Operação Vera Cruz: PF desarticula quadrilha de traficantes de terno e gravata

Após dois anos de investigações, a Polícia Federal (PF) desarticulou nesta sexta-feira (30) uma organização criminosa especializada no tráfico internacional de drogas, principalmente de crack e cocaína. Com base em Cascavel, no oeste do Paraná, o grupo é suspeito de usar carros de luxo para abastecer o Primeiro Comando da Capital (PCC), em São Paulo, e o Comando Vermelho (CV), no Rio de Janeiro. Até o fim da tarde, foram cumpridos 11 dos 22 mandados de prisão e 60 de busca e apreensão. Entre os detidos está Gilmar dos Santos Arruda, suspeito de pertencer ao PCC em São Paulo. A operação batizada de Vera Cruz foi desenvolvida simultaneamente em sete Estados – Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Pará – e no Paraguai, com apoio da Secretaria Nacional Antidrogas. O grupo tinha um patrimônio estimado em R$$ 20 milhões e dispunha de aproximadamente R$$ 10 milhões como capital de giro para a compra e venda de drogas. De acordo com as investigações da Polícia Federal de Cascavel, o transporte de drogas pela organização criminosa era feito em veículos preparados com fundos falsos no Paraguai. A quadrilha normalmente utilizava carros de luxo ou de alto valor. Eles seguiam de terno e gravata, na tentativa de enganar a polícia. A quadrilha começou a ser desmantelada em abril deste ano, quando quatro pessoas foram presas no Paraguai. Entre elas Willian Leonardo Pinto, filho do chefe da organização criminosa, José Antônio Pinto.