Duas capas sobre a participação feminina nos negócios

É de conhecimento geral que a diferença de gêneros no mundo ainda está muito longe de ser ideal. Segundo um cálculo realizado pelo Fórum Econômico Mundial, se continuarmos no ritmo em que estamos, a disparidade entre homens e mulheres no mercado de trabalho só vai acabar daqui a 170 anos. E o Brasil não está tão bem assim quando se trata de igualdade de gênero, aparecendo um 79ª posição no Índice Global de Desigualdade de Gênero, que analisa a realidade de 144 países.

 

Mas existem mulheres e empresas que estão transformando essa realidade. A participação feminina está cada vez maior em diversos setores e uma das provas disso é que duas das maiores revistas de economia e negócios do país deram recentemente destaque à mulheres nas suas capas. Enquanto a revista Exame fez um levantamento das empresas que mais promovem mulheres em posição de liderança no país, a Forbes listou as 40 mulheres mais poderosas do Brasil.

 

As duas revistas têm como foco temas como economia e negócios, que muitas vezes são assuntos relacionados a homens. Mas ao colocar mulheres na capa, as edições trouxeram visibilidade ao mundo feminino dos negócios, o que faz com que os feitos dessas mulheres tenham um alcance maior. É uma forma de reconhecimento importante, principalmente vindo de um meio bastante machista como é o empresarial.

 

No especial da revista Exame estão numeradas as empresas que mais promovem a participação feminina, bem como o perfil de mulheres que se destacaram na liderança de empresas e empreendimentos. Também foram listados alguns dados levantados pelo Grupo de Pesquisa em Direito, Gênero e Identidade da Fundação Getúlio Vargas, sobre a participação das mulheres no mundo dos negócios. De acordo com a pesquisa, das 90 empresas analisadas, apenas 20% tinham mulheres em cargos de liderança. A pesquisa também detectou em quais setores a participação feminina é mais efetiva e a conclusão foi que os setores de saúde e farmacêuticos lideram o ranking com 46% e 43%, enquanto o setor de energia, em contraste, aparece com apenas 11%.

 

Já a Forbes apresentou ao público mulheres que se destacaram durante o ano, em diversos ramos. São perfis de 40 mulheres que influenciaram positivamente o Brasil e se destacaram em setores como economia, educação, moda, beleza, hotelaria, entre outros. Essas mulheres são reconhecidas pela revista como “poderosas” por erguer e administrar empresas formar opiniões, inspirar atitudes, lutar pela educação e saúde do país, bem como por justiça e igualdade.