Supremo vai julgar se pode mudar pena de delatores da JBS na próxima quarta

A revisão de pontos específicos das delações premiadas dos donos da JBS, Joesley e Wesley Batista, será analisada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na próxima quarta-feira (21). A relatoria do inquérito que investiga Temer e seu ex-assessor especial, Rocha Loures (PMDB-PA), também será julgada nesta data. Os questionamentos foram realizados por um dos alvos das delações, o governador de Mato Grosso do Sul Reinando Azambuja (PSDB). O  ministro Edson Fachin, que tem a relatoria do inquérito questionada, decidiu levar as questões para serem examinadas em plenário, pelos 11 ministros. Caso o STF possibilite a revisão dos termos das delações, o poder da Procuradoria-Geral da República sofreria um tipo de redução, uma vez que os investigadores têm utilizado as colaborações para ampliar as investigações da Operação Lava Jato. Os ministros do Supremo devem decidir se é possível modificar a cláusulas mesmo após terem sido homologadas, além de que em que momento a alteração pode ser realizada, se a qualquer momento ou apenas no fim da ação penal. Quanto à relatoria, o governador alega que o caso não tem ligação com a Lava Jato e que, por isso, deve sair das mãos de Fachin. As delações dos donos da JBS provocaram polêmica no país porque eles conseguiram direito a imunidade e autorização para morar nos Estados Unidos. A defesa dos delatores defende a manutenção do acordo nos termos de homologação.