UFC bane fotógrafo da equipe de Holly Holm que chamou Cris Cyborg de homem

O UFC anunciou, nesta quarta-feira (3), o banimento do fotógrafo Mark Aragon, da equipe da lutadora Holly Holm. O motivo da decisão foi uma publicação de Aragon no Instagram, chamando Cris Cyborg de homem.

 

"O UFC está ciente e incomodado com o comentário recente feito nas redes sociais por um representante da Jackson's Wink MMA, academia de Albuquerque, Novo México, relacionado à campeã peso-pena Cris Cyborg. O UFC não tolera as observações usadas. A organização entrou em contato com a equipe de Albuquerque para informá-los que o profissional em questão não terá acesso a eventos futuros", diz o comunicado.

 

A postagem foi feita no último domingo (31), após a luta entre Holm e Cyborg. A brasileira venceu a norte-americana por decisão unânime após cinco rounds mantendo o cinturão dos pesos-pena (até 66kg), na luta principal do UFC 219, em Las Vegas.

 

"Esse cara é duro como prego! Dito isso, na coletiva de imprensa ele falou que a Holly foi a primeira pessoa que fez o seu nariz sangrar. Você é minha heroína @hollyholm. Te vejo na academia", escreveu Aragon.

Postagem de Aragon | Foto: Reprodução / Instagram

 

Ao ver a postagem, Cris Cyborg recorreu às rede sociais exigindo um pedido de desculpas por parte da Jackson's Wink MMA, onde Holly Holm treina. "Não é aceitável que um profissional da Jackson's Wink MMA me chame de transgênero após a minha luta", escreveu a brasileira.

 

It is not acceptable for an official representative of @hollyholm @jacksonwink_mma to call me transgender following my Fight. Their official photographer was given a backstage credential to attend the @UFC and I expect an apology or their ability to get credentials for future UFC events to be affected by these actions. @ma2_media ???????????????????????????????????????????????? Não é aceitável que um representante oficial da @hollyholm @jacksonwink_mma me ligue transgênero na sequência da minha luta. Seu fotógrafo oficial recebeu uma credencial de bastidores para participar do @UFC e espero que uma desculpa ou sua capacidade de obter credenciais para futuros eventos do @ufc_brasil sejam afetadas por essas ações.

Uma publicação compartilhada por CRIS CYBORG ????????? #ufc219 (@criscyborg) em

 

O fotógrafo apagou a publicação em que ofende a campeã dos penas. Em seguida, ele publicou e depois apagou uma postagem em que afirmava que faria um pedido formal de desculpas em um podcast. Ele ainda publicou uma nova foto de Cyborg e Holm na pesagem e escreveu que estava envergonhado de sua atitude, mas justificou que ouviu Cris Cyborg chamar Holly Holm de vadia em conversa com seus treinadores no ônibus após a luta.

 

As the most hated photographer in the world today, I feel its necessary to comment on the recent fall out I’m causing for both Hollys and Cyborgs camps, and their respectful friends, fans, and families. At the conclusion of UFC 219, I took the final bus out of the arena back to the hotel and ended up on the same bus as Cris Cyborg and her team. As I sat in the back I began to hear them cheer and revel in their victory and discuss small parts of the event. A couple things really bothered me. I heard them laughing and commenting on a picture that renowned photographer Esther Lin took of Cyborgs toes literally in Hollys eye from a kick. Cyborg then went on to discuss how during clinches “the bitch” just “stayed and hugged her but she did nothing”. When I got back to the hotel I posted a picture with an inappropriate caption that everyone is now talking about. I was obviously acting out of anger and frustration. My personal emotions got in the way of my professional status which I failed to adhere to. But there is more to it, Cyborg leading up to the fight through her own Social Media accounts accused Holly and our camp of being the most drug failed camp ever. This is a totally fabricated lie and can’t be based on any merit whatsoever. Only one CURRENT athlete from our camp has ever been punished for USADA related issues and I was extremely frustrated with the perception that Cyborg and her fans had painted us as cheaters and losers.  Jackson Wink had over 60 UFC fights throughout the world and hundreds of other fighters fighting all around the world at many different organizations. Every fighter has their home team based out of whatever country or state they hail from and come here for training, some of them with their own teams. We absolutely can’t be responsible for each and every one of their daily activities. That being said I am embarrassed by my actions and I sincerely apologize to @criscyborg and her friends, fans, and most importantly her family for posting such an ugly misrepresentation of a great hard earned championship retention. I also want to apologize to the members of team Jacksonwink who were effected by that insincere post.

Uma publicação compartilhada por Mark A. Aragon (@ma2_media) em