Colunistas

Elane Varjão

24/07/2014 - 08:00

Giro: Karla Rodrigues se casa no Vila São José neste sábado

A noiva é diretora do Realize - Cerimonial e Eventos e se casa com o administrador Fabrício Santos

23/07/2014 - 11:00

Giro: Carlos Piñon Filho faz ajustes finais para a entrega do Shopping da Gente

Aquisição de escadas rolantes importadas e instalação de uma central de ar condicionado estão entre os investimentos feitos pelo empresário.

Veja mais

Marcos Preto

24/07/2014 - 18:17

RelP:Mês de agosto repleto de atividades para estimular a conseguir o corpo dos sonhos

Workshop sobre nutrição esportiva e série de reportagens com foco em hábitos saudáveis serão ótimos aliados para quem busca uma silhueta magra e saudável.

21/07/2014 - 17:22

RelP: Ivete Sangalo lança mais uma coleção em parceria com a Grendha

A cantora apostou em uma verdadeira mistura de etnias para as suas sandálias de verão

Veja mais

Savana Caldas

23/07/2014 - 18:55

Gourmet - Torre de Pizza anuncia nova unidade

Com mais de 30 anos de tradição, a Torre de Pizza ganhará a mais uma unidade de sua reconhecida rede de pizzarias. Em clima de ‘soft opening’, a inauguração acontece em agosto, na Praia de Buraquinho.

08/07/2014 - 09:15

Gourmet - Novidade no cardápio do Outback

Neste mês, o cardápio da rede Outback Steakhouse ganhará um reforço que promete agradar os paladares mais exigentes. Combinação inédita de salmão grelhado com massa é opção leve e deliciosa.

Veja mais

Literatura

O Deslize

O jornalista, professor e escritor Elieser César é o autor do conto que publicamos esta semana o qual aborda, de forma irônica e crítica, o poder, a hierarquia e o relacionamento no serviço público, em especial entre chefes e subordinados, e, principalmente, a moralidade. Leia a íntegra do texto na coluna Literatura.

 

Narcisa Acorrentada

Oriunda de tradicional família potiguar, a médica e escritora Helenita Hollanda assina esta seção de Literatura com um belo texto sobre uma personagem (uma criança) que encontrou no interior do estado. Seu último livro é "Basílicas e Capelinhas", resultado de uma pesquisa sobre os monumentos arquitetônicos religiosos na Bahia e, como diz o Ditado, uma coletânea de expressões populares brasileiras.

Veja mais

Resenha BN

Ivete faz participação especial em show de Djavan em Salvador; veja vídeo do encontro

A (boa) surpresa da noite foi a participação especial de Ivete Sangalo, chamada de “Rainha do Brasil” pelo anfitrião. Ela foi anunciada por ele como “uma nova revelação da música baiana”. “Vamos ver se ela é afinada”, brincou. Quando Ivete entrou no palco, cantando “Meu Bem Querer”, o público vibrou. Veja o vídeo e leia mais sobre o encontro das estrelas da MPB em Salvador.

Veja mais

Entrevistas

'Um maremoto atrás do outro', diz Pitty sobre temas de composições do novo disco

Em 2003 Priscilla Novaes Leone, também conhecida como Pitty, estourou no mundo do rock nacional com o CD "Admirável Chip Novo", que apresentou ao público sucessos como "Máscara", "Teto de Vidro" e "Equalize". As próximas produções da baiana foram "Anacrônico", de 2005, "Chiaroscuro", de 2009, e além de dois discos ao vivo. Este ano, Pitty chega ao seu sexto álbum com o lançamento de "Sete Vidas". Um disco que fala sobre transformação e mudanças chegou à carreira da cantora em um momento de retorno às suas origens. Desde o lançamento de "Chiaroscuro", em 2009, Pitty não lançava novas músicas com sua banda de rock. No período, o Agridoce entrou em cena. Junto ao guitarrista Martin, a roqueira desenvolveu um projeto um pouco diferente do que seus fãs estavam acostumados, com músicas no estilo folk. Ao Bahia Notícias, Pitty contou como foi o processo de composição das novas músicas, sua relação com assuntos que ainda a afetam bastante e sobre sua visão do atual rock baiano.

Veja mais

Sexta, 16 de Agosto de 2013 - 10:20

'É uma história de amor', diz Glória Pires sobre 'Flores Raras', que estreia nesta sexta

por Marília Moreira

'É uma história de amor', diz Glória Pires sobre 'Flores Raras', que estreia nesta sexta
Dezoito anos se passaram desde a compra dos direitos do livro “Flores Raras e Banalíssimas”, de Carmen L. Oliveira, até a chegada do filme “Flores Raras” às salas de cinema de todo o Brasil nesta sexta-feira (15). O filme, dirigido por Bruno Barreto e protagonizado por Glória Pires e pela australiana Miranda Otto, se passa no Rio de Janeiro dos anos 50 e 60 e conta a história de amor entre a arquiteta brasileira Lota de Macedo Soares (interpretada pela primeira) – criadora do Aterro do Flamengo, um dos cartões postais da Cidade Maravilhosa – e a poetisa norte-americana Elizabeth Bishop (interpretada pela segunda). 
 
Glória Pires está no projeto desde o início, antes mesmo do diretor Bruno Barreto – que foi convidado anos depois por sua mãe, também produtora do filme. Em coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira (12), em Salvador, Glória Pires e Bruno Barreto comemoram o fato de o filme estrear em um momento propício ao debate sobre os direitos civis dos homossexuais. “Esse momento é maravilhoso, porque o filme contribui positivamente para esse debate. Não é um filme sobre a homossexualidade, mas tem esse fato como a situação das personagens que protagonizam a história. E, por isso, contribui de uma maneira muito positiva, mostrando essa relação amorosa e o desejo, às vezes tão prosaicos, dessas duas mulheres”, afirmou Glória Pires.
 
Nascida nos Estados Unidos, Elizabeth Bishop sempre esteve à deriva. Nos anos 50, decidiu viajar ao Brasil para uma “cura geográfica”; acreditava que novos ares fariam bem a ela e à sua poesia. No Rio de Janeiro, ficou hospedada na casa de Lota de Macedo Soares, então companheira de Mary Morse, antiga colega sua de faculdade. Logo de início, o encontro entre Bishop e Lota pareceu um desastre. Devido a uma crise alérgica que a impediu de retornar aos Estados Unidos no tempo previsto, Bishop teve de ficar mais um tempo na casa de Lota e Mary. Foi nesse ínterim que surgiu a paixão arrebatadora entre as duas. Com o romance, que durou cerca de 14 anos, as duas potencializaram suas criações: Bishop recebeu o Prêmio Pulitzer pelo livro “North and South” e Lota criou o Aterro do Flamengo. 
 

 
Para Bruno Barreto, o filme é essencialmente isso: uma história de amor. “É uma história de amor, que mostra como uma das personagens, no caso a Lota, que é a forte, a vencedora, a que sabe o que quer, fica cada vez mais fraca porque não sabe lidar com a perda, e como a fraca, perdedora, alcoólatra, indecisa, que vive viajando pelo mundo e não tem residência fixa, que é a Bishop, vai ficando cada vez mais forte, porque mal ou bem ela lida com as perdas e não as joga para debaixo do tapete”, sintetizou o diretor.
 
Apesar de ser uma produção nacional, o filme é quase que integralmente falado em inglês. Há uma semana "Flores Raras" abriu o 41º Festival de Gramado, com direito a homenagem a Glória Pires, que ganhou o Troféu Oscarito. Internacionalmente, o filme foi agraciado com o prêmio de público no Festival de São Francisco, maior festival gay do mundo. “Embora nosso filme não levante nenhuma bandeira, ele está contribuindo de uma forma muito positiva, muito clara, sobre a questão”, afirmou Glória Pires, que também acredita no preparo do público para lidar com tema quando tratado com seriedade.
 
Com uma trilha sonora impecável, o filme, segundo o diretor, pode ser definido com uma música que não faz parte da produção: “Fugaz”, de Marina Lima. “Acho que quando a Lota abre os braços, a Bishop diz a ela: "e a gente faz um país". E quando elas se abraçam elas criam realmente esse país, que é a Samambaia, o mundo delas”, contou o diretor.

Comentar

   

Histórico de Conteudo

Ildázio Tavares Jr.

Ildázio Tavares Jr.: Um novo carnaval, uma nova proposta e uma nova cidade!

18/07/2014 17:10

Em sua nova coluna, Ildázio Tavares Jr. conta uma novidade dos bastidores da música baiana: uma proposta de novo circuito do Carnaval no Centro Administrativo da Bahia, o CAB. "Soube em uma destas tantas conversas que 16 empresários, produtoras e empresas, enfim, o trade do movimento musical que reinou por aqui, irá debandar de uma vez, mandar as favas os circuitos da Avenida e Barra e firmar um novo circuito no CAB". Segundo o colunista, a criação do que chama de 'axezódromo' será boa para a festa soteropolitana. "Sem corda, a violência vai diminuir. O flagelo do cordeiro acaba, a população vai se sentir prestigiada em ter novamente uma festa feita e pensada para ela. Turistas virão e gastarão grana". Leia o texto completo na coluna Cultura.

Ildázio Tavares Jr.: O modelo de negócio banda

23/06/2014 15:40

Em sua nova coluna, Ildázio critica a organização do mercado musical baiana que, segundo o colunista, gira em torno do "modelo de negócio banda". "O Axé music foi vendido como um movimento musical, mas a real é que a arte e a cultura ficaram sempre em décimo plano. O primordial foi, e sempre será, matar o cachê da banda! Tenho convicção que esse foi um dos grandes motivos para nunca ter se edificado uma ou mais casas de shows decentes aqui." Ildázio ainda diz que tal organização dos "empresários e dono de banda" acabaram destruindo carreiras de vários artistas. "Onde anda o Araketu? Ou o Terra Samba, que teve o disco mais vendido do axé music ao vivo em BH ?!?! E Ninha, Xéxeu e Patricia? Márcia Freire? Entupiram as rádios, com seu poder de jabá, das mais diversas imbecilidades musicais. É só lembrar de “Maria Joaquina de Amaral Pereira Goés, você contribói para o meu viver!”. Leia o texto completo na coluna Cultura.

Veja mais