Estudo aponta machismo como preconceito mais praticado pelos brasileiros

Uma pesquisa aponta que os comentários ofensivos, mesmo que sejam feitos sem a intenção de afrontar, continuam senfo reproduzidos diariamente pelos brasileiros. Os dados do estudo, realizado pela cerveja Skol junto ao IBOPE Inteligência, contou com a participação de brasileiros de todas as partes do país e mostram que 83% dos entrevistados se consideram não preconceitusosos, mesmo que 72% já tenham feito algum comentário ofensivo. Ou seja,7 em cada 10 brasileiros.

 

A pesquisa se baseou em quatro tipos de preconceito mascarados: machismo, LGBTfobia, estético e racial. Foram feitas perguntas diretas sobre como cada indivídio se enxerga, e se as pessoas já ouviram ou disseram determinadas frases como "Mulher tem que se dar ao respeito”, “Pode ser gay, mas não precisa beijar em público”, “Não sou preconceituoso, até tenho um amigo negro”, “Ele (a) é bonito, mas é gordinho (a) ”, entre outras.

 

De acordo com o site da revista Marie Claire, foi constatado que todas as formas de preconceitos estão presentes no cotidiano do brasileiro, podendo ser praticado ou presenciado. O machismo aparece em 99% dos brasileiros ouvidos. 61% já fizeram algum comentário machista, mesmo que não reconheçam o preconceito. A LGBTfobia foi citada como principal preconceito entre os brasileiros que se declaram preconceituosos, com 29%.

 

45% dos brasileiros conseguem perceber o preconceito em frases ditas ou ouvidas no dia a dia, mas metade delas não reage ao ouvir esse tipo de comentário. Quando a reação existe, as mulheres são maioria e correspondem a 60%, já os homens detectam menos os comentários preconceituosos e correspondem a 57%.