Eike, de grande empresário a fugitivo

Da condição de maior empresário do país na era do PT, Eike Batista passou à condição de fugitivo. Chega-se à conclusão que ele conseguiu a sua fortuna, agora decadente, a partir das propinas que distribuía à rodo, dentre as quais para o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), no momento preso no presídio de Bangu, onde se queixa de não tomar banho temendo ser morto pelos presidiários. A Cabral ele teria repassado nada menos de 16,5 milhões de dólares. Na época petista, sabe-se agora, Eike Batista transformou-se em grande empresário pelas facilidades que obtinha não se sabe como. A partir de 2014, quando a Operação Lava Jato teve início, tudo mudou para ele inclusive como delator de Sérgio Cabral que teria recebido das suas mãos grande quantidade de dinheiro. Eike, agora dado como foragido passou a ser o principal nome da chamada Operação Eficiência, como foi batizada a segunda fase da operação pela Polícia Federal do Rio de Janeiro decorrente da Lava Jato. Assim posto, caiu a máscara do “grande” empresário brasileiro, que, como disse, tudo começou lá em 2014 com a Lava Jato que mudou o cenário do país e levou ao impeachment de Dilma Rousseff. Esperam-se agora as delações que os ex-executivos da Odebrecht farão para que, a partir daí, mudanças  aconteçam no sistema eleitoral brasileiro, principalmente com a queda de alguns políticos que irão para o ostracismo.