Polícia Federal realiza operação contra fraudes em licitações e desvios na UFSC

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (7) a Operação Torre de Marfim, que apura desvios de verba feitos por fundações de apoio da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e por servidores. Também integram a ação a Controladoria-Geral da União (CGU) e o Tribunal de Contas da União (TCU). Segundo informações do G1, são cumpridos 14 mandados de busca e apreensão, além de seis mandados de condução coercitiva nas cidades de Florianópolis e Balneário Camboriú. Em nota, a PF informou que, desde 2014, investiga fraudes da UFSC em licitações que contrataram empresas fantasmas ou de parentes de gestores, além de supostos desvios de recursos e enriquecimento ilícito. "Entre 2010 e 2017 foram identificadas diversas irregularidades quanto à execução orçamentária apontando para o desvio de verbas públicas e para a prática de outros crimes licitatórios. Também chamou atenção dos investigadores um contrato questionado pelo TCU, onde um servidor aposentado da universidade, que também foi gestor do projeto, teve sua própria empresa contratada por cerca de R$ 20 milhões, sem licitação", diz o comunicado da PF.