A GOSTOSA DO MĘS

Saia curta, blusa decotada, rosto untado de maquiagem, Sheilinha se aproximou de Estela, que gerenciava os negócios.
- Como é que pode?
- O quê?
- Aquela lambisgoia da Milena, ser eleita a Gostosa do mês?
- O que é que tem?
- Ora, minha filha! Olhe pra mim. Toda cheia, tudo em cima, e não ser a escolhida. No mínimo tá dando para alguém.
- Queridinha. Aqui, todas estamos dando pra alguém...
- Ih, me esqueci! É mesmo. Mas, mesmo assim. Foi marmelada. Carta marcada.
- Ela até que é jeitosinha. Tipo mignon, falsa magra, cintura fina, peituda, bundinha saliente... Os homens gostam.
- Sou mais eu, como meu bundão.
- Também tem seu lugar. Tem homens que preferem as mais cheiinhas; outros, as bem proporcionadas.
- Escuta aqui! Você está querendo insinuar; insinuar, não, dizer: você está querendo dizer que eu logo euzinha, tenho um corpo desproporcional, como um armengue, uma derrubada qualquer?
- Claro que não. Pra popuzada, você é das melhores. Bate em muitas mulheres melancia, melão, jaca...
- Epa! Também não esculhambe. Jaca, não.
- Melancia, melão ou um dessas frutas polpudas que existem por aí...
- Por aí, não, que mulher como eu, não se encontra por aí, à toa, a torto e a direito.
-  Desas frutas polpudas que existem no tomar das delícias...
- Pomar das delícias. Agora, gostei. Gostei de verdade. Combina comigo: pomar das delícias...É por isso que gosto de você, Estelita. Você sabe das coisas; sabe agradar as pessoas, diferente daquela outra, Graças a Deus que saiu daqui, que só andava de cara feia, esbaforida, se esgoelando, brigando com todo mundo, como se fosse uma feitora e não gerente...
- É nesse ramo, temos que ter jogo de cintura.
- E nós, que pegamos no pesado, cintura...
Sheilinha tomou um gole de cerveja e voltou a reclamar:
- Ainda não me conformo de ter perdido pra aquela Olívia Palito...
- Palito! Também não é assim.
- Pra aquela espaguete...
- Espaguete já tem sustança, e é disso que os homens vêm atrás, sustança...
- Se aquilo for sustança, eu sou tutano...
- Cada um escolhe o prato que come....
- Mas não abe o que está perdendo....
As duas continuaram falando sobre a gostosa do mês. Desde que o concurso fora instituído, há quase um ano, o movimento na casa aumentara muito. Funcionava da seguinte maneira: na última sexta-feira de cada mês, os clientes se reuniam no amplo salão  e recebiam um cédula de votação com os nome das candidatas. As meninas desfilavam no palco. Primeiro de lingerie. Depois, nuas, em meio ao alarido da música, de vozes masculinas e da excitação geral . Eles marcavam um xis no nome da preferida. A vencedora ganhava um michê extra e era oferecida ao público num pregão disputado. Levava-a para o quarto quem oferecesse mais pelo troféu de carne da vez. A cada final de mês, a luxuriante loteria atraia mais homens. Havia até  bolsas de aposta. Sou mais Marcinha. Oxe, Gorete, hoje, leva. Aposto em Janice. Vou votar em Sheilinha. Prefiro Estela... Mas ela não entra no rateio, é só gerente...
- Sabe, Estelita?
- O quê? Não minta pra mim. Diga a verdade.
- Que verdade, criatura?
- Você não acho que estou meio gordinha.
- Não. Você é só robusta...
- Robusta é a  Augusta...Estou meio gordinha mesmo...Sabe, vou fazer regime. Fico até uma semana sem comer, mas vou emagrecer. Ficar como a lambisgoia da Milena;;aliás, melhor do que ela; mais cheiinha, quero dizer... e então...
- E então?
- Quero ver se não vou ser a gostosa do mês.