Pesquisadores desenvolvem papel de parede que produz energia elétrica

Pesquisadores da universidade inglesa Imperial College London desenvolveram um painel bio-solar elétrico imprimindo cianobactérias vivas em um papel. Com a ideia, a equipe, liderada pela Dra. Marin Sawa demonstrou que micro-organismos fotossintéticos poderiam ser utilizados como tinta e impressos por uma impressora a jato, junto com nanotubos de carbono a fim de produzir energia. O resultado é um papel de parede capaz de absorver energia do sol e transformá-las em pequenas quantidades de eletricidade.

 

A equipe demosntrou durante as pesquisas que as cianobactérias sobreviveram ao processo de impressão e poderiam fazer a fotossíntese para que pequenas quantidades de energia pudessem ser colhidas durantesa um período de 100 horas. De acordo com a pesquisadora, um painel bio-solar feito dessa maneira do tamanho de um tablet seria capaz de alimentar um relógio digital simples ou uma pequena lâmpada LED. 

 

De acordo com o site da revista Casa Claudia, o avanço desse estudo pode levar a novos tipos de dispositivos elétricos feitos de papel e  bactérias fotossintetizantes impressas, que seriam utilizadas como fontes de alimentação descartáveis ou dispositivos que funcionam como sensores ambientais capazes de monitorar a qualidade do ar na casa. "pós fazer seu trabalho, ele poderia ser removido e deixado para biodegradar no jardim sem qualquer impacto no meio ambiente", explica Marin.