entender como vocês conseguem fechar um contrato.
 
* Não me lembro de quem é, até porque eu devia estar bebendo quando vi, mas guardei esse texto e lembrei de algumas celebridades baianas. Favor ler na íntegra:
 
“A fama é sedutora, mas todos que dela provam são unânimes em contar do pedágio caro demais no caminho até ela. São os falsos amigos que se aproximam, circunstanciais, são os amigos verdadeiros que se afastam, desconfiados. É a apavorante sensação de que a imagem que você vê refletida no espelho já não pertence a você, mas a uma multidão de pessoas que você não conhece – os “fãs”. Todo mundo tem uma opinião muito fundamental sobre sua roupa, seu cabelo, suas espinhas, seus amantes, seu peso e até sobre suas opiniões. A fama é cara, financeiramente falando: chega a ser ridícula a quantidade de celebridades que gasta mais em assessores, viagens e jantares do que lucra que com sua, bem, “arte”. A fama é passageira: é preciso devorá-la com apetite antes que o encantamento passe, mesmo que algo de sua alma fique destroçado pelo caminho. Pode ser que passe logo, pode ser que não passe nunca, pode ser que a fama nunca venha. Porque a fama é falsa: depende muito pouco do talento do famoso, e muito de uma série de circunstâncias culturais que não estão na mão de ninguém. E, especialmente, porque a fama não parece satisfazer os anseios mais urgentes daqueles que a alcançam – como ver os filhos crescerem, cuidar de cavalos, ir à padaria ou cortar os cabelos sem que isso se transforme em um evento nacional”.

Gente, hoje eu tô boazinha e distribuindo conselhos. O primeiro foi para irmãos e cópias de artistas: desistam! Não cola, não dá certo. Os irmãos de Saulo, Ivete e Durval provam que minha teoria é certa. O segundo conselho foi pra Cabeção (Windson Silva): cara, não se zangue porque Mulher Farofa (Alinne Rosa) não vai gravar com vocês do Cheiro, até porque me parece que só vai ter gente de bem lá. Enfim, vou adiantar o lado porque tô com o dia cheio e meu Inho tá me estressando. Semana que vem volto com novidades. Enquanto isso, mandem sugestões através do Sabe o que eu acho? ou me procurem no Facebook: Natalia Comte!

Histórico de Conteúdo